Comentários sobre política brasileira e outros temas polêmicos

Comentários sobre política brasileira e outros temas polêmicos

31 de julho de 2011

TV tem que acabar com excesso de baixarias

A notícia com o título 'Peãozada cheia de fogo!' está na edição de hoje do jornal 'Meia Hora' e trata de uma festa que foi pra lá de animada, com direito a dança sensual e muitos beijos. chamada de 'Baile das Máscaras' com a participação de um programa de TV chamado de 'A Fazenda 4', que é uma versão altamente piorada do Big Brother Brasil, tal o grau de baixaria que ali se apresenta. O jornal destaca que os participantes estão muito mais que animadíssimos; eles estão é bem assanhadinhos;

A festa que rolou sexta-feira, segundo 'Meia Hora', pegou fogo, com direito a dança sensual, selinhos, beijo triplo e até boca na 'comissão de frente' de uma das 'peoas'. A baixaria começou antes mesmo da festa ter início, quando Monique Evans - sempre ela! - levantou o vestido e mostrou o bumbum para os 'peões', deixando claro que a noite prometia. Outras 'ilustres' figuras, como Raquel Pacheco (a 'Bruna Surfistinha'), Joana Machado (antigo caso do jogador Adriano) e Valesca Popozuda dançaram coladinhas em Dinei (ex-jogador). Teve ainda a funkeira François juntando-se ao grupo com danças sensuais.Valesca pediu um selinho para Dinei. Ele topou, é claro. Depois, a loura rebolou com seu 'instrumento de trabalho' perto do rosto e da barriga dele. Joana também se empolgou e rebolou para o ex-jogador. Quando parecia que a festa já estava no auge, os 'peões' passaram a tirar fotos, encerrando as 'performances' com  Dinei e Joana posando dando beijos nos seios de Valesca;

É evidente que ninguém quer a volta da censura aos programas de TV e a qualquer veículo de comunicação, mas é necessário que a sociedade se manifeste contra esses programas que muito antes de serem culturais ou de diversão, na realidade transmitem baixarias do mais baixo nível que em nada educam ou divertem.O que não pode acontecer é o baixo índice de qualidade desse tipo de programas e muito menos as apelações exibidas em busca de maior audiência. Não é para censurar, mas é preciso travar a baixaria.

A 'faxina' de Dilma pode ser pra valer, mas poucos acreditam

Pesquisa feita por um blogueiro entre seus leitores constatou que 83,36% dos 1.373 consultados não acreditam que a tal 'faxina' da presidente Dilma Rousseff seja para valer. Um total de 14,01% acredita que a presidente está mesmo fazendo uma limpeza em seu governo, enquanto 2,63% não souberam opinar. Pode-se depreender dessa amostragem, descontando-se a possível tendência do blog de ser anti governista, trata-se realmente de uma possibilidade de que a opinião pública não acredite mesmo nessa febre moralizante que vem sendo alvo de permanente discussão tanto na mídia como até em conversas de botequim. Tudo indica que Dilma Rousseff só agiu depois de comprovar que as notícias divulgadas pele imprensa sobre escândalos no Ministério dos Transportes eram reais, tendo que dar uma satisfação à sociedade;

Parece que ainda naquele ministério, em particular no Departamento Nacional de Infra-Estrutura de Transportes (Dnit), a 'faxina' continua. Até um novo dirigente nomeado pelo ministro  Paulo Sérgio Passos para substituir um dos 'varridos' daquele órgão também foi para a 'lixeira', pois mais uma vez a imprensa denunciou a existência de maracutaia familiar, pois o coordenador-geral de Operações Rodoviárias que havia sido efetivado, Marcelino Augusto Rosa, foi denunciado por formar com sua mulher, Sônia Lado Duarte, o chamado "casal Dinit", uma vez que ela é simplesmente procuradora de empresas que têm contratos naquele órgão que totalizam milhões de reais. A denúncia informava que a maioria dos contratos de sinalização existente no Dnit recebeu diversos aditivos contratuais e que pelo menos seis tiveram seus valores duplicados, quando a legislação vigente só permite acréscimos de até 25%;

