Comentários sobre política brasileira e outros temas polêmicos

Comentários sobre política brasileira e outros temas polêmicos

30 de novembro de 2015

Má administração de Dilma trás de volta a cédula de papel

  • Portaria conjunta publicada hoje no Diário Oficial da União e assinada pelos presidentes do Supremo Tribunal Federal (STF), ministro Ricardo Lewandowsk; do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), ministro Dias Toffoli; do Tribunal Superior do Trabalho (TST); ministro Antonio José de Barros Levenhagen; do Superior Tribunal Militar (TSM), ministro William de Oliveira Barros; e do Tribunal de Justiça do DFT, desembargador Getúlio de Moraes Oliveira; e também pela vice-presidente do Superior Tribunal de Justiça (STJ), ministra Laurita Vaz, informa que o contingenciamento de recursos determinado pela União para cada área do Poder Judiciário, incluindo a Justiça Eleitoral, inviabilizará as eleições de 2016 por meio eletrônico;
  • Na semana passada, o presidente do TSE já havia procurado o presidente do Supremo para expor a preocupação diante da medida do Executivo. O total que não será repassado para a Justiça Eleitoral soma exatos R$ 428.739.416,00 o que prejudicará a aquisição e manutenção de equipamentos necessários para a execução do pleito do próximo ano. Esse bloqueio no Orçamento, compromete severamente vários projetos do TSE e dos Tribunais Regionais Eleitorais (TREs). O impacto maior reflete no processo de aquisição de urnas eletrônicas, com licitação já em curso e imprescindível contratação até o fim do mês de dezembro, com o comprometimento de uma despesa estimada em R$ 200 milhões;
  • Segundo nota enviada à imprensa, a demora ou a não conclusão do procedimento licitatório causará dano irreversível e irreparável à Justiça Eleitoral. Diz a nota: "As urnas que estão sendo licitadas têm prazo certo e improrrogável para que estejam em produção nos cartórios eleitorais. Na espécie, não há dúvida que o interesse público envolvido há que prevalecer, ante a iminente ameaça de grave lesão à ordem, por comprometer as Eleições Eletrônicas Municipais de 2016".

Para Eduardo Cunha, propina paga pelo BTG é mentira e armação

  • O presidente da Câmara, Eduardo Cunha (PMDB-RJ), concedeu hoje entrevista coletiva para negar as denúncias de que teria se beneficiado com a aprovação de uma emenda em 2013 que favorecia o BTG Pactual. O deputado teria recebido R$ 45 milhões do banco. Disse o deputado: "A minha emenda era o contrário do que está sendo divulgado, era contra o aproveitamento de créditos de bancos em liquidação. A denúncia é mentirosa e fruto de armação";
  • Perguntado se teve encontros com André Esteves, que renunciou neste domingo à presidência do BTG Pactual, Eduardo Cunha não soube precisar datas e disse que encontra presidentes de bancos com frequência, acrescentado: "Não tenho condições de dizer, já encontrei André Esteves, como Trabucco, do Bradesco, já encontrei vários presidentes de bancos em diversos momentos. Não tenho condições de dizer quando encontrei";
  • O documento apreendido pela Procuradoria-Geral da República (PGR) foi encontrado por agentes da Polícia Federal (PF) na casa de Diogo Ferreira, chefe de gabinete do senador Delcídio do Amaral, que foi preso com Esteves e Delcídio na quarta-feira passada em decorrência do desdobramento da Operação Lava-Jato. De acordo com os investigadores, o documento faz parte de um conjunto de papéis que possivelmente constituía um roteiro de ação de Delcídio junto a ministros do Superior Tribunal de Justiça (STJ) e do Supremo Tribunal Federal (STF) para tentar soltar Nestor Cerveró, ex-diretor da Petrobras, que também está preso pela Lava-Jato.

Filho de Lula dá parecer milionário na base do 'Ctrl C / Ctrl V'

  • No depoimento que prestou à Polícia Federal (PF) no início do mês, Luís Cláudio Lula da Silva, filho caçula do ex-presidente Lula afirmou ao delegado Marlon Cajado, responsável pela Operação Zelotes, que o dinheiro que recebeu entre 2014 e 2015 do escritório de lobby Marcondes & Mautoni, R$ 2,4 milhões, eram referentes a pagamento por “trabalhos prestados” por sua empresa, a LFT Mar­keting Esportivo. A contratante é suspeita de ter negociado com autoridades do Governo a renovação de uma medida provisória, baixada em 2014, que prorrogou benefícios para empresas do setor automobilístico, o grosso da clientela do escritório. Seu principal sócio, Mauro Marcondes Machado, está preso desde o mês passado;
  • Solicitado a detalhar o teor de tão bem remunerado trabalho, Luís Cláudio afirmou à polícia ter entregue à Marcondes & Mautoni projetos de “pesquisa, avaliações setoriais e elaboração propriamente dita”, com “foco relacionado à Copa do Mundo e à Olimpíada” do Rio. Cópias do suposto trabalho foram deixadas com os investigadores. Relatório da PF diz que textos entregues por Luís Cláudio para justificar o recebimento de 2,4 milhões de reais de um escritório de lobby foram tirados da internet e estão em “total falta de sintonia com os milionários valores pagos” Os textos que Luís Cláudio entregou à PF para justificar o recebimento de 2,4 milhões de reais não passam de “meras reproduções de conteúdo disponível” na internet, “em especial, no site do Wikipedia”, ou seja, o famoso 'Ctrl C / Ctrl V';
  • Como se recorda, Luís Cláudio formou-se em Educação Física pela FMU, em São Paulo, mas sua defesa alegou à PF que sua expertise na área de consultoria tem “lastro na prestação de serviço, por cinco anos ininterruptos, em quatro dos mais destacados clubes de futebol”. Luís Cláudio de fato passou por vários clubes de São Paulo, sempre levado por amigos do pai, mas em nenhum deles desempenhou atividade que pudesse ter utilidade nos projetos que diz ter desenvolvido para o escritório hoje sob investigação da PF. O caçula de Lula entrou no São Paulo como estagiário no departamento amador do clube, e dali em diante, nos demais times onde esteve, nunca passou de auxiliar de preparador físico.

29 de novembro de 2015

Tudo indica que os petistas vão suar frio até 2018

  • Se existe uma coisa chata, nenhuma se compara ao 'samba de uma nota só' dos petistas sempre lembrando que os 'malfeitos' que eles cometem também foram feitos no tempo de FHC. Reclamam que houve um 'Mensalão do PSDB' em Minas Gerais há 20 anos e até ninguém foi punido, enquanto o "Mensalão do PT' levou uma enorme quantidade de figurões do partido para atrás das grades. No caso dos mineiros, o que aconteceu teria sido uma arrecadação de dinheiro ilegal para financiar a campanha do tucano Eduardo Azeredo a governador. Não foi a montagem de um sistema mensal de distribuição de dinheiro para garantir maioria no Congresso que votasse sempre de acordo com o interesse do Governo;
  • É lógico que não estou aqui dizendo que tucanos e petistas sejam mais ou menos corruptos. Não existe pequena ou grande corrupção. Quem a pratica é corrupto, tenha que tamanho tenha o 'malfeito', seja quem seja o praticante. Nunca imaginei que políticos profissionais com décadas de mandatos exercidos tenham algum atestado de idoneidade moral no exercício do mandato. O que chateia é os petistas e os adoradores de Lula e seus 'guerreiros do povo brasileiro' pensarem que todo mundo é idiota e esqueceu que o ex-presidente e seus seguidores passaram mais de 20 anos dizendo aos eleitores brasileiros que os políticos eram todos ladrões e que se chegassem ao poder não haveria mais roubo;
  • Aí estão os fatos comprovando que depois que chegaram ao Governo e botaram nas canetas que nomeiam e assinam cheques fizeram a festa, o que só arrefeceu com o aparecimento do ministro Joaquim Barbosa e do juiz Sérgio Moro. Quando o Palácio do Planalto já estava sem dormir que as delações premiadas, eis que um senador é preso e um pacote de gravações traz preocupações para Lula e Dilma, vemos até o mais 'petista' dos ministros do STF, Dias Toffoli, dando um alerta aos corruptos (a maioria ligada ao PT) de que 'o bicho vai pegar'. E já estamos esperando março do ano que vem, quando a ministra Carmem Lúcia assumirá a presidência do Supremo por dois anos, ou seja, estará ali em plenas eleições presidenciais

27 de novembro de 2015

Burocracia estranha faz 'vista grossa' em favor da Samarco

  • Apesar do 'mar de lama' que está sufocando muita gente ligada ao Governo, o verdadeiro lamaçal provocado pelo rompimento da barragem de Fundão, em Mariana (MG), não pode ser esquecido. É que o Ibama havia embargado o empreendimento e tornado inválido um documento que permitia a construção da barragem. Isso poderia provocar a anulação das licenças de instalação e de funcionamento do empreendimento da empresa Samarco, que haviam sido concedidas pelo governo mineiro, comandado por Fernando Pimentel (PT), amigo pessoal da presidente Dilma, desde o tempo em que participavam de assaltos e outros eventos justificados como atos de combate à ditadura militar;
  • Tudo isso ocorreu exatamente quatro meses antes da tragédia que atingiu os estados de Minas Gerais e Espírito Santo. Como é do conhecimento geral, o governador mineiro está envolvido na Operação Lava-Jato e recebeu vultosas doações da Samarco para sua campanha ao governo. O embargo do Ibama à empresa não é de hoje. Em 2010 e 2011 a empresa foi multada porque deixou de reflorestar uma área de 263 hectares de Mata Atlântica, equivalente a cerca de 300 campos de futebol, e fez desmatamento além do permitido;
  • Uma suspeita burocracia fez com que não se encontre registro de pagamento das multas, embora no site do Ibama conste como a empresa tendo quitado o compromisso. O Ibama de Minas Gerais nada informa. Tratando-se de um órgão do governo do PT, tudo que diga respeito a falcatruas e 'malfeitos' não pode ser descartado. Com a palavra os órgãos fiscalizadores, o Ministério Público e o Poder Judiciário. Quanto ao povo, principalmente o mineiro e o capixaba, não pode esquecer disso tudo a partir das eleições municipais do ano que vem, mandando um recado para os que comandam essa coisas.

