Comentários sobre política brasileira e outros temas polêmicos

Comentários sobre política brasileira e outros temas polêmicos

1 de abril de 2009

Quarenta e cinco anos. E daí?

Em sua coluna de hoje e no seu blog, Miriam Leitão diz: "Há 45 anos, os militares tomaram o poder e golpearam as instituições democráticas. Hoje, o Senado ofende o país, a Câmara dos Deputados acumula escândalos, o Supremo toma uma decisão que, se cumprida, liberará criminosos da prisão, o Executivo usa a estrutura do governo para campanha política";coleção de privilégios, irregularidades e vergonhas aceitas como normais";

Miriam afirma ainda: "Não aprendemos as lições dolorosas do passado? Se a ideia é provar aos 83 milhões de brasileiros que nasceram após o último general deixar a Presidência pela porta dos fundos do Palácio do Planalto, que a democracia é cara, ineficiente e fonte de corrupção, as nossas autoridades estão no caminho certo.O Senado não existe para ser essa coleção de privilégios, irregularidades e vergonhas aceitas como normais. Era para ser uma instituição madura, revisora das decisões da Câmara dos Deputados, representante, em equilíbrio paritário, dos estados da Federação";

Em outro trecho de seu artigo, a jornalista afirma: "O Senado existe para que a casta dos senadores possa usar, como quiser, o dinheiro público, para que o ex-diretor-geral Agaciel Maia tenha bens acima de suas posses e nem os declare, e que, em troca, permita a farra das contratações que levou a Casa a ter o exorbitante número de 10 mil funcionários, com direito a hora extra no descanso. E que existe também para que os senadores nomeiem para a presidência da poderosa Comissão Mista do Orçamento o “Almeidinha”, aquele cuja qualificação foi ter sido o fiel escudeiro do senador Renan Calheiros, que usava uma empreiteira para pagar a amante";

Para os deputados, Miriam destaca: "Na Câmara dos Deputados, a cumplicidade dos pares em torno de irregularidades e desvios que já chocaram o país em várias ocasiões. Dos anões do Orçamento para cá foram tantos, que o país até já perdeu a conta";

Sobrou também para o Palácio do Planalto: "O Executivo está em plena campanha política. No dia 18 de fevereiro, só para citar um evento, o Palácio do Planalto foi sede de uma reunião do Conselho Político sobre as chances da candidata declarada do presidente Lula à sucessão, quando se tomou a decisão que ela continuaria a “inaugurar” obras. Nem se dão ao trabalho de fazer a reunião fora do expediente, em outro local. Será assim nos próximos dois anos: o governo será usado para a campanha presidencial, com as explicações de sempre de que a gerente precisa acompanhar as obras";

O Supremo Tribunal Federal entendeu que enquanto o réu puder recorrer, ele o fará em liberdade. A regra já valia para alguns privilegiados. O assassino confesso Antônio Pimenta Neves, condenado em dois julgamentos, permanece solto. Todas as evidências e até as confissões não valem, porque, na dúvida, a decisão é “a favor do réu”.

Falando o megainvestidor que deu um golpe de US$ 50 bilhões, Miriam Leitão disse: "Bernard Madoff cometeu apenas um erro: não nasceu no Brasil. O ex-presidente da Nasdaq é autor da maior fraude financeira de que se tem notícia. Ficou em prisão domiciliar, confessou o crime e foi levado para a prisão, aonde vai esperar o julgamento. E, quando for condenado, ele poderá recorrer. Porém, o fará da prisão. Se Madoff estivesse no Brasil, ele poderia pedir habeas corpus com grande chance de ser beneficiado por uma daquelas decisões idiossincráticas de que ele não ofereceria risco de fuga, ou o FBI teria se excedido na investigação, ou qualquer um dos argumentos que aparecem em algumas liminares, apenas para os notáveis";

E a advertência final: "Quarenta e cinco anos depois de iniciado o segundo período ditatorial da República, o que se passa na cabeça dos donos dos poderes republicanos? Há uma desconfortável sensação de que eles não veem o perigo extremo que o país corre. Não de outro golpe militar, a história não se repetirá assim. O risco maior é de os jovens — os donos do futuro — acharem que a democracia não vale o que custa. Afinal, 44% dos brasileiros nasceram depois do fim da ditadura militar. Mais de 100 milhões de brasileiros nasceram depois do fim do AI-5. Já são a maioria. Eles nada viram; podem não notar as virtudes que nós, os mais velhos, valorizamos na democracia";

Sem dúvida alguma, milhões de brasileiros esclarecidos entendem o recado da jornalista, que na revolução de 64 foi presa por suas posições "subversivas" de esquerda e que hoje é amaldiçoada pela esquerda radical. Os tempos são outros, mas as causas que levara àquele movimento dos militares continuam bem acesas.


Um comentário:

  1. Como sempre, Miriam tá mais que certa´. É "mal" de família, não?

    ResponderExcluir

Não saia do Blog sem deixar seu comentário