Comentários sobre política brasileira e outros temas polêmicos

Comentários sobre política brasileira e outros temas polêmicos

29 de junho de 2015

Ministros não justificam doações e inventam desculpas

  • Tentando diminuir o impacto da delação premiada que deixou tonta a cúpula do Governo, a presidente Dilma Rousseff escalou três ministros para defesa dela em relação à acusação de que sua campanha eleitoral teve parte das doações vindas de propinas de desvios dos cofres da Petrobras. Tudo isso porque a possibilidade de impeachment ficou bastante evidente;
  • Como se fossem bichinhos amestrados, os ministros e mais o presidente do PT, Rui Falcão, dão a mesma explicação: as doações foram legais e aprovadas pela Justiça Eleitoral. Sendo assim, não haveria razão para se acusar a campanha de reeleição de Dilma de ter se utilizado de dinheiro ilícito para suas despesas;
  • Isso é puro jogo para a arquibancada. O julgamento das contas de campanha é apenas sobre a contabilidade dos gastos. A Justiça Eleitoral analisa apenas o que foi previamente declarado com as despesas efetuadas. É uma mera auditoria. A origem do dinheiro não é da alçada dela. O candidato tem apenas que gastar o dinheiro dentro dos parâmetros da legislação eleitoral;
  • Outra preocupação dos petistas é afirmar que houve doações a políticos da oposição. E daí? Qual deles tinha influência para conseguir bons contratos para a empresa doadora junto à Petrobras? Aceitar ajuda financeira foi no mínimo anti-ético. Na verdade, tudo demonstra com bastante clareza que o Governo sente que pode estar entrando numa fase complicada e perigosa.

Dilma não crê no governo dela e guarda dinheiro em casa

  • Conheci Nelson Motta no famoso e pioneiro júri do programa de Flávio Cavalcanti, da falecida TV Tupi, composto por grandes nomes da música brasileira. Muitos deles já morreram, mas Nelson Motta continua ativo com aparições semanais na TV Globo e também no 'O Globo', sempre abordando assuntos ligados à sua área. Ontem, todavia, ele escreveu sobre política, e deu um autêntico show;
  • Com o título "Torrando erva viva", Nelson Motta começa dizendo achar muito estranho o hábito que vários políticos brasileiros têm de guardar dinheiro vivo em casa, declarado no Imposto de Renda. A principal figura é exatamente a presidente Dilma Rousseff, que sempre deixa num cofre do Palácio da Alvorada nada menos que R$ 150 mil, dizendo: "Nunca se sabe, né?";
  • Quando a comandante da política econômica do Governo não acredita na segurança do seu próprio dinheiro, como é que ficam seus governados? E Nelson Motta questiona se os possíveis investidores teriam coragem de fazer negócios no Brasil. Segundo ele, economistas afirmam que no final de seu mandato os 150 mil de Dilma valerão muito menos;
  • Vê-se, então, que Dilma Rousseff e os demais que guardam dinheiro 'no colchão', como se fazia antigamente, não confiam nos bancos nem temem ladrões, destacou Nelson Motta. Quanto a nós, só nos resta dizer: "Salve-se quem puder".

Petistas dão cabeçadas entre si no Palácio da Alvorada.

  • Ao ver que a mandioca está mais prestigiada pela presidente Dilma do que ele, o ex-presidente Lula quer de qualquer jeito se desligar de quem ele mesmo inventou. Entrou para a história a declaração dele dizendo: "Atualmente os petistas só querem cargos". E tem petistas apoiando as palavras de Lula. Esqueceram-se de que foi dele a ideia de subdividir ministérios para garantir apoio político;
  • Tanto Lula como seus aliados sabem que a vaca está se encaminhando a passos largos para o brejo com o péssimo momento em que vive o Governo. No entanto, os que sonham com um movimento do tipo 'Volta Lula' sabem que precisam fazer muito malabarismo para convencer o eleitorado de que ele não tem nada a ver com Dilma. Afinal, ela é cria dele;
  • Mais uma vez se comprova que a grande rejeição do eleitorado ao Governo, ao PT e ao próprio Lula, além do elevado prestígio da mandioca, e ainda à possibilidade de Lula ser intimado a depor na Operação Lava-Jato, tudo são motivos para essa autêntica 'corrida da sala pra cozinha' com petistas dando cabeçadas entre eles nos corredores do Palácio do Planalto.

