Política brasileira e outros temas polêmicos

Política brasileira e outros temas polêmicos

29 de março de 2017

Mais um grupo de ladrões de dinheiro público é descoberto no Rio de Janeiro

Como já dissemos aqui várias vezes, todo dia tem alguma novidade relativa a corrupção praticada por agentes públicos. Desta vez a notícia diz respeito a um órgão que fiscaliza o uso de dinheiro público: Tribunal de Contas do Rio de Janeiro (TCE-RJ). A Polícia Federal (PF) está cumprindo hoje uma série de mandados de prisões cautelares, buscas e apreensões, além de bloqueios de bens e valores, na Operação "O Quinto do Ouro". O presidente da Assembleia Legislativa do Rio de Janeiro (Alerj), Jorge Picciani, é alvo de condução coercitiva. Ele chegou à sede da PF no Rio de Janeiro e deve prestar depoimento ainda hoje. São mais de 43 mandados, a maioria deles na cidade do Rio de Janeiro, mas também em Duque de Caxias e São João do Meriti. Para cumprir as ações, quase 150 policiais federais foram destacados. Os alvos da operação são investigados por fazerem parte de um esquema de pagamentos de vantagens indevidas que pode ter regularmente desviado valores de contratos com órgãos públicos para agentes do Estado, em especial membros do TCE-RJ e da Alerj, de acordo com informações da PF;
O esquema seria relacionado ao período do governo de do ex-governador Sérgio Cabral (PMDB). São alvos de prisão preventiva cinco dos sete membros do Tribunal: Aloysio Neves, atual presidente; Domingos Brazão, vice-presidente; e os conselheiros José Gomes Graciosa, Marco Antônio Alencar e José Maurício Nolasco. Um ex-integrante do TCE também é alvo de mandado de prisão, mas o nome dele não foi divulgado. Aloysio Neves, José Gomes Graciosa e Domingos Brazão foram presos ainda na manhã de hoje. O ex-presidente do TCE-RJ e delator do esquema de corrupção que envolve empresas, políticos e conselheiros da Corte, Jonas Lopes de Carvalho, a mulher, o filho dele, o advogado Jonas Lopes Neto, a nora e os dois netos estão fora do país. O ministro do Superior Tribunal de Justiça (STJ), Felix Fischer, concedeu autorização da viagem da família, por 40 dias. A delação de Jonas Lopes já foi desmembrada pelo relator da Operação Lava-Jato no STJ, Félix Fischer. Aí está mais uma explicação pata o descalabro em que se encontram as finanças do Rio de Janeiro. Enquanto uns poucos privilegiados nadam em dinheiro, centenas de milhares de funcionários públicos, por exemplo, enfrentam uma verdadeira "seca" em suas finanças.

28 de março de 2017

Pouca gente nas manifestações não é sinal de falta de olho nos políticos bandidos

É melhor que o Governo, o Congresso Nacional e os partidos políticos não festejem um possível fracasso das manifestações de domingo passado. Tal fato deveu-se à pouca divulgação e também à variedade de temas levados às ruas. Se fosse apenas para a defesa da Operação Lava-Jato, certamente a adesão seria muito maior, porque para o povo o combate à corrupção está em primeiro lugar. A população quer ver condenados e presos os políticos criminosos que roubaram milhões de reais dos cofres públicos para financiar campanhas eleitorais e para enriquecimento de alguns caciques partidários. O povo não está desligado. A maior manifestação acontecerá nas urnas nas eleições de 2018. Nas eleições municipais do ano passado já foi dado um aviso, quando a maioria dos prefeitos e vereadores não conseguiu se eleger. A renovação foi uma das maiores dos últimos tempos;

É lamentável que um bloco carnavalesco reúna 500 mil pessoas às 8 horas da manhã, mas não saia às ruas para protestar contra surrupia dinheiros de seus impostos que deixam de ser aplicados em Saúde, Educação e Segurança, por exemplo, dando a entender que está gostando do que acontece em todo o país, enquanto poucos comparecem para reclamar contra as falcatruas praticadas por milhares de políticos. Depois, não podem reclamar daquilo que está atingindo a eles próprios. Porém, indo ou não às ruas, não podemos nos mostrar desligados e não concordaremos com a discussão de reformas propostas por parlamentares investigados e prestes a serem condenados, em especial as que buscam dar aos mesmos proteção legal, além de auto anistia para os crimes que cometeram para conseguir um mandato que lhes dá a proteção do famigerado foro privilegiado. Estamos de olho, senhores!