26 de novembro de 2015

Delcídio esperneia e desenterra casos já esclarecidos

  • O ministro Teori Zavascki, do Supremo Tribunal Federal (STF), autorizou a inclusão do nome do advogado Edson Ribeiro, na lista da Interpol. O advogado era defensor de Nestor Cerveró, ex-diretor da Área Internacional da Petrobras e teve a prisão determinada ontem pelo Supremo na operação que prendeu também o senador Delcídio do Amaral (PT-MS), o banqueiro André Esteves, dono do Banco BTG Factual, e o chefe de gabinete do senador, Diogo Ferreira. A Interpol já localizou o advogado nos Estados Unidos e deve ser preso pela polícia assim que o governo brasileiro encaminhar os documentos necessários;
  • Sentindo o barco afundar e o abandono do PT e do Governo, Delcídio esperneia e procura uma série de justificativas para ver se fica melhor na foto. Em uma das gravações usadas no pedido de prisão do senador petista Delcídio do Amaral, que já foi filiado ao PSDB, afirma que o empresário Gregório Marin Preciado, casado com uma prima do senador tucano José Serra, está "atrás" do lobista e delator Fernando Baiano. O senador prisioneiro também desenterra uma reportagem da revista 'Veja' de 24 de julho deste ano afirmando que Romário teria uma conta milionária no banco BSI, com sede em Lugano, na Suíça, e não a teria declarado ao Fisco. Em agosto, o senador Romário apresentou um documento do BSI que afirmava que o extrato apresentado pela Veja era falso. Em seguida, a revista publicou um pedido de desculpas formal ao senador;
  • Talvez pelo histórico de algumas mortes de pessoas que se continuassem vivas causariam problemas a figurões do PT, Cerveró foi transferido do Complexo Médico-Penal, localizado na região metropolitana da Curitiba, onde estava preso, para a Superintendência da Polícia Federal (PF) na capital paranaense. Segundo a superintendência da PF, a transferência de Cerveró, feita no fim da tarde de ontem, foi por motivo de segurança e atendeu a um pedido encaminhado pela Procuradoria-Geral da República (PGR).

Manchetes de hoje mostram como está o Brasil

  • Diariamente, estoura um escândalo nos meios políticos, principalmente no Governo e no Congresso Nacional, algo que entristece os cidadãos de bem. O assunto do momento é a prisão do senador Delcídio Amaral, líder da presidente Dilma no Senado, a primeira de um parlamentar em pleno exercício do mandato. A seguir, algumas delas:
  • "O crime não vencerá a Justiça - Pela primeira vez na História, senador e líder do Governo é preso no cargo por ordem do STF"
  • "Criminosos não passarão, afirma ministra do STF ao ratificar prisão - Por unanimidade, Segunda Turma considerou que provas são gravíssimas"
  • "Supremo reage com veemência, PT lava as mãos e Senado mantém prisão"
  • "Nunca antes na História - Em decisão inédita, STF manda prender senador Delcídio Amaral e banqueiro André Esteves"
  • "Delcídio e banqueiro são acusados de oferecer mesada a delator da Lava-Jato"
  • "Entre as ofertas a Cerveró, contratos falsos e rota de fuga"
  • "Oferta de R$ 4 milhões por silêncio de Cerveró - Delcídio e Esteves propuseram valor à família do ex-diretor da Petrobras para que não fossem citados, diz MP"
  • "Com voto aberto, senadores mantêm Delcídio na prisão - Por 59 a 13, plenário ratifica decisão do STF; nove petistas são contra"
  • "Em gravação, senador diz que Cerveró acusa presidente - Dilma saberia 'de tudo' sobre refinaria de Pasadena, segundo áudio"
  • De todas essas manchetes, as que nos dão algum alento são as referentes ao Poder Judiciário, que existe exatamente para defender os cidadãos, como guardiã da Constituição, nossa Lei Maior.

25 de novembro de 2015

O Brasil tem muitos 'mares de lama' e até lama no mar

  • Embora tenha nascido no ano do início a II Guerra Mundial, que durou de 1939 a 1945, quando o então ditador Getúlio Vargas foi deposto, foi em 1954 que vivenciei uma grande crise política que culminou com o suicídio do agora presidente eleito em 1950 com expressiva votação. Pela primeira vez conheci a expressão "mar de lama", atribuída ao jornalista Carlos Lacerda por causa de um Inquérito Policial Militar (IPM) aberto na Base Aérea do Galeão por causa da morte do major Vaz num atentado coordenado pelo chefe da segurança do Palácio do Catete, sede do Governo Federal até a inauguração de Brasília. O IPM estava caminhando para o impeachment de Vargas, que ao sentir que isso aconteceria deu um tiro no peito, confirmando a declaração de que somente morto sairia do Catete. Os desdobamentos seguintes e as várias crises políticas tiveram seu auge no movimento militar de 1964, história até hoje discutida;
  • Atualmente, o Brasil está vivenciando vários "mares de lama". Os mais revoltosos foram sem dúvida o "Mensalão do PT', a Operação Lava-Jato e o comportamento do presidente da Câmara dos Deputados, Eduardo Cunha, que debochou da imprensa afirmando "Todos os dias, faz quatro meses, esses mesmos articulistas falam que vou cair e estou aqui", ao se referir ao processo de pedido de cassação de seu mandato por quebra do decoro parlamentar. A sequência continua, com a prisão de um amigo pessoal do ex-presidente Lula, deixando o PT e o Palácio do Planalto em polvorosa;
  • E mais, tem a prisão hoje do senador Delcídio Amaral, líder do Governo. Mas agora, um outro "mar de lama" está em plena 'maré alta'. Trata-se do verdadeiro mar de lama, provocado pelo rompimento de barragens que arrasaram várias cidades, soterrando pessoas e poluindo o Rio Doce, ceifando milhares de vidas e deixando muita gente sem saúde, educação e sem condições de sobrevivência em cidades de Minas Geria e do Espírito Santo, chegando a alcançar o mar, que também sofrerá sérias consequências. E tudo isso é de responsabilidade governamental.

A União deveria ser responsável pelos serviços e água e energia

  • Quando acontece algo como em Mariana, é que damos conta da importância da água na vida das pessoas. Em tempos normais, nos lembramos dela para matar a sede ou para a higiene das pessoas. Mas ela tem muito mais a ver com nossas vidas. A água é fonte da vida. Não importa quem somos, o que fazemos, onde vivemos. Nós dependemos dela para viver. No entanto, por maior que seja a importância da água, as pessoas continuam poluindo os rios e destruindo as nascentes, esquecendo o quanto ela é essencial para nossas vida;
  • A água é, provavelmente o único recurso natural que tem a ver com todos os aspectos da civilização humana, desde o desenvolvimento agrícola e industrial aos valores culturais e religiosos arraigados na sociedade. É um recurso natural essencial, seja como componente bioquímico de seres vivos, como meio de vida de várias espécies vegetais e animais, como elemento representativo de valores sociais e culturais e até como fator de produção de vários bens de consumo final e intermediário;
  • Da mesma forma, a energia elétrica é a propriedade de um sistema que lhe permite realizar trabalho. Pode ter várias formas: potencial, mecânica, química, eletromagnética, elétrica, calorífica, etc. Essas várias formas de energia podem ser transformadas umas nas outras. A energia elétrica - ou eletricidade - é como se designam os fenômenos em que estão envolvidas cargas elétricas. A energia elétrica pode ser gerada por meio de fontes renováveis de energia (a força das águas e dos ventos, o sol e a biomassa), ou não-renováveis (combustíveis fósseis e nucleares). No Brasil, onde é grande o número de rios, a opção hidráulica é mais utilizada e apenas uma pequena parte é gerada a partir de combustíveis fósseis, em usinas termelétricas;
  • A água doce utilizada pelo homem vem das represas, rios, lagos, açudes, poços, reservas subterrâneas e em certos casos do mar (após um processo chamado dessalinização). A água para o consumo é armazenada em reservatórios de distribuição e depois enviada para grandes tanques e caixas d’água de casas e edifícios. Após o uso, a água deveria seguir pela rede de captação de esgotos. Antes de voltar à natureza, ela deveria ser tratada para evitar a contaminação de rios e reservatórios, mas isso não é o caso em grande parte dos países do mundo. No Brasil, ainda não chega a ser 40%;
  • No entendimento de muita gente, água e energia elétrica não deveriam sequer ter seu consumo cobrado, principalmente de pessoas de baixa renda. Pior ainda é ter o consumo cortado de duas coisas essenciais à vida. Nunca deveriam servir para empresas concessionárias obterem alto lucros. Deveriam, isto sim, fazer parte do retorno dos altos impostos pagos. De empresas, sim, deveriam ser cobradas, o que serviria como subsidio às pessoas das camadas sociais mais simples. Essa é uma ideia que precisa ser discutida e levada às autoridades com poder de decisão.