24 de junho de 2015

Lula deve estar apavorado por não ter mais foro privilegiado

  • Só pode ser o pavor por não ter direito a foro privilegiado que está levando o ex-presidente Lula a fazer declarações como se fosse um líder da oposição à presidente Dilma, e também como se não fosse presidente de honra do PT, partido que governa o país há 12 anos. Se não for isso, ele tem que se submeter a um exame de sanidade mental. Ou então, estamos diante de uma grande jogada de marketing;
  • As recentes pesquisas mostrando a alta rejeição de Dilma, com 65% reprovando seu governo, e também na de intenção de voto colocando Lula em terceiro lugar, apontando um segundo turno entre Aécio Neves e Marina Silva, devem ter deixado o 'grande líder' atordoado. Então, ele desandou a fazer declarações que caberiam ao tucano e que estão deixando tontos os petistas. E também divididos, com muitos deles concordando com a postura oposicionista de Lula;
  • Não dá para esquecer que Dilma Rousseff é uma invenção de Lula e que o péssimo governo que ela vem fazendo é fruto da 'herança maldita' que ele deixou para ela. Dá até vontade de rir quando ele diz que o PT só quer saber de cargos no Governo, como se não fosse ele quem deu a largada para esse tipo de coisa, ao ponto de chegar ao Mensalão que levou altas figuras do partido para atrás das grades;
  • Vamos então aguardar os próximos depoimentos de empresários na Operação Lava-Jato, onde tem gente afirmando que se falar e que sabe pode fazer o Governo cair e figuras importantes irem para o xadrez. Aguardemos. Com a palavra a família Odebrecht.

Existe uma fórmula para o Brasil atenuar suas crises

  • O Brasil vive um dos seus piores momentos. Estamos passando pela maior crise econômico-financeira dos últimos 12 anos, e também pela maior crise ética de que se tem notícia. Todos os dias explodem denúncias de corrupção praticadas por gestores de órgãos do Governo, isso porque o Ministério Público está apurando tudo e indiciando e até prendendo os corruptos;
  • Para começar, o exemplo deveria partir dos parlamentares acabando com suas polpudas aposentadorias após quatro anos de mandato, bem como extinguindo as inúmeras mordomias a que têm direito. Para quê 40 ministérios? Nenhum país decente tem tantos assim. Bastariam uns 20;
  • Com a economia que seria feita, mais a devolução do dinheiro desviado para pagar propinas, com certeza sobrariam recursos para melhorar os rendimentos de aposentados, professores, médicos, policiais, bombeiros e funcionários públicos concursados. Já é hora disso.

O ministro Fachin começou mal

  • A principal missão do Supremo é a defesa da Constituição. No ato da posse, Fachin, para mostrar que tem boa memória, resolveu recitar o termo de compromisso. Esqueceu exatamente o trecho em que prometia defender a Constituição;
  • Ele está empossado e, portanto, não tem compromisso com a defesa da nossa Carta Magna. Fachin está à vontade para defender os interesses do Governo e do PT, partido do qual foi filiado, tendo até feito campanha para a reeleição de Dilma.