Está difícil remontar a direção do Dnit. Esta é a 22ª demissão, comum detalhe: Marcelino Rosa já respondia a processo administrativo aberto pela Controladoria Geral da União (CGU, por "irregularidades em diversas licitações com indícios de direcionamento para determinadas empresa". Mesmo assim, o ministro o nomeou para o cargo, no lugar de Luiz Claudio Varejão, que havia sido indicado pelo Partido da República (PR). Quem anda provocando essa 'faxina' é mesmo a imprensa. Já há uma em relação à Agência Nacional do Petróleo (ANP), que neste fim de semana traz mais novidades. O ex-todo poderoso José Dirceu não está gostando nada disso e já quis fazer analogia com os grampos de um tabloide britânico com as denúncias recentes, insinuando outra vez a necessidade de um controle da imprensa;

O ministro Paulo Passos declarou enfaticamente: "Acho que estou fazendo a coisa certa no Ministério dos Transportes. Se acho que estou fazendo a coisa certa, vou continuar fazendo". Ele destaca não se preocupar com a reação do seu partido, o PR, que vem reclamando das demissões no Dnit. A questão é saber se Dilma Rousseff vai ficar somente na área dos Transportes ou se vai agir em outros 'guetos' partidários, principalmente do PMDB, historicamente o partido mais fisiologista do País. Por isso muita gente duvida que a 'faxina' de Dilma seja para valer, pois o partido de Sarney, Temer, Renan e outras 'celebridades' garanta a tal governabilidade.

30 de julho de 2011

A Copa de 2014 pode enriquecer muita gente

'Itaquerão' fica mais caro que o Morumbi
Qual seria o motivo para haver praticamente em caráter definitivo um veto à utilização do Estádio do Morumbi? E por que São Paulo definiu o estádio do Corinthians, o "Itaquerão", para a Copa do Mundo de 2014? Nota-se que houve uma forte interferência do então presidente Lula, ilustre torcedor do 'Timão' na escolha do futuro estádio. O clube está construindo uma arena para 48 mil pessoas ao custo de R$ 335 milhões e não se compromete a ampliar o estádio para público de 65 mil. São Paulo concorre à abertura da Copa, mas é a única sede indefinida. A obra do 'Itaquerão' teve início em 30 de maio. Após o veto da Fifa ao estádio do Morumbi, a arena do Corinthians se tornou a opção de São Paulo para 2014. O custo do 'Itaquerão' está orçado em R$ 820 milhões e mais R$ 70 milhões para arquibancadas provisórias;

Sabe-se, no entanto, que o custo do estádio que o Corinthians pretende erguer em Itaquera para a abertura da Copa pode bater a casa de R$ 1 bilhão, caso todas as exigências da Fifa sejam atendidas.O Corinthians e sua parceira na obra, a Odebrecht, estavam preparados para gastar até R$ 700 milhões com a construção do estádio. O Governo do Estado de São Paulo já resolveu entrar com R$ 70 milhões para aumentar o número de vagas nas arquibancadas. Acontece que o veto ao Morumbi é de ordem política, pois todas as exigências para uma reforma serão pagos ou viabilizados através de parcerias feitas pelo São Paulo. O que depende do poder público é a revitalização da Praça Roberto Gomes Pedrosa, com a criação de um estacionamento para 1.650 carros em três andares, sem alterar as vias públicas que já existem hoje. O custo total seria de R$ 130 milhões;

Várias etapas da reforma do Morumbi já foram cumpridas, como a instalação de 17 mil novos assentos, com a capacidade do estádio, após dezembro de 2013, sendo de 70 mil, o suficiente para receber até a abertura da Copa pelas regras da Fifa. Dirigentes do São Paulo, no entanto, já não mostram tanta confiança, acreditando que o estádio do Corinthians vai acontecer porque já houve diversas demonstrações de boa vontade da Prefeitura e do Governo do Estado. Além disso, existe uma briga política entre a CBF e o São Paulo, o que torna quase impossível o Morumbi voltar a ser cogitado. De qualquer forma, 'tem algum caroço debaixo desse angu', pois se sabe que os custos das reformas do Morumbi estão muito aquém daquilo que será gasto no 'Itaquerão', atendendo a uma preferência de Lula. Aí tem... É muito estranho, mas estamos no Brasil.