Sérgio Moro não está dando 'nada consta' para Lula

  • Deve haver petistas de carteirinha soltando foguetes por causa desse trecho de um despacho do juiz Sérgio Moro, responsável pela Operação Lava-Jato,exatamente após a prisão de José Carlos Bumlai, amigo do ex-presidente Lula: “Não há nenhuma prova de que o ex-presidente da República estivesse de fato envolvido nesses ilícitos, mas o comportamento recorrente do investigado José Carlos Bumlai levanta o natural receio de que o mesmo nome seja de alguma maneira, mas indevidamente, invocado para obstruir ou para interferir na investigação ou na instrução. Fatos da espécie teriam o potencial de causar danos não só ao processo, mas também à reputação do ex-presidente”;
  • Mas estão redondamente enganados aqueles que estão vendo na declaração de Moro uma espécie de 'atestado de idoneidade moral' em favor de Lula. O envolvimento do líder maior do PT em vários episódios da Lava-Jato é mais que evidente. Em cada delação premiada o nome dele está sempre em evidência. Na verdade, há um cerco que se forma em torno dele, e a qualquer momento algum fato incontestável poderá explodir no noticiário, superando outros fatos que por algum tempo escondem as falcatruas praticadas na Petrobras que proporcionaram o maior escândalo dos últimos tempos;
  • É melhor os petistas tirarem seus cavalinhos da chuva. Tudo não passa de cautela por parte dos procuradores. Eles sabem que por mais evidências que existam, eles sabem que não podem errar. Aí, sim, seria um 'nada consta' para Lula e uma espécie de propaganda antecipada para suas pretensões de tentar voltar à Presidência em 2018. Mas já é do conhecimento de muita gente que o juiz Moro e a equipe de procuradores estão checando tudo, e a qualquer momento poderão acender o pavio. Um fato inédito no Judiciário já aconteceu. A prisão do senador Delcidio Amaral, do PT, exatamente por criar obstáculos ao andamento da Operação Lava-Jato. Muita calma, senhores. O jogo não acabou.

24 de novembro de 2015

Nova fase da Lava-Jato tem foco em Lula e prejudica Dilma

  • A prisão do pecuarista José Carlos Bumlai, ocorrida hoje, abre uma nova visão na investigação na Operação Lava-Jato, com foco no ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, além de desdobramentos políticos sensíveis para o governo de Dilma Rousseff. Como é de conhecimento geral, Bumlai é amigo de Lula e tornou-se alvo da Lava-Jato depois que dois delatores relataram que ele teria repassado recursos para uma nora do ex-presidente e ajudado a quitar dívidas do PT, o que o pecuarista nega ter feito. Além disso, Bumlai é descrito pelo delator Fernando Baiano, como uma espécie de lobista na Sete Brasil, empresa que administra o aluguel de sondas para a Petrobras no pré-sal;
  • O chamado 'núcleo duro' do Governo acha que o fechamento do cerco a Lula na Lava-Jato tem o objetivo de desmoralizá-lo e enfraquecer sua capacidade de mobilização social. Os auxiliares mais próximos da presidente reconhecem que, numa eventual abertura de processo de impeachment contra Dilma, o ex-presidente "é o único" capaz de mobilizar a militância petista e os movimentos sociais para defender o mandato da sucessora. Caso Lula esteja enfraquecido e desgastado pelas suspeitas de corrupção, por exemplo, o governo Dilma poderiá ficar inviabilizado;
  • Como é normal até em quem é preso em flagrante cometendo algum crime, Lula nega que tenha atuado como intermediário de empresas ou autorizado lobby em seu nome. Pouco depois da prisão de Bumlai, ministros petistas já discutiam que, se a investigação chegar de vez ao ex-presidente, o resultado prático não será apenas prejuízos ao governo Dilma, mas também significará a derrocada do PT e do seu projeto de poder. Da última vez que se encontraram pessoalmente, há quase vinte dias no Palácio da Alvorada, Lula e Dilma conversaram sobre os desdobramentos da Operação Lava-Jato;
  • Lula tentou não demonstrar preocupação e disse que os problemas do governo dela têm origem na crise econômica e no que ele avalia ser a má condução da política pela equipe comandada pelo ministro da Fazenda, Joaquim Levy. No entanto, Dilma insistiu que o grande celeuma de sua administração é a Operação Lava-Jato, que desgastou a imagem do PT e, consequentemente a sua e de seu governo, além de ter prejudicado a Petrobras, a principal empresa pública, considerada a menina dos olhos da presidente. Lula saiu do encontro bastante irritado com o que chamou de "teimosia" da presidente.

23 de novembro de 2015

Palavra de Edinho Silva é mais um deboche do PT com o povo

  • O ministro-chefe da Secretaria de Comunicação Social, Edinho Silva, disse que o PT tem autonomia para definir sua posição sobre o presidente da Câmara, Eduardo Cunha (PMDB-RJ), que é alvo de processo no Conselho de Ética por suposta quebra de decoro parlamentar. “O governo da presidenta Dilma Rousseff é um governo formado pelo PT e outros partidos que formam uma coalizão. O PT tem total autonomia de construção das suas posições dentro do Legislativo”, afirmou Edinho Silva. Será que  hoje. O ministro ressaltou que a sessão do Conselho de Ética que vai analisar o parecer sobre Eduardo Cunha é assunto interno do Legislativo, e disse: “Os assuntos internos do Legislativo não são assuntos do governo. Penso que vamos continuar dialogando para que a gente possa criar uma agenda de interesse do Brasil, que, neste momento, é a agenda de retomada do crescimento econômico”;
  • Segundo Edinho Silva, o tema central da reunião da coordenação política desta segunda foi a pauta de votações do Congresso Nacional para esta semana. Ele salientou que a prioridade do governo é aprovar o ajuste. “Nossa prioridade, neste momento, é que possamos aprovar as medidas necessárias para que a gente estabeleça o reequilíbrio fiscal, crise as bases para a economia retomar o crescimento. A nossa prioridade, então, é, dialogando com o Congresso, aprovar as medidas fundamentais para o equilíbrio fiscal”, concluiu. O cinismo continua sendo a forma de o Governo querer mostrar interdependência entre os Poderes da República, Pensam que ninguém se lembra mais da 'raivinha' de Lula contra o ministro da Justiça por não impedir que a Polícia Federal (PF) investigasse sua família e a ele próprio, além das manobras dos deputados do PT para esvaziar a reunião do Conselho de Ética da Câmara onde Eduardo Cunha está com sua 'batata assando'.

22 de novembro de 2015

Pezão faz média com servidores mas não corta seus gastos

  • O governador do Rio de Janeiro, Luis Fernando Pezão (PMDB), resolveu fazer média com os servidores públicos,tentando dar uma melhorada em sua imagem totalmente manchada com seus milhões de dólares na Suíça. Ele anunciou a suspensão de pagamentos a empreiteiras e fornecedores, destacando que o dinheiro em caixa só dá para pagar a folha de pagamento, que consome cerca de 60% da receita, totalmente prejudicada pela diminuição dos repasses dos royalties, causada pela queda na arrecadação da Petrobras em face dos desvios revelados pela Operação Lava-Jato;
  • Em nenhum momento Pezão falou em redução de custos. São 25 secretarias e quase 150 órgãos ligados a elas. Por exemplo, a Secretaria de Turismo, além do secretário, tem quatro subsecretários e ainda a Turisrio com presidente, vice e quatro diretores. Para que tanta gente? Não seria mais lógico o governador fluminense dar exemplo e acabar com essa orgia de gastos? Seria melhor do que reduzir a merenda escolar para dois dias na semana e também não suspender cirurgias por falta de verbas. Mas, os servidores fiquem alertas. Pezão disse que não garante o pagamento da segunda metade do décimo terceiro salário.

21 de novembro de 2015

Lula e outros petistas continuam debochando do povo

  • Zé Geraldo (PT-PA), um dos deputados faltosos do PT no Conselho de Ética na sessão de quinta-feira passada, que iria analisar a admissibilidade do processo contra o presidente da Câmara, Eduardo Cunha, explica o quê o levou a ajudar o peemedebista na ocasião: "PT é governo e o governo precisa de tempo. Não faz mal nenhum esperar mais duas semanas no Conselho de Ética, deixar chegar dezembro e o governo terminar de votar a pauta econômica". O deputado contou que a orientação foi dada em reuniões de coordenação da bancada do PT nas últimas semanas. Ele garante que não há, no entanto, direcionamento por parte da cúpula do partido ou do Governo sobre o voto dos três petistas no Conselho de Ética;
  • O deputado petista diz que, quando chegar o momento da votação, os três deputados do partido devem votar pela admissibilidade do processo. "A não ser que mude alguma coisa, a gente vai votar pela admissibilidade. Quanto a isso, não teve nenhum pedido. Mas deve ser só daqui a duas semanas, só em dezembro. Para o governo, quanto mais tempo, melhor". disse o parlamentar. Para ele, ainda há matérias econômicas importantes a serem votadas, como a Desvinculação de Receitas da União (DRU) e a recriação da CPMF por meio de emenda à Constituição. O deputado diz ainda não temer que a manobra para ajudar Cunha seja revertida em mais uma avaliação negativa para o seu partido. "O PT apanha de qualquer jeito, se faz coisa errada ou se acerta. Uma porrada a mais não vai fazer diferença", concluiu;
  • Tudo nos últimos dias tem sido tratado com deboche pelos políticos. Teve até palavra do ex-presidente Lula num encontro da Juventude Petista conclamando os jovens a defenderem o governo da 'companheira' Dilma para que ela saia da enrascada que foi armada pela oposição. Como assim?! Alguém da oposição nomeou diretores da Petrobras no governo de Lula que promoveram desvios dos cofres da estatal para pagar propinas transformadas em doações de campanhas eleitorais do PT e de partidos aliados? Isso é mais um deboche, só superados pelas faixas e palavras de ordem chamando de herois Zé Dirceu, Delúbio Soares, José Genoino e outros figurões do PT presos por conta da Operação Lava-Jato. Isso certamente vai se refletir já nas eleições municipais do ano que vem.