17 de junho de 2015

Ministro se enrola todo quando fala das penitenciárias

  • Ao se declarar contrário à alteração da legislação sobre a maioridade penal, o ministro da Justiça, José Eduardo Cardozo, disse: "Os presídios são antros e fábricas de criminosos, valhacouto de líderes do tráfico e fontes de transgressores de todos os matizes". Isso soa como uma confissão de culpa;
  • O ministro Cardozo pode ter dado um tiro no próprio pé. Se o PT está à frente do Governo há 12 anos, ele está implicitamente confessando que nada foi feito para melhorar o sistema penitenciário do país. Há quem ache que por trás dessa mancada haja uma jogada para que a Justiça da Itália vete definitivamente a extradição de Pizzolato, o mensaleiro fujão;
  • Essa premissa não é para ser desprezada. Afinal, os petistas são capazes de produzir todos os tipos de 'pedaladas' - esse é o assunto do dia com o julgamento hoje pelo TCU das contas de 2014 do Governo - para tentar amenizar a fase de baixa popularidade de Dilma.

Petrobras tem prejuízo de US$ 500 milhões, mas ela diz que não

  • Chega a ser irritante o costume dos membros do Governo de sempre desmentir os dados de uma notícia quando são comprovadores da ineficiência de qualquer órgão da administração pública. Quando se trata da Petrobras aí é que vem logo o desmentido. Ontem mesmo um jornal denunciou algo que mostra a estatal tomando um prejuízo de US$ 500 milhões anuais;
  • A denúncia foi feita depois que dois repórteres fizeram minuciosa pesquisa no porto de Macaé, no Rio de Janeiro. Lá, constatou-se uma fila de 12 embarcações esperando um dia para atracar. O aluguel diário dos navios custa cerca de US$ 100 mil. Na maior cara-de-pau, a Petrobras diz que a fila existe porque as embarcações estão paradas para vistoria ou para manutenção;
  • Depois do escândalo do 'Petrolão', é grande o esforço do Governo Federal para blindar a estatal, tentando dar a ela uma boa imagem, tornando bem atual aquele velho ditado: "Gato escaldado te medo de água fria".

14 de junho de 2015

Gastos do Governo com publicidade são desnecessários

  • Não há nenhuma dúvida de que o Governo gastou muito dinheiro comprando todo o horário do 'Programa do Jô' na TV Globo. A ideia foi para impor uma boa imagem da presidente Dilma num momento de grande baixa na popularidade dela. Só faltou ser chamada de 'Namoradinha do Brasil'. Afinal, a entrevista aconteceu no 'Dia dos Namorados'. Jô só faltou dizer que ela todos aqueles livros atrás na estante. Nunca a Globo daria espaço para uma entrevista 'chapa-branca' sem nada receber;
  • A melhor e maior maneira para um governo fazer propaganda é fazendo obras - algo que é uma obrigação dele - e as entregar à população. No entanto, presidentes, governadores e prefeitos gastam bilhões de reais com a chamada publicidade institucional, distribuídos entre emissoras de TV e de rádio em jornais de todo o Brasil. Quando um governante age assim, o povo fica grato e demonstra isso nas urnas, pois quer a continuidade no poder daquele grupo de administradores;
  • Pude comprovar isso, certa vez, numa cidade fluminense de veraneio.Uma família parou um carro numa padaria e o motorista comprava ingredientes para o café da manhã, pois haviam viajado durante a noite. Aí, chega outro carro com outra família e o cidadão que chegara antes reclama: "Por quê você não abriu a casa, para arejar"? A resposta foi: "Não achei a rua. Todas agora estão asfaltadas. A nossa não era. Todas as ruas estão iguais";
  • Resumo: esse prefeito foi reeleito e seu filho eleito vereador como o mais votado da cidade. Dois anos depois, seu filho se elegeu deputado estadual. O prefeito elegeu um secretário municipal como sucessor e dois anos depois se elegeu deputado estadual, no lugar do filho que falecera meses antes. Hoje, ele é outra vez prefeito da cidade, derrotando aquele secretário, que virou adversário;
  • Você acha que os bilhões de reais gastos em propaganda institucional deveriam ser proibidos e aplicados em obras e serviços? Que tal lutar por isso? Pressione o deputado federal e o senador de seu Estado a partir de agora.