29 de julho de 2011

Ministro do STF, ex-advogado de Lula, ignora ética do cargo

Toffoli ignora ética do seu cargo
O ministro José Antonio Toffoli, do Supremo Tribunal Federal (STF), aceitou o convite para participar do casamento do advogado criminalista Roberto Podval, na ilha de Capri, na Itália. Mais de 200 convidados estavam hospedadas no Capri Palace Hotel, de cinco estrelas, tudo pago por Podval. O ver o caso ser revelado pelo jornal 'Folha de São Paulo', o ministro Toffoli não quis falar sobre o assunto. Através de sua assessoria foi dada a seguinte declaração: "É importante esclarecer que a viagem do ministro foi de caráter estritamente particular. Diante desse fato, ele se reserva o direito de não fazer qualquer comentário sobre seus compromissos privados";

Como é que é, ministro? Sua presença em qualquer casamento pode ser considerada como um compromisso privado, mas acontece que qualquer julgamento do STF é de interesse público, tanto que são transmitos pela TV Justiça. Se o advogado Roberto Podval é o patrono e o ministro Toffoli é julgador, aí é que a coisa pega. E tem mais. Toffoli faltou a quatro sessões do Supremo exatamente porque estava no tal compromisso privado e bancado pelo advogado, com certeza milionário. Toffoli é relator de dois processos nos quais Podval é defensor, já tendo atuado em outros casos de clientes de Podval;

A coisa ficou ruim para Toffoli porque o noivo riquinho declarou ao jornal 'Estado de São Paulo' que pagou as despesas do ministro em Capri: "Não paguei apenas para ele, mas para outros 200 amigos que convidei. A única coisa que paguei foi o hotel. Todo mundo, não apenas o ministro, teve direito a dois dias de hotel". Pegou mal para Toffoli, porque não é de bom tom um ministro do Supremo ter despesas pagas por um advogado que atua em processos que serão julgados por ele. Não se sabe em que tipo de apartamento o ministro Toffoli se hospedou em Capri. As diárias do luxuoso hotel variam entre R$ 1.400 e R$ 13.300;

Como a nomeação dele foi pelo sistema em vigor, segundo o qual cabe a Presidente da República a indicação do nome ao Senado, exigindo a Constituição Federal que o indicado tenha 'reputação ilibada' e 'notável saber jurídico', certamente o ex-advogado pessoal de Lula e do PT, de apenas 41 anos, talvez não conheça ainda as regras da ética no exercício do mais alto posto da Magistratura. Se a chegada ao STF fosse por concurso e ele se preparasse bem, é certo teria estudado sobre o comportamento de um ministro no Supremo. Todavia, haveria a possibilidade de reprovação, como já ocorreu com Toffoli em nada menos que três concursos para Juiz de Direito (isso é que é 'notável saber jurídico'?). Mas agora, além de ignorar a ética do cargo, ele tem o poder de até anular sentenças de juízes e desembargadores, que chegaram aos cargos depois de aprovados em concurso. Quanto à ética, Toffoli está 'se lixando'.

28 de julho de 2011

Somente 5% dos deputados foram assíduos nas votações

Tiririca e Romário são assíduos
A maior parte dos trabalhadores brasileiros é obrigada a trabalhar cinco ou seis dias por semana - há os que trabalham até sete dias -, mas a grande maioria dos deputados federais não é capaz de ir ao Câmara apenas nas terças, quartas e quintas-feiras, que são dos dias nos quais aquela Casa Legislativa funciona efetivamente. Entre os novatos, destacam-se os famosos Romário e Tiririca, que estão entre os assíduos, demonstrando até agora que não estão na Câmara a passeio. De acordo com tabela elaborada pelo site Congresso em Foco com dados obtidos junto à Câmara dos Deputados, somente 28 dos 572 deputados federais que atuaram no primeiro semestre (59 suplentes estiveram em exercício), representando 5% do total, compareceram às sessões de votação. São os seguintes:
  1. ALEXANDRE LEITE (DEM-SP)
  2. ANDRÉ FIGUEIREDO (PDT-CE)
  3. ÂNGELO AGNOLIN (PDT-TO)
  4. ARNALDO FARIA DE SÁ (PTB-SP)
  5. EDINHO ARAÚJO (PMDB-SP)
  6. EDINHO BEZ (PMDB-SC)
  7. EDIVALDO HOLANDA JUNIOR (PTC-MA)
  8. FABIO TRAD (PMDB-MS)
  9. FERNANDO FRANCISCHINI (PSDB-PR)
  10. GUILHERME CAMPOS (DEM-SP)
  11. HERMES PARCIANELLO (PMDB-PR)
  12. JESUS RODRIGUES (PT-PI)
  13. JÔ MORAES (PCdoB-MG)
  14. LINCOLN PORTELA (PR-MG)
  15. LOURIVAL MENDES (PTdoB-MA)
  16. LÚCIO VALE (PR-PA)
  17. LUIZ FERNANDO MACHADO (PSDB-SP)
  18. LUIZA ERUNDINA (PSB-SP)
  19. MANATO (PDT-ES)
  20. MIRO TEIXEIRA (PDT-RJ)
  21. PEDRO CHAVES (PMDB-GO)
  22. REGUFFE (PDT-DF)
  23. ROBERTO DE LUCENA (PV-SP)
  24. ROMÁRIO (PSB-RJ)
  25. SALVADOR ZIMBALDI (PDT-SP)
  26. TIRIRICA (PR-SP)
  27. VALADARES FILHO (PSB-SE)
  28. VITOR PAULO (PRB-RJ)
A bancada de São Paulo teve 9 deputados assíduos nas votações; os representantes fluminenses foram 3; Maranhão, Paraná e Minas Gerais, tiveram 2 cada; distribuindo-se os demais que trabalham entre os representantes dos estados do Ceará, Tocantins, Santa Catarina, Mato Grosso do Sul, Piauí, Pará, Espírito Santo, Goiás, Distrito Federal e Sergipe, cada estado com um deputado assíduo. Quanto aos partidos, coube ao PDT estar representado nas votações por 6 deputados; o PMDB, teve 5 parlamentares; PR e PSB, tiveram 3 cada um; DEM e o PSDB, 2 cada; e com um deputado, estavam deputados do PTB, PTC, PT, PCdoB, PTdoB, PV e PRB;