20 de novembro de 2015

Lava-Jato tem novas revelações sobre a compra de Pasadena

  • Quando o assunto do momento é Eduardo Cunha, muita gente pode pensar que a Operação Lava-Jato está parada, mas é puro engano. O ex-coordenador jurídico da Petrobras, Thales Rodrigues de Miranda, que participou das negociações nos EUA para a compra da refinaria de Pasadena, nos Estados Unidos, conta que houve orientação para aceitar polêmicas cláusulas do contrato e omiti-las do Conselho de Administração da estatal em 2006. Ele declarou: "Algumas pessoas sabem da minha história profissional. Ter que sofrer tudo que sofri na pele por ter me recusado a assinar o parecer jurídico que respaldava a compra da refinaria  pela Petrobrás foi duro, paguei um preço alto por esta decisão”;
  • A declaração faz parte de um desabafo de Thales Miranda numa rede social, que era responsável pela análise jurídica do contrato da compra da primeira metade da refinaria, em 2006, que se recusou a assinar os termos do polêmico acordo com a empresa belga Astra Oil, então proprietária da outra metade do empreendimento. Os procuradores da Operação Lava-Jato anexaram as declarções do ex-coordenador. Em 2013, após tirar uma licença médica, ele decidiu então pedir demissão da estatal, onde entrou como concursado para a Braspetro – posteriormente juntada à área Internacional da Petrobrás – em 2001;
  • O conselho da Petrobrás autorizou, com apoio da presidente Dilma Rousseff, a compra de 50% da refinaria por US$ 360 milhões. Posteriormente, por causa de cláusulas do contrato, a Petrobras foi obrigada a ficar com 100% da unidade, antes compartilhada com uma empresa belga. Acabou desembolsando US$ 1,18 bilhão – cerca R$ 2,76 bilhões.  A aquisição da refinaria de Pasadena é investigada por Polícia Federal, Tribunal de Contas da União, Ministério Público por suspeita de superfaturamento e evasão de divisas;
  • De acordo com o advogado, já no primeiro encontro com os executivos da Astra Oil nos Estados Unidos, em 2005, houve uma “guerra de minutas” sobre qual versão do contrato da compra seria definida entre a Petrobrás e a Astra Oil. “Nós levamos a nossa minuta, chegando lá mudaram a minuta e não fizemos nada, falaram que tinha ordem do Rio (em referência à sede da estatal) para usarmos a minuta da Astra, e não a da Petrobrás”, relata. 

O Governo aceita indicações, mas não exige seriedade nos cargos

  • Causou estranheza o pedido de exoneração do diretor-geral do Departamento Nacional de Produção Mineral (DNPM), poucos dias após o rompimento da barragem de Mariana. O DNPM é um importante órgão do Ministério de Minas e Energia, que tem atribuições de fiscalizar a pesquisa e a lavra para o aproveitamento mineral, bem como as estruturas decorrentes destas atividades. A autarquia tem também a atribuição de fiscalizar a implementação dos Planos de Segurança das barragens de mineração a serem elaborados pelos empreendedores;
  • Quando da compra de apoio à base parlamentar do Governo, o ministério ficou na cota do PMDB. O diretor alegou motivos de saúde para sair do cargo. Pode até ser verdade, porque ele teria muita dor de cabeça para explicar como tudo aconteceu sem que o órgão que dirigia nada tivesse feito para pelo menos minimizar os efeitos da tragédia ambiental que aconteceu. Certamente ele deixaria muito mal algum senador, deputado ou personalidade peemedebista que o tenha indicado para um cargo daquela envergadura;
  • Despreparado para o cargo ele não era. Celso Garcia é graduado em direito pela Faculdade Milton Campos de Belo Horizonte. Especializou-se em Ciências Políticas e Estratégias Nacionais pela Associação dos Diplomados da Escola Superior de Guerra (Adesg), em 1988.  Em 1975, ingressou no serviço público por meio da Companhia de Pesquisa de Recursos Minerais (CPRM). Em 1983, passou a fazer parte do quadro de servidores do DNPM, onde exerceu ao longo de sua carreira várias atividades profissionais. De 1996 a 1999, foi chefe do Distrito do DNPM no Estado de Minas Gerais. Com sua aposentadoria em 2009, exerceu a advocacia até 2011;
  • De 2011 até a sua nomeação como diretor-geral da autarquia em junho deste ano, exerceu o cargo de superintendente da instituição no Estado de Minas Gerais. Ao que parece, certamente ele recebia pressões para fazer vista grossa nas irregularidades das empresas, generosas doadoras para as campanhas eleitorais de peemedebistas. Se houvesse mais rigor por parte do Governo exigindo seriedade na direção de órgãos com a importância do DNPM, muitas mortes teriam sido evitadas. Por causa da falta de fiscalização, o próprio DNPM anunciou que dentro em breve novos rompimentos de barragens irão acontecer.

19 de novembro de 2015

Cenas de corporativismo explícito e jogo de interesses na Câmara

  • Isso era esperado. O presidente da Câmara, Eduardo Cunha (PMDB-RJ), abriu às 10h44 de hoje sessão do plenário da Casa para votação de uma medida provisória e de projetos de lei, e disse que pelo Regimento Interno da Casa as comissões que estivessem com os trabalhos abertos deveriam interrompê-los. Com isso, a sessão do Conselho de Ética, que ocorreria no mesmo horário, foi suspensa. A sessão analisaria o relatório que pede a continuidade do processo que investiga o peemedebista por suposta quebra de decoro parlamentar. Pelo regimento, nenhuma comissão pode deliberar enquanto estiver aberta a chamada “ordem do dia” no plenário. Cunha abriu a sessão antes mesmo de haver quórum mínimo necessário para votação;
  • No Conselho de Ética, o clima foi de tensão antes de o presidente do Conselho, José Carlos Araújo (PSD-BA), suspender a reunião. O líder do PSC, André Moura (PSC-SE), solicitou questão de ordem, e pediu ao presidente para justificar o cancelamento da reunião em razão da falta de quórum. De acordo com Moura, o regimento estabelece que se, dentro de meia hora não for atingido o quórum, a sessão deve ser cancelada. A reunião estava marcada para às 9h30 e o quórum só foi atingido às 10h24;
  • O presidente do Conselho, José Carlos Araújo (PSD-BA) manteve a reunião do colegiado e afirmou que responderá à questão de ordem em momento oportuno, mas disse não haver problemas em dar prosseguimento à reunião. Manoel Junior (PMDB-PB) solicitou que o presidente do Conselho de Ética lesse a ata, por determinação do regimento. Araújo respondeu que a ata não ficou pronta e, caso ficasse pronta, seria lida. Manoel Júnior pediu que a reunião fosse encerrada e disse: “Vossa excelência está descumprindo o regimento dessa Casa”, reclamou. Araújo rebateu: “Saiba que o presidente do Conselho sou eu”. O deputado Júlio Delgado (PSB-MG) respondeu ao peemedebista: “Está claro que está se querendo postergar essa reunião”, disse;
  • Manoel Júnior formulou outra questão de ordem solicitando o afastamento de Delgado do conselho, por ter assinado requerimento contra Eduardo Cunha. “Ele não se encontra em condições de deliberar nesse colegiado porque não tem a isenção e a imparcialidade”, disse. O deputado Betinho Gomes (PSDB-PE) defendeu a manutenção de Delgado no colegiado: “Está claro, o deputado Júlio Delgado já se declarou impedido para não se tornar relator";
  • O líder do Psol, deputado Chico Alencar (Psol-RJ), afirmou que obstruir a reunião do conselho é um desrespeito ao colegiado. Ele ressaltou ainda que não cabe defesa do representado, uma vez que, neste momento, cabe apenas a apreciação do relatório preliminar. Alencar criticou a ausência de parlamentares do PT no conselho. “O antigo PT era muito mais presente”, disse. O presidente do Conselho de Ética, José Carlos Araújo afirmou que não vê motivos para o afastamento de Pinato em razão da antecipação de seu parecer, apresentado na última segunda-feira. Segundo Araújo, o relator tem prazo de até dez dias para apresentar o parecer preliminar pela admissibilidade do processo, o que não o impede de apresentar o parecer antes do prazo previsto. Araújo afirmou ainda que Pinato não tem competência para se autoafastar da relatoria;
  • Para encerrar o debate, Pinato mandou essa: "O presidente do Conselho sou eu. Quem tem autonomia para afastar ou não afastar é o presidente do Conselho. Vou ler o documento, vou examinar e, se necessário, levarei ao plenário [do Conselho], se não for necessário, não levarei. Isso é um colegiado”, disse o parlamentar. Traduzindo: prevalece o princípio usado diariamente em Brasília: "Sua base aliada na Câmara mantém em mandato, e eu seguro seu impeachment".