Fim do voto obrigatório seria muito mais democrático

  • Os parlamentares brasileiros perderam uma boa oportunidade para mostrarem ao povo que defendem os seus interesses e obedecem à sua vontade. Há muito tempo pesquisas indicam que cerca de 90% da população querem o fim do voto obrigatório. No entanto, fizeram questão de manter como está essa imposição, que é do interesse deles;
  • O voto obrigatório é, sem dúvida, a maior causa do volume de votos em branco, nulos e, pior ainda, em candidatos sem nenhuma condição de exercer um mandato eletivo. Isso pode ser interpretado como votos de protesto. Daí a situação em que hoje se encontra a classe política no Brasil;
  • Diferente seria se o voto fosse facultativo. Somente participariam das eleições eleitores que estivessem bem informados, que procurariam eleger candidatos competentes e acima de tudo honestos. Tais eleitores são aqueles que assistem os noticiários na TV, discutem política com os amigos e até acompanham os horários de programas partidários;
  • Com a implantação do voto facultativo, certamente seriam eleitos políticos que, por índole, escolheriam gente da melhor qualidade para dirigir os órgãos da administração pública. Sonhar não custa nada.

Nada há no Governo que não seja pior no dia seguinte

  • Até a imprensa resolveu suavizar o impacto das notícias ruins provocadas pelas ações do Governo. Hoje mesmo um jornal de grande circulação traz num canto da primeira página, em letras médias: "Inflação nas alturas - Moradia, comida e transporte mais caros";
  • Esses três itens provocaram uma inflação de 0,74% em maio. Em razão disso, morar, comer e se deslocar passou a doer mais ainda no bolso das pessoas. Para 'consolar' os contribuintes, os economistas prevêem um aumento dos juros e também da crise econômica;
  • No mais, o Pronatec, programa carro-chefe da campanha de Dilma Rousseff (ela chegou ao ponto de sugeri-lo a uma pessoa cheia de diplomas de nível superior num debate no segundo turno), teve uma redução de 66%. Isso numa 'Pátria Educadora'. Essa redução foi provocada pela diminuição dos recursos para que o Ministério da Educação possa ressarcir as escolas participantes do programa;
  • Preparem-se todos. Com certeza, vem muito mais por aí. Amanhã saberemos qual será a nova pancada no bolso do contribuinte. Quem viver - ou seria sobreviver? -, verá. O Governo já anunciou aumento de 41% para a energia elétrica e de 9% para os combustíveis.

Maioria penal é um problema de fácil solução

  • A variedade de posições entre os parlamentares na discussão sobre a maioridade penal está estressando o povo e até mesmo dividindo a população, acirrando ânimos. Mas esse é um assunto fácil de ser resolvido. É só usar o bom senso e deixar o problema encerrado. É só exercitar o tal da vontade política;
  • Na verdade, um adolescente não deve de modo algum conviver no xadrez com bandidos de alta periculosidade. O tratamento tem que serdiferenciado. Ele não pode fazer pós-graduação em bandidagem. Ele, em tese, tem totais condições de ser reintegrado à sociedade;
  • Há, todavia, menores de má índole, que praticam crimes violentos e hediondos. Esses cometem crimes que devem punidos de acordo com o Código Penal, tenham que idade tenham. Durante esse período, têm que ficar apreendidos em local adequado à idade de cada um. Quando forem maiores de 18 anos, o local onde ficará preso deixa de ser problema, porque deixam de ser 'dimenor';
  • Basta que queiram solucionar o problema, e não ficar cozinhando o assunto para ser focalizado pela mídia. Enquanto isso, os menores ficam livres tanto para praticar pequenos furtos ou dando facadas e matando para assaltar ciclistas.