A lista dos mais assíduos é formada por deputados que compareceram a todas as sessões deliberativas do plenário da Câmara, quando são votados os principais projetos de lei, propostas de emenda à Constituição, medidas provisórias e outras proposições legislativas que poderão ser transformadas em leis. No primeiro semestre deste ano, ao todo, foram realizadas 55 sessões para apreciação de matérias. Apesar de todas as mordomias de que dispõem, mais de 500 'representantes do povo' não tiveram condições de exercerem sujas atribuições de modo completo. Coitados...

27 de julho de 2011

Contra corrupção, é só Dilma acender um pavio. O povo a apoiará

"Onde estão os jovens caras-pintadas, que não saem às ruas promovendo passeatas contra a corrupção dos políticos, a maior dos últimos tempos, com denúncias surgindo na imprensa diariamente"? A pergunta é encontrada todos os dias em blogs, sites, redes sociais e cartas de leitores de todos os jornais. Alguém já lembrou que está havendo necessidade de que um pavio seja aceso para que haja uma explosão de revolta contra este estado de coisas. Como se recorda, quando começaram a pipocar as acusações contra o então presidente Collor, este apelou ao povo para que saísse às ruas, vestindo roupas verdes e amarelas, para defendê-lo das acusações. O tiro saiu pela culatra. Os jovens saíram vestidos de preto e acabaram por provocar a queda do ex-presidente. Agora, cabe à presidente Dilma levar adiante uma verdadeira 'faxina', sem livrar a cara de qualquer partido da 'base aliada', e chamar a população a apoiá-la. Diferentemente do que aconteceu a Collor, certamente o povo ficará do lado dela;

Dilma Rousseff tem uma grande oportunidade de apagar definitivamente a imagem de 'poste' de Lula que lhe foi atribuída pelos opositores, segundo os quais ela estaria no Palácio do Planalto apenas 'esquentando a cadeira' para um possível retorno do ex-presidente, seu 'patrocinador'. Dependendo de qual atitude vier a tomar, principalmente se exigir 'ficha limpa' para todos seus auxiliares diretos e dos escalões superiores, com certeza o povo sairá às ruas e inibirá os fisiológicos de continuarem sedentos por cargos em órgãos de orçamentos polpudos, principalmente aqueles que o ministro das Comunicações, Paulo Renato, diz ser impossível de controlar. As chantagens certamente não serão levadas adiante e a governabilidade será garantida pelo povo. Até a Oposição ficaria sem discurso;

Está na hora, então, da presidente Dilma agir com rigor. Se assim fizer, a 'cadeira esquentada' para Lula no Palácio do Planalto só estaria disponível em 2018. É certo que Lula não gostaria da ideia, mas o Brasil teria muito a lucrar. Está nas mãos de Dilma Rousseff o fósforo. É só ter coragem de acender o pavio.