Projeto de poder de Lula faz com que ele se afaste de um filho

  • Vejam a que ponto chega um político inescrupuloso que só pensa no seu projeto pessoal de poder. Se for necessário, renega até a família. É o que se pode deduzir no que foi dito pelo ex-presidente Lula em entrevista ao jornalista Roberto D'Ávila, na Globo News. "Meu filho tem que provar que fez a coisa certa", afirmou ao ser questionado sobre a relação de seu filho Luis Claudio Lula da Silva com o lobista Mauro Marcondes, investigado na Operação Zelotes da Polícia Federal (PF). Lula deixou bem claro que quer se livrar da imagem de um filho, tentando manter a sua limpa junto à opinião pública. Ele aposta até no fracasso de Dilma para se apresentar em 2018 como salvador da pátria;
  • Isso tudo é porque uma empresa de Luis Claudio, a LFT Marketing Esportivo recebeu R$ 2,5 milhões da Marcondes & Mautoni para conseguir em 2009 a decretação de medidas provisórias e favorecer empresas da indústria automobilística, algo que nada tem a ver com marketing esportivo. Mas a imagem de Lula, mesmo afastando seu filho do convívio familiar na mídia está com um sério problema. Procuradores da Operação Zelotes acabem de pedir a quebra de sigilo das empresas de seu filho por causa dos milhões de reais recebidos, todos com aspecto de propinas. Cabe ao juiz Vallisney de Souza Oliveira, da 10ª Vara Federal, em Brasília, aceitar ou não o pedido. Se aceitar, coitado de Lula, que sancionou as leis provenientes das medidas provisórias 'compradas' por seu filho marqueteiro.

18 de novembro de 2015

Rio Doce: Ministra Izabella e Dilma mostram otimismo exagerado

  • A ministra do Meio Ambiente, Izabella Teixeira, finalmente apareceu e não deu boas notícias para mineiros e capixabas. Ela disse hoje que o projeto de recuperação da Bacia do Rio Doce será de longo prazo. “Quando falo de longo prazo, é um projeto de pelo menos uma década”, afirmou. Faltou, no entanto, a ministra informar que o Brasil está no ponto mais alto do 'pódio' de volume de lama com rejeitos. Somos 'medalha de ouro' em desastre ambiental. Foram despejados 62 milhões de metros cúbicos na barragem da Samarco oficialmente matando 11 pessoas, com 12 desaparecidas e ainda com a possibilidades de alguns corpos nunca serem resgatados. Há que se registrar também a contaminação do Rio Doce, morte de peixes e suspensão do abastecimento de água na região;
  • Antes de Mariana, o maior desastre ambiental tinha ocorrido na mina de cobre e ouro de Mount Polley, em Britsh Columbia, no Canadá. Foram 24,4 milhões de rejeitos e água. Técnicos ambientalistas acham que a ministra do Meio Ambiente é bastante otimista. Para eles, a recuperação da bacia do Rio Doce levará décadas e serão gastos bilhões de reais. Como o que está ruim pode sempre piorar, a Samarco admite que há risco de rompimento das barragens de Santarém e Germano, próximas à de Fundão, que foi a que nos deu o 'recorde mundial'. Essa informação joga por terra o otimismo na ministra Izabella Teixeira e até mesmo o da presidente Dilma, declarando que o trabalho de recuperação do Rio Doce o deixará "melhor do que estava antes". Menos, Izabella! Menos, Dilma!

17 de novembro de 2015

Alguém sabe por onde ela anda?

  • Izabella Teixeira é a ministra de Meio Ambiente e está no cargo desde abril de 2010. Ela é bióloga, mestre em Planejamento Energético e doutora em Planejamento Ambiental pela Universidade Federal do Rio de Janeiro. Além disso, ela também é especialista em avaliação ambiental estratégica. A doutora Izabela é funcionária de carreira do Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (Ibama). Ela foi subsecretária do Ambiente do Rio de Janeiro, de 2007 a 2008, e secretária executiva do Ministério do Meio Ambiente (MMA) durante um ano e dez meses. Por fim, Izabella lecionou em programas de pós-graduação e de cursos ambientais em diferentes universidades, como a UFRJ e a Escola Politécnica;
  • Pesquisei e achei esse recheado currículo para perguntar se alguém viu essa senhora pelo menos fazendo sobrevoo nas proximidades de Mariana ou do leito do Rio Doce? Quantas vezes ela apareceu na TV desde o tsunami de lama?;
  • É assim que funciona o Governo Dilma Rousseff. Acho que a ministra não pode aparecer, porque com essa bagagem ela não pode mentir sobre os reais efeitos do episódio. Se falar a verdade, talvez o Governo caia. O mesmo pode acontecer com seu amigo governador. Deve ter rolado muita grana.

Os atentados em Paris, no Brasil e nas favelas

  • Com o título acima, Davison Coutinho, supervisor administrativo do NEAM/PUC-Rio; mestrando em Design da DAD/PUC-Rio; pesquisador da Ladeh/PUC-Rio; colunista do Jornal do Brasil; e morador da Rocinha publicou hoje, no site do 'Jornal do Brasil', o artigo abaixo, que tenho satisfação em reproduzi-lo aqui, por entender que ele aborda com muita propriedade os temas que nos últimos dias vêm tomando conta dos noticiários:
  • "Os atentados terroristas ocorridos na última sexta-feira, em Paris, nos mostram como o ódio de um grupo pode levar à morte de tantas pessoas inocentes: 129 mortos e 350 feridos."
  • "No Brasil, a enxurrada de lama que destruiu o distrito de Mariana, em Minas Gerais, com rompimento das barragens que pertenciam à mineradora Samarco, mostra como a negligência de uma empresa pode causar um desastre social: nove mortos e 18 desaparecidos, destruição de cidades e danos ambientais irreversíveis. Além das mortes das vítimas, o Rio Doce, mais importante da cidade, está oficialmente morto."
  • "Por outro lado, e com menor visibilidade, as mortes nas favelas do Rio de Janeiro continuam acontecendo. Favelados são mortos, sempre com menor importância. Sem nenhuma mudança, a cada dia perdemos mais e mais seres humanos. A guerra nas favelas é uma realidade e não está sendo tratada, nem muito menos mostrada. Os confrontos nas favelas é o terrorismo que faz parte do dia a dia das favelas."
  • "Quantas vítimas inocentes dessa guerra que não tem fim. Um é morto por portar uma furadeira, outro por ter seu skate confundido com arma, outro por ter uma ferramenta mecânica de trabalho nas mãos. Entre os erros e falhas, muitos inocentes estão perdendo suas vidas nessa guerra de pobre matando pobre. Além das mortes, os danos sociais são ainda maiores, as crianças na favela, desde pequenas, se apavoram com a rotina dos tiroteios e choram. As casas, com marcas de bala mostram como a violência está presente, e o morador não tem saída, se não conviver com a esperança de não se tornar uma vitima."
  • "As tragédias, sejam em Paris, sejam em Mariana, sejam nas favelas, ou em qualquer lugar do mundo, merecem a solidariedade em favor do ser humano, independentemente de origem ou nacionalidade. Assim como todas devem ser prevenidas e tratadas. A favela precisa de uma real mudança e transformação, que não será feita por meio das armas. A violência só está gerando mais violência, e o povo continua abandonado, sem acesso aos seus direitos básicos garantidos por lei. Os atentados nas favelas são rotinas presentes na vida dos moradores."
  • "É tempo de se solidarizar com o ser humano, seja rico, pobre, branco, negro, brasileiro ou estrangeiro."
  • "Paz em Paris - Paz em Mariana - Paz na Rocinha"

16 de novembro de 2015

Dilma insiste na volta da CPMF. Só falta convencer o povo

  • A presidente Dilma Rousseff afirmou hoje que a recriação da CPMF seria um estímulo à economia, e não um tributo para elevar as despesas públicas. "Aumento de imposto não é para gastar mais, é para crescer mais", disse a presidente, que ainda fez uma avaliação otimista da situação política do Brasil, ao considerar que o governo tem conseguido recompor a base aliada. "Nós do governo avaliamos que temos maioria. Em alguns casos, a maioria é bem confortável e, em outros casos, a maioria está mais apertada. Mas temos maioria", disse a presidente, acrescentando que a situação política no Brasil está cada dia se normalizando mais;
  • Em seguida, Dilma voltou a defender a aprovação de medidas fiscais no Congresso para a melhora das condições da economia brasileira. "Nós fizemos um grande esforço de reequilíbrio fiscal que, além de todas as medidas de redução de despesas que já tomamos, agora vai requerer de nós, no Brasil, a consciência e a responsabilidade para aprovar a CPMF", afirmou, dizendo que o tema deverá ser mais discutido pelo governo com a opinião pública, prefeitos, governadores e toda a sociedade. "Essa é uma questão fundamental para o Brasil se ancorar, se estabilizar e ter condições de acelerar o processo de saída da crise. Portanto, eu acredito que o Brasil vai ter nesse momento de enfrentar esse fato. É fundamental que se aprove a CPMF", reforçou Dilma;
  • Faltou a Dilma informar se já conseguiu convencer cerca de 80% da população que se declara visceralmente contrários à volta do famigerado 'imposto do cheque' por entender os efeitos que aquele tributo provoca no bolso dos menos favorecidos. Para a população, já basta a preocupação com a inflação atual e sua projeção para os próximos dois anos, o aumento dos preços dos combustíveis e das tarifas de energia elétrica, ao lado de novas revelações sobre o superfaturamento na compra da refinaria de Pasadena e das falcatruas apuradas pela Operação Lava-Jato, além das 'pedaladas fiscais' e demais casos que não saem da mídia. Alguém precisa dizer a Dilma que a CPMF não é bem vinda.