9 de junho de 2015

Governo de Dilma é o mais 'competente' em incapacidade

  • O atual governo é o mais 'atuante' dos últimos tempos. Temos surpresas e incoerências todos os dias. Alguns fatos já nem surpreendem mais, como aumento do preço de combustível, de energia elétrica e de impostos. A novidade de hoje fica por conta da queda na produção de veículos, de 17,8%, que provocou o desemprego de mais de 6 mil trabalhadores, isso com um país que tem o Partido dos Trabalhadores (PT) à frente do Governo;
  • O Banco Central projeta uma inflação de 8,46% para este ano, e a taxa básica de juros (Selic) deverá atingir 14% em 2015. Quem fizer compra com pagamento parcelado vai sentir na pele, ou seja, no bolso. Como consequência, é assustador o número de lojas fechadas nos shopings centers. O mesmo acontece no mercado imobiliário;
  • O contribuinte é o maior castigado pela incapacidade de ministros, parlamentares e também por funcionários incompetentes designados para cargos importantes não pela sua capacidade mas pela filiação partidária. Numa coisa, no entanto, toda essa gente é capaz: usufruir dos altos salários e das mordomias. Já é hora de mudar tudo isso!

O Governo faz o jogo dos planos de saúde? Parece que sim

  • Coitado do brasileiro que tem plano de saúde por necessidade! A Agência Nacional de Saúde (ANS) está sempre ao lado das operadoras. A toda hora reajusta os valores dos planos individuais tomando por base os índices dos planos coletivos, algo que é da alçada das operadoras. A ANS acaba de autorizar um aumento de 13,5%, quando o IPCA foi de 6,37%;
  • Quem tem plano de saúde fica na esperança de que haja alguma reação por parte da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB) e do Ministério Público Federal (MPF). Porém, até agora nada fizeram. O Governo é outro órgão que também não defende cerca de 9 milhões de brasileiros que ainda têm que sofrer as consequências de um péssimo momento da economia, com os preços subindo diariamente;
  • Além do mais, pagando preços pesados para a sua manutenção, os cidadãos ainda convivem com notícias diárias sobre a corrupção praticada por aqueles que deveriam ser seus defensores. Bastaria proibir a ANS que permita os reajustes tão prejudiciais a quem tem tanta dificuldade em conviver com eles.

Este é o meu Brasil: Não falta o que críticar. Aí estão três motivos:

  • 1 - Quem possui plano de saúde acaba de ser 'agraciado' com um absurdo reajuste de 13,5%, autorizado pela Agência Nacional de Saúde (ANS). Isso é um autêntico presente de grego, principalmente para os aposentados, que nos últimos anos vêm tendo suas pensões reajustadas sempre em índices abaixo das variações do custo de vida;
  • 2 - Uma comissão de deputados federais chefiada pelo presidente da Câmara, Eduardo Cunha, esteve em Israel esta semana. Eles se hospedaram no hotel Waldorf Astoria, o mais luxuoso de Jerusalém. Também foram à Palestina e à Rússia. Sete parlamentares levaram suas esposas. No tempo livre, todos foram às compras, fizeram passeio no Mar da Galileia e foram ao teatro assistir o Balé de Bolchoi. Sabe quem pagou por esta 'excursão'? Nós, vós, eles, os contribuintes;
  • 3 - Ultimamente, um dos assuntos mais ventilados é a PEC das Domésticas. No Brasil, cerca de 70% das empregadas domésticas trabalham sem carteira assinada. Antes da nova legislação, o patrão que assinava carteira recolhia 12% para o ISSN, e a doméstica, 8%. Havia patrões que recolhiam a parte da empregada. Com a vigência da PEC, os recolhimentos aumentaram, o patrão teve aumento de despesas, e sua empregada passou a receber menos;
  • Financiei essa 'excursão' e não posso fazer uma com minha esposa. Querem criticar mais? É muito fácil. Afinal, estamos no Brasil;
  • Aí está a lista dos 'excursionistas':
    1 - Eduardo Cunha (PMDB/RJ);
    2 - Átila Lins (PSD/AM);
    3 - Beto Mansur (PRB/SP);
    4 - Gilberto Nascimento (PSC/SP);
    5 - Leonardo Picciani (PMDB/RJ);
    6 - Bruno Araújo (PSDB/SP);
    7 - Maurício Quintella (PR/AL);
    8 - Jovair Arantes (PTB/GO);
    9 - Mendonça Filho (DEM/PE);
    10 - André Figueiredo (PDT/CE);
    11 - Artur Maia (SD/BA);
    12 - André Moura (PSC/SE);
    13 - Rubens Bruno (PPS/AL); e
    14 - Rodrigo Maia (DEM/RJ).