26 de julho de 2011

As UPPs de Cabral parecem 'cobertor curto'

  • Toda vez que o Governo do Estado Rio de Janeiro instala uma Unidade de Polícia Pacificadora (UPP), o governador Sérgio Cabral manda ligar todos os holofotes e faz com que as trombetas soem em alto e bom som. Para todos, trata-se de medida de alto teor social - e é mesmo -, pois as comunidades beneficiadas passam a contar com outro tipo de vida, sem a presença do poder paralelo que existia no local, sempre comandado por traficantes de drogas. Sai o Estado paralelo e entra o Estado oficial. Muda, de uma hora para outra, a qualidade de vida dos moradores e a paz passa a reinar. A eficiência da política de segurança do Governo Sérgio Cabral é enaltecida em todo o País;
  • Acontece que alguns reparos necessitam ser feitos. Quando uma UPP está para ser instalada, o Governo do Estado anuncia a data com grande antecedência. Parece que manda um aviso aos traficantes e/ou milicianos que dominam a área: "Por favor, retirem-se porque estamos chegando com uma UPP nesta comunidade. Procurem outro lugar para se instalarem para manter seus negócios". É o que parece. Não há nenhuma notícia de que aqueles que até então dominam a área estejam antecipadamente sendo presos, pois são criminosos conhecidos. Eles simplesmente mudam de lugar. O que na realidade existe é uma grande jogava de mídia, divulgando-se apenas o lado positivo da chegada de uma UPP em alguma favela dominada por traficantes;
  • Para onde estão indo os bandidos? Certamente para locais onde ainda não foi implantada e política de segurança do Estado. Um dos pontos que imediatamente estão sendo ocupados pelos traficantes é justamente a Baixada Fluminense. O 'Jornal de Hoje', de Nova Iguaçu, relata que nada menos 18 pessoas foram roubadas em diferentes pontos daquele município por uma mesma quadrilha.Também em Nilópolis há relato de que no bairro de Chatuba, tão divulgado pelo cantor Dicró, já são vistos bandidos andando armados pelas ruas, e não é tarde da noite;
  • A continuar este tipo de ação, o Estado do Rio estará praticando a política do 'cobertor curto', cobrindo a cabeça - as favelas - e deixando de fora os pés - a Baixada Fluminense. Na Região dos Lagos também estão sendo registrados diversos casos de assaltos que antes não aconteciam. Portanto, é hora de Sérgio Cabral começar a pensar numa outra forma de garantir segurança a toda população do Estado e não apenas se beneficiar politicamente de ações isoladas, que poderão lhe dar votos futuramente, mas que deixarão muitos cidadãos à mercê de bandidos.

25 de julho de 2011

A tal 'faxina' de Dilma é mesmo pra valer? Pode ser...

A presidente Dilma Rousseff anunciou aos quatro ventos que faria uma ‘faxina’ no Ministério dos Transportes em face da série de denúncias apontadas nos últimos dias pela imprensa e que foram confirmadas. Por causa disso, o então ministro Alfredo Nascimento e diversos outros auxiliares imediatos também foram convidados para se retirarem daquela pasta. Não se sabe se Dilma vai continuar com sua ‘faxina’ em outros ministérios, onde certamente taambém a casos estranhos (nem tanto assim) de desvios de dinheiro público para o bolso de uns poucos, porém ligados aos titulares de cargos dos quais foram demitidos;

Resta saber, portanto, se a presidente vai ‘passar a vassoura’ nos ministérios do PMDB, por exemplo, cujo passado não é lá muito republicano, expressão tão querida pelos petistas. É difícil crer que nos órgãos  dirigidos por integrantes do maior partido fisiologista do Brasil não tenha ninguém fazendo algum tipo de maracutaia às custas do erário público. Vamos aguardar para saber qual o tamanho do cabo da vassoura com Dilma diz que fará ‘faxina’ em seu governo.

23 de julho de 2011

Como fica o ministro marido da ministra?