O Rio quer um prefeito que dá 'bolachas' em mulher?

  • Está difícil entender a insistência do prefeito do Rio de Janeiro, Eduardo Paes, de continuar bancando a candidatura de seu secretário e amigo Pedro Paulo para sucedê-lo. Depois de uma entrevista do pré-candidato confirmando que por duas vezes deu umas 'bolachas' na ex-esposa, Eduardo Paes diz que isso não é motivo para lançar outro nome, porque que o fato não reflete na condição de bom administrador de Pedro Paulo, que ele considera como ideal para dar continuidade ao seu trabalho em dois mandatos à frente da Prefeitura, por ser coisa de sua vida particular. As pesquisas de intenção de voto já apontam uma grande queda nos índices, e muita gente está reprimindo o 'bom marido' que ele é. Hoje, a jornalista Miriam Leitão deu a sua opinião:
  • "Alguém que seja amigo do prefeito do Rio avise a Eduardo Paes que ele perde reputação cada vez que sai em defesa do seu candidato Pedro Paulo, porque ele se revela nos argumentos que usa".
  • "Agressão contra mulher não é um problema pessoal. É de fato e de direto um crime e, portanto, de interesse coletivo. É velha como o machismo a ideia de que em briga de marido e mulher não se mete a colher".
  • "Não interessa as circunstâncias, não há atenuante, quem acha que resolve qualquer problema do casal atacando fisicamente a mulher é uma pessoa condenável. Até porque a violência como argumento é condenável seja quem for que estiver envolvido".
  • "O prefeito insiste, e ainda usa esses argumentos toscos de que as “brigas” são problemas dele, Pedro Paulo. E diz, como fez no GLOBO de domingo (15), que “aconteceu entre quatro paredes, não se sabe as circunstâncias”. Ao fazer isso, Eduardo Paes consome o capital que construiu de imagem de político jovem e com ideias atualizadas. Esta é velha, velha";
  • Então, cariocas, principalmente as eleitoras, é esse o modelo de administrador que desejam à frente de uma das cidades mais importantes do mundo? Respostas até Eduardo Paes mudar de ideia.

15 de novembro de 2015

Dilma parece apoiar deflagração da Terceira Guerra Mundial

  • Em reunião com os chefes de Estados dos Brics (Brasil, Rússia, Índia, China e África do Sul), a presidente Dilma Rousseff defendeu neste domingo uma ação conjunta da comunidade internacional de "combate sem trégua ao terrorismo". Em um rápido discurso diante dos líderes do grupo, Dilma disse que ficou "consternada" com os atentados terroristas ocorridos na última sexta-feira em Paris e voltou a prestar "solidariedade"ao presidente da França, François Hollande, e ao povo francês. Na manhã deste domingo, os chefes de Estado das cinco nações em desenvolvimento fizeram um encontro preliminar à reunião de cúpula do G20 – o grupo dos países com as 20 maiores economias do planeta – no balneário turco de Antália. Ele irão participar de reuniões e eventos hoje e amanhã;
  • Como se recorda, Dilma tem um histórico de participação ou apoio a atos terroristas sob justificativa de estar combatendo a ditadura militar. Na manifestação de hoje, a presidente também lembrou o acidente aéreo com um avião russo no Egito, ocorrido no final de outubro, no qual morreram 224 pessoas. A petista prestou "condolências" às vítimas da tragédia com a aeronave da companhia russa KogalymAvia. "Expresso o meu mais veemente repúdio, que é também o de todo o povo brasileiro, aos atos de barbárie praticados pela organização terrorista Estado Islâmico, que levaram morte e sofrimento a centenas de pessoas de várias nacionalidades em Paris, na sexta-feira passada. Manifesto ainda nosso pesar às famílias e aos amigos das vítimas. Estou certa que todos nós nesta reunião dos Brics estamos consternados e queremos manifestar nossa integral solidariedade ao presidente François Hollande e ao povo francês", declarou Dilma;
  • "Essas atrocidades tornam ainda mais urgente uma ação conjunta de toda a comunidade internacional no combate sem tréguas ao terrorismo", complementou a presidente, que de certa forma parece apoiar a deflagração da Terceira Guerra Mundial, visto que os líderes do Brics decidiram defender o fortalecimento da cooperação entre os países do bloco com outras nações "na luta contra o terrorismo”. Em carta de solidariedade ao presidente da França depois dos ataques que mataram mais de 120 pessoas em Paris, Dilma chamou os atentatos terroristas de "covardes" e disse que o momento é de "choque e tristeza". Enquanto nossa presidente faz esse pronunciamento, só nos resta dizer: "Calma, Dilma!"

O Brasil também espera solidariedade de Dilma contra barbáries

  • A presidente Dilma Rousseff enviou uma carta de solidariedade ao presidente da França, François Hollande, depois dos ataques que mataram mais de 120 pessoas em Paris, de acordo com o Palácio do Planalto. Na mensagem, Dilma chamou os atentatos terroristas de "covardes" e disse que o momento é de "choque e tristeza". A atitude de Dilma é positiva, pois desta vez ela não quer um diálogo com o Estado Islâmico, como propôs na ONU depois do ataque dos islamitas na França em janeiro deste ano, logo agora que o grupo radical Estado Islâmico reivindicou ontem a responsabilidade pelos ataques;
  • Dilma chegou na manhã deste sábado à Turquia e voltou a usar o Twitter para comentar os atentados na Europa. Ela disse que acompanha a situação de dois brasileiros que ficaram feridos após os ataques terroristas e ressaltou que os atos cometidos em Paris devem ser combatidos sem trégua, afirmando: "Acompanho a recuperação dos dois brasileiros feridos no bárbaro atentado terrorista em Paris. Fico feliz porque a jovem não teve maiores sequelas e desejo pronta recuperação ao rapaz ainda hospitalizado". Em seguida, Dilma se dirigiu ao presidente francês no Twitter e voltou a prestar solidariedade aos franceses. E disse: "Devemos combater sem trégua os atos hediondos cometidos em Paris. Reitero minha solidariedade ao presidente Hollande e ao povo francês";
  • Ontem, Dilma já havia usado sua conta no Twitter para manifestar que ficou consternada pela barbárie terrorista com o ocorrido em Paris, expressando seu repúdio à violência e manifestando sua solidariedade ao povo e ao governo franceses. Agora, Dilma tem que se manifestar solidária com os brasileiros vítimas das barbáries provocadas pela inflação, aumentos do preço de combustíveis e da tarifa de energia elétrica, pelos crimes contra o povo de Mariana e das cidades afetadas pela falta de fiscalização do governo petista de Minas Gerais, além dos roubos na Petrobras e na Eletrobras e outras falcatruas praticadas por seus 'companheiros'. Todos nós somos Paris, mas somos também Brasil.

12 de novembro de 2015

Taxistas tumultuam o Rio e prefeito não pune ninguém

  • Pode parecer incrível, mas é verdade. O líder dos protestos dos taxistas do Rio de Janeiro contra o aplicativo Uber não tem autonomia e é cadastrado na Prefeitura da capital fluminense com licença de motorista auxiliar. Trata-se de André de Oliveira, conhecido como 'André do Táxi'. A manifestação de ontem foi a quarta realizada somente este ano. Foram fechadas pistas dos túneis Rebouças e Santa Bárbara, da Autoestrada Lagoa-Barra, da Praça da Bandeira e de diversas outras ruas de tráfego bastante intenso. O líder dos taxistas concorreu a deputado federal pelo partido Solidariedade, mas a Justiça Eleitoral não concedeu o registro da candidatura, enquadrando-o em diversos crimes;
  • O homem é mesmo um fenômeno. Sem ser taxista, ele preside a Associação de Assistência aos Motoristas de Táxis do Brasil. Várias pessoas se manifestaram aborrecidas com os contratempos que tiveram ao longo do dia. Muita gente teve até prejuízo financeiro, outros perderam consultas e alguns estudantes perderam provas, Nas a Prefeitura do Rio de Janeiro não vai punir ninguém, apesar dos bloqueios de ruas. Por puro interesse político, o prefeito Eduardo Paes afirmou que a cidade não teve nenhum problema e, por isso, não há por quê puni-los. Em troca, os taxistas darão apoio ao candidato dele à sua sucessão, o secretário executivo de Coordenação de Governo. Pedro Paulo, que anda todo enrolado na Lei Maria da Penha por ter dado umas 'bolachas' na ex-mulher;
  • Eduardo Paes chegou a sancionar uma lei proibindo a utilização do aplicativo Uber, mas a Justiça cancelou a lei. Ironicamente, muita gente, por causa da ausência de táxis, se utilizou de quais serviços? Do Uber. Para comprovar o jogo de interesses, a vereadora Vera Lins, do PP, apresentou projeto punindo os usuários e até multar quem utilizar o serviço. Não por coincidência, a vereadora é mulher do deputado estadual Dionísio Lins (PP), que tem como sua base eleitoral os taxistas. Num protesto em junho, Dionísio emprestou um caminhão de som para um protesto no Aterro do Flamengo.