Somente 23% da Taxa de Incêndio foram aplicados em 2014

  • Se existe algo que é um autêntico absurdo no Estado do Rio de Janeiro, entre os muitos reconhecidamente existentes, sem dúvida é a famigerada Taxa de Incêndio. O Corpo de Bombeiros é uma instituição sobre a qual não há nenhum questionamento, no entanto, a cobrança de referida taxa tem que ser contestada. Se pode cobrar Taxa de Incêndio, a qualquer momento o Estado pode muito bem criar a Taxa de Policiamento;
  • Quando paga seus impostos estaduais (ICMS e IPVA), o cidadão está dando recursos ao Estado para manutenção dos serviços que são de sua atribuição, como polícias, Corpo de Bombeiros, estradas, ferrovias, sistema de abastecimento, só para citar alguns. Por quê, então, pagar mais um tributo para aquela corporação? Não tem nenhum cabimento;
  • E o pior é o contribuinte que paga anualmente a Taxa de Incêndio tomar conhecimento de como esse dinheiro vem sendo utilizado. Em 2014, os bombeiros arrecadaram R$ 182 milhões. Para a modernização do Corpo de Bombeiros, foram gastos no ano passado quase R$ 42 milhões, 23% do que foi arrecadado. Isso mesmo;
  • Onde estão os R$ 140 milhões restantes? Por qual motivo o Estado não repassa os recursos para um órgão tão importante como o Corpo de Bombeiros? Têm que explicar por qual motivo a corporação tenha se utilizado de pás de um helicóptero da Polícia Civil para que uma aeronave de sua frota pudesse prestar socorro à populaçã;
  • Será que você ainda vai continuar pagando essa taxa absurda para seu dinheiro não ser utilizado devidamente? De minha parte, não contem comigo. Nunca paguei. Agora, mais do que antes, quero explicações.

Uma seleção de 'boas' notícias

  • Sem comentar, selecionei algumas notícias veiculadas hoje na mídia:
  • "Número de presos subiu 87% em oito anos no país - Deficit de vagas nas penitenciárias cresceu 139% entre 2005 e 2013"
  • "Lava-Jato - STJ quebra sigilo de Cabral e Pezão"
  • "BC sobe juros pela sexta vez"
  • "Esportes - FBI investiga fraude em escolha de Copas"
  • "Investigado, Jucá integra Conselho de Ética"
  • "Ministro do TCU votou em processos de sócios do filho - Em 2013, Aroldo Cedraz tinha se declarado impedido, mas mesmo assim participou de dois julgamentos em 2014"
  • "TJ afasta Darlan de cargo de coordenação - Desembargador estaria interferindo em decisões de juízes, diz presidente"
  • "Paes diz que não vai reduzir passagem como manda TCM- Prefeito alega que não pode usar verba da educação para cobrir gratuidade em ônibus"
  • "Vice-presidente da Câmara cria comissão para legalizar o jogo - Iniciativa foi tomada por deputado que ficou meia hora à frente da Casa"
  • Há muitas outras, mas não vamos estragar nosso feriado. Se achar interessante, comente.

3 de junho de 2015

Sistema de Saúde do Rio de Janeiro acaba de descobrir a zika

  • Fazendo minha costumeira leitura matinal de jornal, me deparo com matéria com o seguinte título: "Rio tem o primeiro caso confirmado de zika". Como assim? Somente na minha casa foram sete casos com faixas etárias entre 2 e 70 anos. Seria esse repórter o Rubens Barrichello? Por aí podemos ter noção de como funciona o sistema de Saúde do RJ;
  • Basta uma visita à UPA de Nilópolis. A fila de pessoas com a zika talvez impeça de a pessoa da Secretaria de Saúde poder transitar no local. Desde o primeiro caso em minha família, o ambulatório do Hospital Pronil (particular) já diagnosticou a doença, dando detalhadas explicações sobre o que ocorreria em seguida. Essas orientações haviam sido repassadas pela Secretaria de Estado de Saúde;
  • Nada disso, no entanto, é novidade. É puro reflexo de como os cidadãos brasileiros estão sendo tratados pelo Poder Público.