O ministro marido da ministra
“O Dnit tem orçamento que deve ficar este ano na faixa de R$ 13 bilhões. Supor que não haverá nenhum problema é uma coisa quase impossível. Sempre tem problema”. Isso foi o que afirmou o ministro das Comunicações, Paulo Bernardo. Não dá para entender. Ou então está aí uma explicação que mostra muito bem como são tratados R$ 13 bilhões de dinheiro público, que, em última análise é dinheiro do povo, proveniente de impostos, para os quais não deve haver nenhum tipo de problema em sua utilização, que deve ser sempre revertido em benefícios. Não deve é ser desviado para o bolso de alguns privilegiados de qualquer 'base aliada' por força de se garantir a governabilidade de ninguém;

Gleisi: a Dilma da Dilma
Para complicar mais o assunto, o ministro Paulo Bernardo foi alvo de uma denúncia de corrupção ativa, por parte do senador Roberto Requião (PMDB-PR), além de receber ameaças e insinuações do diretor-geral do Departamento Nacional de Infraestrutura de Transportes (Dnit), Luiz Antonio Pagot. O fato fica um pouco mais complexo, porque Paulo Bernardo é nada menos que marido da chefe da Casa Civil, Gleisi Hoffmann, fato inédito no Governo, pois não há lembrança de que dois ministérios tenham sido ocupados ao mesmo tempo por marido e mulher. Pela importância das atribuições de Gleisi Hoffmann, que representa para a presidente Dilma Rousseff o que ela representava para Lula. Se Paulo Bernardo tiver 'rabo preso' em alguma falcatrua, a situação de sua mulher ficaria insustentável. Mas é certo que o Palácio do Planaldo, com 'faxina ' tudo, vai mobilizar sua 'tropa de choque' para blindar o marido da ministra;

Vê-se, portanto, que a presidente Dilma ainda tem muita crise para administrar, com a sociedade torcendo para que ela, depois da limpeza nas hostes do Ministério dos Transportes (ou seria do PR?), continue munida de água, sabão e detergente levando adiante a moralização no trato com o dinheiro público. É o que a sociedade - onde estão os eleitores - espera: que ela continue na sua faxina pelo bem da coisa pública.

21 de julho de 2011

Dilma não pode parar com 'faxina' no Ministério dos Transportes

No rastro do verdadeiro vendaval que está assolando o Ministério dos Transportes, com a demissão de cerca de 20 integrantes, há algo que precisa ser analisado. Parece que os dirigentes do Partido da República (PR) não têm noção do que andaram fazendo nos últimos oito anos e meio naquela pasta e nos órgãos dos escalões inferiores. A verdadeira chantagem que andam fazendo com a presidente Dilma Rousseff é nada menos que uma demonstração explícita de muita 'cara de pau'. Parece quererem dar a entender que o Ministério do Transportes pertence ao partido e que a Chefe da Nação não pode entregá-lo a quem ele bem entenda que deve ser seu titular;

A faxina que está sendo feita, se tiver continuidade com a mudança de nomes e de atitudes, certamente fará com que Dilma receba apoio de considerável parte da sociedade, que ficará do seu lado e exigirá do Congresso Nacional que vote não por retaliação por interesses que venham a ser feridos, exigindo também que votem a favor dos interesses do povo. Uma dúvida que ainda permanece está na continuidade do ministro Paulo Passos, que sempre foi uma figura das mais importantes no Ministério e que certamente participou de muita coisa e não há como não ter tido conhecimento das falcatruas que a turma do PR vinha praticando ao longo do tempo, sabendo-se que ele chegou a ser titular da pasta na era de Lula, que exigiu de Dilma sua continuação como principal auxiliar do ex-ministro Alfredo Nascimento;

Na realidade, Dilma Rousseff certamente está tendo sérias dificuldades para sair dessa enroscada, pois as demissões a que está sendo forçada certamente contrariam seu criador e também criador dessa verdadeira patota. Se a presidente continuar fazendo limpeza não só no Ministério dos Transportes, mas também em todo seu ministério, é certo que o povo brasileiro vai dar a ela altos índices de popularidade, pois a população não está mais inerte diante de tanta maracutaia em todos as esferas da administração pública. Se Dilma continuar nessa jornada, vai até deixar sem discurso a própria oposição, mas aborrecendo Lula, uma vez que ela passaria a ser favorita à reeleição em 2014.

20 de julho de 2011

Como ficam as vítimas das enchentes do RJ?