Muito rigor para caminhoneiros, nenhum para MST, MTST e CUT

  • Não dá para concordar com o fechamento de estradas, em especial por causa das consequências que provoca na vida das pessoas e das cidades próximas às rodovias. Dá até para concordar com a forma com a presidente Dilma ao determinar medidas para punir os responsáveis. Mas, não dá para concordar com a ideia de que somente os caminhoneiros sejam capazes de promover tais problemas. Quando foi que o Governo agiu com o mesmo rigor quando das manifestações do MST, MTST ou da CUT, que sempre provocam interdições em estradas, infringindo o direito de ir e vir das pessoas? Vamos, então, imaginar que daqui em diante os movimentos sociais ligados ao Governo e ao PT vão ser alvos das mesmas rigorosas punições.
  • Ninguém acredita nessa hipótese. Será que os caminhoneiros, para escapar das pesadas multas devem se vestir de roupas e bonés vermelhos? E tem mais. O ministro da Justiça, José Eduardo Cardozo, determinou à Polícia Rodoviária Federal que apreenda os caminhões, prenda os motoristas e apreenda as Carteiras de Habilitação deles. Mas, aí haverá problemas. Quem vai levar os carregamentos para os seus destinatários? E se forem perecíveis, quem pagará pelos prejuízos? A maioria dos caminhoneiros e composta de motoristas autônomos;
  • Talvez a solução esteja na adoção da teoria aplicada pelo ex-presidente Lula, quando afirmou que as 'pedaladas fiscais' praticadas pelo presidente Dilma não caracterizavam como crime de improbidade administrativa e se justificavam porque eram para garantir recursos para os programas socais do Governo. Sendo assim, poderiam ser contratados 'companheiros' que sejam motoristas e até mesmo alguns sem carteira mas que saibam dirigir um caminhão. Seria uma situação de emergência e tudo se justificaria.

11 de novembro de 2015

Explicação de Lulinha sobre 2,4 milhões não convenceu ninguém

  • Os petistas convictos, com seus cérebros devidamente lavados, e os 'militantes' contratados através de sanduíches de 'mortandela' detestam a revista "Veja", principalmente quando publica incontestáveis falcatruas praticadas por figurões do Governo e do PT. Eles vibram quando a revista erra e se desculpa depois, mas reclamam do tamanho do espaço utilizado para o desmentido, com alguns exigindo que a nota seja manchete, de preferência na primeira página. Mas não vamos deixar de divulgar o que a "Veja" desta semana publica sobre o empresário Luís Cláudio Lula da Silva, o Lulinha, sobre a justificativa dele em depoimento à Polícia Federal sobre o recebimento de R$ 2 milhões e 400 mil de uma empresa de lobby;
  • A LFT Marketing Esportivo foi criada por Lulinha depois da passagem dele na área dos esportes a partir do tempo em atuou como estagiário de Educação Física, em 2006, nas categorias de base do São Paulo, indicado por Roberto Teixeira, advogado e amigo do ex-presidente Lula. Em 2008, foi levado para o Palmeiras pelo técnico Vanderlei Luxemburgo, como auxiliar de preparador físico, com função de posicionar os cones no gramado e acompanhar os jogadores nas sessões de musculação. Ainda levado pelo 'professor' Luxemburgo, em 2009 Lulinha foi para o Santos com as mesmas funções do clube anterior;
  • Em 2010, Lulinha saiu do Santos com Luxemburgo, mas foi para o Corinthans, time de seu pai, levado pelo presidente do clube, Andrés Sanchez, 'coincidentemente' hoje deputado federal pelo PT, onde ficou seis meses. Depois, em 2011, criou a LFT. Hoje, Lulinha é questionado pelo recebimento de mais de 2 milhões de reais da Marcondes & Mautoni, um escritório de lobby do setor automobilístico, que nada tem a ver com esportes, motivo para a Polícia Federal investigar se esse dinheiro tem relação com a aprovação de uma Medida Provisória baixada pelo Governo naquele ano beneficiando a indústria de automóveis. É muito versátil o "Ronaldinho dos negócios".

10 de novembro de 2015

Mar de lama mostra o descaso e a incompetência dos petistas

  • Mais uma vez o Governo fica omisso quando ocorre uma tragédia como a de Mariana, em Minas Gerais. Quando houve uma enchente de grandes proporções em Santa Catarina, a presidente Dilma só apareceu por lá muitos dias depois. Disseram na época que ela foi aconselhada a não associar sua imagem a uma tragédia porque era véspera de eleições e certamente as falhas dos órgãos públicos seriam destacadas. Agora, o fato se repete. Além da presidente, ainda não apareceu também ninguém do Ministério de Minas e Energia nem do Ministério do Meio Ambiente, exatamente dois setores que têm muito a ver com os efeitos do tsunami de lama que atingiu aquela região de Minas Gerais;
  • Centenas de pessoas perderam tudo e estão desabrigadas e até hoje não ouviram nenhuma palavra de esperança sequer de promessa de ajuda, tanto do Governo Federal como do de Minas Gerais, ambos comandados pelo PT. Nem um simples sobrevoo no local. Os sapatos importados dessa gente não podem pisar na lama? Até agora, nada foi dito pelo Departamento Nacional de Produção Mineral nem pela Agência Nacional de Águas. O Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome tem tudo a ver com as vítimas de Mariana. Todo mundo faz cara de paisagem. Em 2018 o povo vai esquecer que professores da Universidade Federal de Minas Gerais, procuradores federais e estaduais fizeram alertas sobre a possibilidade de ocorrer uma tragédia, mas foram solenemente ignorados;
  • Com certeza, muita gente, além das vítimas, vai se lembrar na campanha eleitoral de 2018 que o caso era grave demais para os responsáveis ficarem apenas olhando os socorristas enfrentando a lama que se parecia com areia movediça, lama essa criada pelo descaso e a incompetência de dois governantes petistas.

9 de novembro de 2015

Deixem Dilma e Cunha para depois. Afastem Joaquim Levy

  • Existem hoje dois grupos políticos querendo cassar mandatos. Um deles quer o impeachment da presidente Dilma Rousseff por haver cometido crimes de improbidade administrativa e de abuso do poder econômico nas últimas eleições. Já o outro grupo quer que o Eduardo Cunha, presidente da Câmara dos Deputados, perca não só a presidência daquela Casa Legislativa como o próprio mandato por quebra do decoro parlamentar, uma vez que mentiu ao negar que tinha contas bancárias em banco suíços, o que desmentido pelo Ministério Público da Suíça ao enviar para o Brasil documentos comprovando que ele e sua mulher Cláudia Cruz tinham num só banco alguns milhões de dólares;
  • Ambos os grupos estão cheios de razão. Tanto a presidente como o deputado estão com sérios problemas para se manterem em seus cargos, isso se as leis forem cumpridas à risca. Todavia, há um terceiro nome de alguém que precisa ser banido do cargo que ocupa no Governo o quanto antes. Trata-se do ministro da Fazenda, Joaquim Levy, por causa de suas ameaças à população. Ele só fala em aumentar impostos. Isso no país que tem a maior carga tributária do mundo tem aspecto de terror, especialmente junto às camadas mais humildes da população. Há necessidade de que se pressione a presidente Dilma para que o demita imediatamente;
  • Dois exemplos ilustram essa tese. O cidadão que gaste R$ 170,00 numa compra de remédios paga R$ 60,00 em impostos; numa compra de R$ 260,00 de produtos alimentícios, os impostos somam R$ 65,00. Portanto, é melhor deixar Dilma na Presidência da República e pressioná-la para demitir Joaquim Levy do seu ministério, isso porque um processo de impeachment que respeite todos os trâmites legais é muito demorado e ele está assustando o povo. Com tantos impostos, já é hora de não se falar mais, como Levy faz, na volta da CPMF;
  • Para pagar suas contas, basta o Governo administrar corretamente os bilhões de reais que tiram do bolso do povo. E também parar de roubar dinheiro público.

8 de novembro de 2015

Mais um político 'engraçadinho' dando show: Eduardo Cunha

  • A série de deboches de políticos brasileiros em direção ao povo continua. O novo 'humorista' de agora é o deputado Eduardo Cunha, presidente da Câmara. Em entrevistas, ele afirmou que não mentiu para os deputados quando declarou na CPI da Petrobras que não tinha contas em bancos suíços, apesar das provas enviadas ao Brasil pelo Ministério Público da Suíça com documentos comprovando que não só ele como também sua mulher, Claudia Cruz, eram titulares de pelo menos quatro, com alguns milhões de dólares;
  • O Conselho de Ética da Câmara dos Deputados abriu procedimentos dando andamento ao pedido de cassação do mandato de Eduardo Cunha, por quebra de decoro parlamentar tendo em vista ele haver mentido, o que é motivo para a perda de seu mandato. A 'gracinha' que ele fez nas entrevistas foi quando declarou que as contas no nome dele e se sua mulher não eram deles, mas que eles tinham acesso ao dinheiro na condição de "usufrutuários", seja lá o que isso signifique;
  • Ele quer nos convencer que alguém possa abrir contas milionárias em paraísos fiscais sem declarar à Receita Federal e, no caso dele especificamente, à Câmara dos Deputados. Como resultado, grande número de advogados tributaristas e criminalistas estão afirmando que essa linha de defesa do deputado agravará ainda mais a sua situação, algo que está provocando a perda de apoio de muitos parlamentares que formavam sua tropa de choque. Enfim, ele pode começar a arrumar suas gavetas, porque a tendência que seu gabinete terá novo ocupante em breve. Ninguém riu da piada dele.