1 de junho de 2015

Dias Toffoli tem uma boa ideia sobre o fim da reeleição

  • Finalmente chegou a hora em que sou obrigado a concordar com o ministro Antônio Dias Toffoli, do Supremo Tribunal Federal (STF), que em entrevista teceu considerações sobre o fim da reeleição de presidente da República, governadores e prefeitos. Não deu nenhum parecer jurídico, algo um pouco difícil para quem foi reprovado em dois concursos para Juiz;
  • O principal foco da entrevista de Toffoli foi em relação ao tempo de mandato dos chefes de Executivos. Para ele, quatro anos é um tempo muito curto. Não dá para um presidente da República executar seus programas. Até que para governadores e prefeitos é um tempo razoável, mas para o Chefe do Executivo brasileiro é pouco;
  • O ministro Toffoli propõe que se modifique esse tempo, e afirma: "Um mandato de quatro anos deixa o presidente frágil. É um tempo muito curto de mandato". Ele é de opinião que o mandato dure cinco ou seis anos. Parece que não será difícil acolher a sugestão dele, pois há um razoável número de parlamentares querendo que todos os cargos eletivos durem cinco anos. Parabéns, Toffoli.

Reforma política: sobrou por enquanto o fim da reeleição

  • Nem 'Distritão', voto distrital ou distrital misto, fim das coligações etc. O que sobrou na tão discutida comissão da reforma política foi, por enquanto, a aprovação pela Câmara do fim da reeleição para presidente, governadores e prefeitos. Já é alguma coisa, embora ainda falte uma outra votação na Câmara e mais duas no Senado. Pela tendência atual, a reeleição também será aprovada no Senado;
  • A discussão sobre a reforma entra na história do Congresso Nacional como mais um episódio que em nada o engrandece. O relator apresentou seu parecer, e depois fez nele várias alterações. Por fim, o relatório foi retirado pelo relator, sobrando dele o fim da reeleição;
  • Há ainda um grupo querendo aprovar o aumento do tempo de mandato para cinco anos. O lado positivo é que os chefes de Executivos não vão mais usar o primeiro mandato para fazer campanha para se reeleger. Agora, vão cuidar de sua administração e até mesmo fazer seu sucessor, para depois tentar galgar posto mais alto, ou até voltar ao cargo.
  • Em se tratando de Brasil, vamos curtir este fato, porque tudo pode voltar a ser alterado. Histórico para isso é o que não falta no comportamento dos parlamentares brasileiros.

Político debocha do povo, que continua votando nele

  • Estou no leito de um hospital convalescendo de uma cirurgia, vendo TV, quando aparece o prefeito do Rio, Eduardo Paes, tocando trombetas e anunciando obras de revitalização da Zona Portuária, com apartamentos e até shopping, algo até interessante e necessário. O escândalo da FIFA bombando, e eis que surge uma notícia positiva;
  • No final da reportagem, vem o lado revoltante. Eduardo Paes informa que as obras terão início no final de 2016 e que estarão prontas no segundo semestre de 2018. Vejam que 'coincidência'. No ano que vem, teremos eleições municipais e o prefeito do Rio quer fazer o sucessor. Em 2018, será a vez das eleições gerais;
  • Tudo não passa de uma forma de pensar nele mesmo, ao mesmo tempo em que desviam a atenção do povo para os desmandos dele apontados na Operação Lava-Jato, sem falar na péssima administração que vem fazendo à frente da prefeitura carioca. Cabe a você, eleitor, aceitar ou não mais esse deboche.