O site da UOL compara onde se rouba o povo ou não
Não dá para entender. Quer dizer, então, que a Controladoria Geral da União (CGU) constata que houve desvio de dinheiro público destinado à recuperação da cidade de Teresópolis por causa das enchentes de janeiro e determina que o dinheiro seja devolvido à União? É isso mesmo? Não pode ser! E a quadrilha montada na Prefeitura daquela cidade serrana fluminense? Ninguém vai preso? Os punidos são exatamente os que foram prejudicados com a perda de seus bens, principalmente aqueles que ficaram desabrigados? Isso não está corrreto. O que deve se fazer é punir rigorosamente os autores dos desvios, devolvendo imediatamente o dinheiro em que 'meteram a mão', mas que se corrija o destino do dinheiro e que as obras e os benefícios das principais vítimas seja logo aplicado naquilo a que foi destinado;

Durante a tragédia houve uma emocionante mobilização para fazer doações para as vítimas das enchentes. Chegou até a sobrar roupa e agasalhos. Até de outros estados chegaram doações, colhidas com bastante entusiasmo, notando-se a participação de gente de todas as faixas de idade. A Região Serrana do Rio de Janeiro continua passível de novas enchentes e deslizamentos. Depois dessas notícias fica a dúvida se haverá a mesma demonstração de solidariedade, pois prevalece agora a dúvida se as doações de janeiro chegaram às mãos de quem necessitava. Espera-se que no caso de nova necessidade, o povo não deixe de se solidarizar com possíveis vítima. Que cada um faça sua parte, principalmente as autoridades, não roubando nem deixando roubar;

Nesta quinta-feira, às 18 horas, haverá em Teresópolis um protesto contra a fraude na utilização da verba destinada às enchentes que arrasaram aquele município. Como consequência dos protestos anteriores, uma CPI  foi formada na Câmara local contra o prefeito petista Jorge Mário. O que não pode acontecer é punir as vítimas, deixando à solta os culpados pelos desvios, que no caso de Teresópolis e das outras cidades serranas do RJ. No mais, cabe sempre protestar e exigir que sejam punidos esse ladrões desumanos. E no ano quem vem, que eles sejam 'punidos' nas urnas, sendo definitivamente afastados da vida pública.

19 de julho de 2011

Quem crê que Paulo Passos vai no Congresso?

Paulo Passos vai ao Congresso?
O deputado Duarte Nogueira (SP), líder do PSDB na Câmara, entregou na Comissão Representativa do Congresso, nesta terça-feira, um requerimento de convocação do ministro dos Transportes, Paulo Passos, e também de Frederico Augusto de Oliveira, para falar a respeito de sua função no Departamento Nacional de Infraestrutura de Transportes (Dnit), onde exerce o cargo de assessor da Diretoria-Geral sem ter sido nomeado para a função. No entanto, a presença dos dois depende da aprovação do presidente da Comissão, senador José Sarney (PMDB-AP), que deverá analisá-lo juntamente com outros oito senadores e 17 deputados que fazem parte da comissão. Sabe-se que há articulação do Governo para que a maioria de aliados que tem ali rejeite a convocação;

Quando se tem notícia de que a presidente Dilma Rousseff agiu para desarticular a rede de influência do Partido da República (PR) no Ministério dos Transportes com a demissão de seis servidores (Lei aqui), que comandava as decisões sobre a execução de obras no Dnit, exonerando os principais operadores do ex-ministro Alfredo Nascimento e do deputado Valdemar da Costa Neto (PR-SP), não dá para entender a razão pela qual o Palácio do Planalto queira impedir que a opinião pública tome conhecimento dos fatos, vindo até a apoiar Dilma, reconhecendo seu esforço em 'fazer uma limpa' naquele setor do Governo, onde tem explodido escândalos quase que diários;

As exonerações feitas por Dilma o coordenador-geral de Operações Rodoviárias, Luiz Cláudio dos Santos Varejão, o coordenador-geral de Administração Geral, Mauro Sérgio Fatureto, o secretário de fomento para ações de transportes do Ministério dos Transportes, Darcy Humberto Michiles, a secretária de Michiles, Maria das Graças Fernando de Almeida, todos do Dnit, o sub-secretário de Assuntos Administrativos, da Secretaria-Executiva do Ministério, Estevam Pedrosa, e José Osmar Monte Rocha, assessor temporário do Ministério;

Se a famosa 'tropa de choque' da maioria governista rejeitar as convocações, não faltará material para a oposição manter o assunto em pauta, pois não se faz uma mudança tão radical num importante setor do Governo, depois de tantas denúncias e fatos não muito republicanos. Se é para ninguém dar explicações por que tantas demissões?

18 de julho de 2011

Estaria começando uma reação?