7 de novembro de 2015

Parece que o Brasil está todo dominado pelo PT

  • Os petistas já sabem que podem praticar 'maracutaias' à vontade sem qualquer risco de serem punidos. No Congresso Nacional, a liberação de qualquer trocado de emendas parlamentares garante que uma barreira é formada para impedir que haja algum tipo de punição. Agora mesmo, o Judiciário está armando uma blindagem para a presidente Dilma Rousseff e também para o ex-presidente Lula e seus familiares. Isso pode ser comprovado ao se observar as medidas que estão sendo tomadas em relação aos problemas de deles com a Justiça Eleitoral e com os desdobramentos da Operação Lava-Jato;
  • Para comprovar esse fato, muita gente acha que não foi um mero ato de rotina regimental, por exemplo, o afastamento da juíza Célia Regina Ody da Operação Zelotes, logo após o episódio da intimação e procedimentos de busca e apreensão na residência de um dos filhos de Lula. Outro fato que não aconteceu por acaso foi a medida tomada pelo presidente do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), Antonio Dias Toffoli, mantendo na relatoria do processo que pede a anulação do registro das candidaturas de Dilma e seu vice Michel Temer por abuso de poder econômico. A juíza Maria Thereza de Assis Moura, a mesma que pediu o arquivamento do processo contra a ex-ministra Eurenice Guerra, cujos atos forçaram a demissão dela da Casa Civil da presidente;
  • A juíza foi muito criticada na época, pois a maioria dos comentaristas considerou uma atitude destinada a afastar o assunto do Palácio do Planalto. Quanto a Dias Toffoli, suas ligações com Lula e o PT são mais que conhecidas, sendo notórias suas posições partidárias no Supremo Tribunal Federal (STF) em ações que envolvam o Governo, como aconteceu no julgamento do 'Mensalão do PT'. Tudo indica, então, que esses acontecimentos estão sofrendo influência para atrapalhar as investigações Um alento existe nas especulações dando conta de que a Operação Lava-Jato pode trazer nos próximos dias trazer notícias desagradáveis para os governistas.

6 de novembro de 2015

A amnésia de Lula já dura há mais de dez anos

  • Em 2005, quando estourou o escândalo do 'Mensalão do PT', ficou famosa a declaração do ex-presidente Lula alegando que não sabia de nada e que havia sido traído, mesmo com tudo sendo tramado num gabinete próximo ao seu no Palácio do Planalto sob o comando de José Dirceu, seu ministro da Casa Civil, de quem dizia ser o 'capitão' de sua equipe. Para muitos, Zé Dirceu é quem governava e Lula assinava sem ler qualquer papel que o 'capitão' colocasse diante dele. Deu no que deu, e uma boa quantidade de 'companheiros' foi condenada, a começar pelo seu homem de confiança;
  • Dez depois, Lula continua sofrendo de amnésia. Da mesma forma como que agiu em 2015, ao ser indagado sobre os escândalos na Petrobras, ele respondeu: "Eu não fui alertado pela gloriosa imprensa brasileira, não fui alertado pela Polícia Federal, não fui alertado pela Receita Federal ou pelo Ministério Público. Sou o presidente que mais visitou a Petrobras. Nunca ninguém me disse que tinha algum corrupto. Essa coisa você só descobre quando a quadrilha cai ou quando alguém denuncia. Quantas coisas acontecem dentro da sua casa com seus filhos que você não sabe";
  • Parece que no Palácio do Planalto há uma epidemia de amnésia. A mais afetada é Dilma Rousseff, alegando também que nada soube sobre o escândalo dos desvios e dos prejuízos astronômicos na Petrobras por causa de superfaturamento, mesmo sendo ministra de Minas e Energia e da Casa Civil, presidente do Conselho de Administração da Estatal e presidente da República, com tudo acontecendo debaixo de seu nariz. Se o problema em Brasília não for de saúde, trata-se mais uma vez de muito cinismo e deboche, em total desrespeito à inteligência do povo.

5 de novembro de 2015

As diferenças entre o rei da Espanha e o 'rei' do Brasil

  • O Diário Oficial da Espanha publicou no dia 19 de junho do ano passado a lei que oficializava a abdicação de Juan Carlos I, tornando automaticamente Felipe VI de Bourbon o novo rei daquele país. Felipe, que antes era o Príncipe das Astúrias, assumiu o trono do qual abdicou seu pai, Juan Carlos I, que foi rei por 39 anos;
  • No dia 2 de junho, Juan Carlos, de 76 anos, anunciou sua abdicação. Em discurso à nação, ele afirmou que decidiu abdicar em favor do filho para que se possa "abrir uma nova etapa de esperança na qual se combinem a experiência adquirida e o impulso de uma nova geração". E ressaltou "um impulso de renovação, de superação, de corrigir erros e abrir caminho para um futuro decididamente melhor". Além de diversos problemas de saúde de Juan Carlos, sua polêmica viagem em abril de 2012 para caçar elefantes em Botsuana e a investigação por corrupção contra sua filha mais nova, a infanta Cristina, e o marido dela, Iñaki Urdangarin, derrubaram a popularidade do então rei;
  • Pois bem, o rei da Espanha, Felipe VI, retirou o título de Duquesa de Palma de Mallorca concedido pelo pai, em 1997, a sua irmã Cristina, acusada de crime fiscal em um escândalo de corrupção protagonizado por seu marido. A infanta, de 49 anos, foi acusada de crimes fiscais relacionados aos negócios do marido, o ex-medalhista olímpico de basquete e agora empresário Urdangarin, que é suspeito de ter usado sua posição na família Real para obter contratos de dois governos regionais, mediante a organização sem fins lucrativos Instituto Noos, presida por ele.
  • O montante envolvido chega a mais de milhões de euros, cerca de R$ 24 milhões. Um juiz suspeitava de que a infanta Cristina tenha cooperado "ativamente" com Urdangarin, utilizando uma parte do dinheiro para fins pessoais, por intermédio da empresa fantasma, da qual o casal é dono e compartilha igualmente seu controle acionário. Depois de quatro anos de uma investigação que contribuiu para o desgaste da imagem da monarquia espanhola e para a abdicação do então rei Juan Carlos I, o juiz ordenou, em 22 de dezembro passado, a acusação formal da irmã de Felipe VI. O julgamento do casal está marcado para fevereiro de 2016 O episódio é considerado inédito na monarquia espanhola;
  • Já aqui no Brasil, a 'família real' Lula da Silva está totalmente afogada em acusações de prática de ilícitos, mas o que se vê por parte do 'monarca' é uma corrida e muita pressão para blindagem de seus 'príncipes'. Até o Poder Judiciário, cheio de juízes 'petistas', trabalha para impedir que os bilionários membros da 'família real' Lula da Silva sejam mantidos nas regalias da côrte.

Mais um membro do Governo resolve fazer gracinha com o povo

  • O ministro da Fazenda, Joaquim Levy, resolveu entrar no time de 'humoristas' do governo de Dilma Rousseff. Esta semana ele voltou a defender a volta da CPMF e, em tom de brincadeira, sugeriu que se faça uma pesquisa sobre o 'imposto do cheque'. Ele disse o seguinte: "Os jornais poderiam fazer uma enquete perguntando: 'Por que você não gosta da CPMF? Você não gosta porque ela é transparente? Porque ela é fácil de recolher? Porque todo mundo paga? Ou só porque é mais um imposto?' Ia ser interessante ver o que as pessoas iriam dizer, o contribuinte, as pessoas na rua, a dona de casa. Talvez eles nem saibam direito do que se trata";
  • Como se recorda, a CPMF deixou de ser cobrada desde 2007, e agora o Governo quer a volta do tributo por mais quatro anos, quando arrecadaria cerca de R$ 32 bilhões por ano. Isso vai ser praticamente impossível de o Congresso Nacional aprovar por causa da reação popular, e até parlamentares governistas já se declararam contrários. Ao invés de fazer gracinhas com o povo, cabe a Dilma e seus ministros batalharem pela aprovação do repatriamento de dinheiro limpo do exterior - não vale dinheiro de mensaleiros, traficantes, contraventores etc. - cujos impostos e multas, segundo dizem especialistas, serão superiores aos 32 bilhões de reais previstos. O que não vale é sacrificar o povo, que no final de tudo paga a conta. Não dá para ficar fazendo gracinha, Joaquim Levy!

4 de novembro de 2015

O futebol brasileiro está mesmo muito mal

  • Vejam como anda sujo o futebol brasileiro. Muitos ainda se lembram da frase de um jogador do Flamengo após uma vitória sobre o Vasco numa decisão de título, com um gol em claro impedimento não marcado pela arbitragem: "Ganhar roubado é mais gostoso". Quase apanhou na rua;
  • Agora aparece um jovem jogador do Fluminense numa entrevista coletiva, Vinicius, soltando outra sandice sobre a situação do Vasco, que para fugir do rebaixamento tem que vencer jogos e ainda contar a combinação de resultados de outros clubes: "Se, por acaso, a gente perder e prejudicar o Vasco, acho que não só a gente como toda a torcida tricolor vai ficar feliz";
  • Como o que já está ruim pode piorar, o vice-presidente de futebol do Vasco, José Luis Moreira, deixou claro que se aparecer alguma ajuda financeira para entregar um jogo será aceita: "Seria muito bem-vinda esta ajuda. Mas ainda não fui procurado por ninguém". Já deve ter torcedor vascaíno rico enchendo uma mala de dinheiro para 'estimular' os jogares do Fluminense.