Há dias em que ao invés de postar algum tipo de comentário sobre o que acontecendo em especial no meio político brasileiro é melhor divulgar o que outros pensam e dizem sobre os fatos que estão circulando na imprensa, nos sites, nos blogs e nas redes sociais da Internet. Convém destacar o que muitos leitores escreveram hoje da seção de cartas de 'O Globo', pois tudo indica que as falcatruas que estão sendo divulgadas, praticadas por aqueles que deveriam zelar pela boa administração pública, principalmente quando à utilização dos recursos provenientes dos impostos pagos pelos cidadãos, quando, ao contrário, fica-se sabendo que tem gente enriquecendo até às custas do sofrimento de muitos. Transcrevemos, a seguir, algumas dessas cartas:

Roubalheira

Ótimo o artigo "Por que os brasileiros não reagem?", do correspondente do jornal "El País" (11/07), sobre a roubalheira que assola nosso país em todos os escalões governamentais. É exatamente como ele escreveu: por somos domesticados para não reagirmos. Como? Pela falta de educação, não ministrada ao povo, o que torna mais fácil o processo de dominação, espoliação e corrupção. O que falta aqui é o exercício da cidadania em seu sentido mais amplo. Sem ele, vivemos em estado de letargia cívica. Somos cidadãos de botequim e convescotes, onde tudo discutimos e sabemos, mas não damos um passo na direção de exercitar a cidadania. Urge que o cidadão passe a ser o centro do processo decisório através de sua ação, da construção de relações sociais e da ética. Precisamos construir sonhos para que possamos visualizar horizontes mais justos e igualitários. Precisamos nos insurgir contra os patronos da roubalheira. - RENATO DE SOUSA ALMEIDA (Itaperuna, RJ)

SOS Brasil

Enriquecimentos meteóricos; escândalos no âmbito de ministérios importantes; desvio de verba destinada ao socorro de regiões assoladas por catástrofes; educação embandeirada com pseudoavanços pedagógicos mas, mesmo assim, pessimamente classificada por critérios internacionais; sistema de saúde macabro; classe política desvinculada do interesse público; infraestrutura falida, tornando a nossa produção uma das menos competitivas no panorama do comércio global; Judiciário medroso; partidos políticos amorfos; corrupção generalizada e mediocridade cada vez mais ousada, dentre outras mazelas. Assiste-se a um processo de apedrejamento que está levando o país quase ao limite de sua capacidade de resistir. Urge, por parte da sociedade, por enquanto estática e letárgica, uma reação, não mais baseada somente nas paquidérmicas soluções eleitorais e eleitoreiras, mas também, a cada vez mais, em métodos de participação direta possibilitados pelas redes digitais, a exemplo do que ocorre em outras partes do mundo. O cenário é preocupante e está na hora de o Brasil socorrer o Brasil. - PAULO ROBERTO GOTAÇ (Rio)

Mensalão

Como cidadã, só voltarei a acreditar na Justiça quando, pelo menos, um destes senhores que participaram do mensalão for condenado. O pior é que muitos deles ainda estarão por anos à frente da política brasileira. É vergonhoso... - ELMA BOLSANELLO (Niterói, RJ)

Cópia barata

Alguém de bom-senso pode acreditar que um ex-ministro, defenestrado por envolvimento por envolvimento em falcatruas, possa assumir uma cadeira no Senado e, a partir daí, ter um comportamento exemplar? E é rezoável crer que um senhor que ocupa o cargo de secretário-executivo do Ministério dos Trnasportes há mais de dois anos nada saiba a respeito do que ocorria naquele ministério? No entanto, foi guindado ao cargo de ministro, pois é do PR e o governo, prática comum há nove anos, não pode prescindir de 40 votos na Câmara e de outros sete no Senado. Nunca S. Francisco de Assis foi tão copiado: é dando que se recebe. Podridão! - ANTONIO BANDEIRA CORRÊA (Rio)

Ninguém vai preso

Sou assinante de O GLOBO e uma coisa tem me chamado a atenção: em cada dez páginas queleio, oito falam sobre roubos de políticos, mas ninguém vai preso. às vezes, há um pequeno destaque sobre um ladrão que roubou carro ou celular. Acho  que está na hora de reverter essa situação. Afinal, que país é esse que só quem rouba carro ou celular vai preso? - BENITO COHEN (Rio)

Aí está uma excelente 'salada'. Esperamos que isso venha a ser um início de reação em reposta à advertência do jornalista Juan Arias. Vamos começar a reagir?