27 de março de 2017

Ciro Gomes solta a língua e ameaça receber Sérgio Moro 'na bala'

É bastante conhecida a língua solta de Ciro Gomes (PDT-CE), mas parece que agora ele perdeu a noção do limite. O ex-ministro da Integração no governo do ex-presidente Lula foi muito longe e mandou um violente recado para o juiz Sérgio Moro ao fazer críticas à Operação Lava-Jato. Em um vídeo, Ciro criticou os mandados de busca e apreensão e de condução coercitiva do blogueiro Eduardo Guimarães, responsável “Blog da Cidadania”, e declarou: “Se esse Moro resolveu prender um blogueiro. Ele que mande me prender. Eu vou receber a turma dele na bala”. A ameaça de Ciro Gomes está num vídeo que circula na Internet e em grupos do WhatsApp. Para tentar amenizar a perigosa declaração, ele mandou um arremate: “Se eu não tiver cometido nada de errado”. Mas a metralhadora giratória do político cearense ainda tinha munição. Ele também faz fortes críticas ao procurador Deltan Dallagnol, coordenador da força-tarefa da Lava-Jato, trazendo de volta aquela entrevista coletiva na qual denunciava Lula como o principal comandante da onda de crimes praticados em especial contra a Petrobras;

Por mais seja de sua personalidade não medir palavras, Ciro Gomes entrou num terreno perigoso. Ele não tem direito a foro privilegiado e suas palavras poderão ser interpretadas como ameaça à vida do juiz, que processaria o ex-ministro enquadrando-o em vários dispositivos legais. Na realidade, esse é o tipo de comportamento que não se espera de uma pessoa que vem se apresentando como pretendente ao posto de presidente da República. Se ele não tiver mesmo cometido nada errado, o Poder Judiciário é o foro correto para se defender e até pedir reparação de qualquer prejuízo à sua moral. Pela visibilidade que possui, Ciro pode estar incentivando qualquer pessoa a agir da mesma forma que ele sugere quando houver algum caso semelhante. Seria mais um motivo para ele ser levado às barras da Justiça. O Brasil já tem problemas demais para ser incentivado a desenvolver mais um, que pode transformar o país numa terra semelhante ao Velho Oeste.

26 de março de 2017

Ao comparar sua 'honestidade' com a de Moro, Lula mostra que quer ser humorista

Como existe grande possibilidade de o ex-presidente Lula não poder mais continuar sua carreira política, pois qualquer punição que receba por conta da Operação Lava-Jato provocará sua inelegibilidade por oito anos, ele já está praticando para exercer uma outra. Tudo indica que Lula pretende ser humorista. É o que se deduz com base em sua mais recente piada: "Nem o Moro, nem o Dallagnol, nem nenhum deles têm a honestidade e a lisura que eu tenho nos meus 70 anos de vida". Só mesmo rindo. Então aqueles processos nos quais Lula é réu não existem? Toda roubalheira que ele patrocinou revelada desde o julgamento do "Mensalão do PT" e as reveladas pela equipe pela equipe de procuradores do Ministério Público Federal (MPF) e comandada  pelo juiz Sérgio Moro. O enriquecimento dos filhos dele e de outros parentes é tudo fruto de trabalho honesto? Lula quer que acreditemos que nada disso existe. Só os seus fanáticos seguidores acreditam nele;

É incrível como ele procura negar a realidade. Isso é caso de psiquiatria. Lula está demonstrando ser um psicopata. E prior é que ele pode estar atacado de um processo de mitomania, quando o indivíduo mente e acredita que sua mentira seja uma verdade. Isso é uma coisa perigosa porque pode afetar uma grande massa de alienados com aplaudem qualquer sandice que o ex-presidente diga. Como não é a primeira vez que Lula se autointitula com o brasileiro mais honesto do país, é possível que ele esteja aplicando a teoria e estratégia de Joseph Goebbels, chefe da propaganda do nazismo de Hitler dizendo que uma mentira repetida mil vezes acaba se tornando uma verdade. Então, como de um modo geral os eleitores brasileiros votam de qualquer jeito, há o risco da volta de Lula e toda sua turma. Temos que lutar contra isso. Que ele continue com suas piadas, mesmo que elas sejam, como esta última, muito sem graça.

24 de março de 2017

Mais uma delação da Odebrecht deixa Dilma Rousseff em maus lençóis

“Odebrecht comprou tempo de TV do PCdoB, PROS e PRB para Dilma – Ex-diretor diz que empresa deu dinheiro aos partidos a pedido do tesoureiro petista”. Esta é a manchete de hoje em um jornal diário do Rio de Janeiro ao relatar a delação premiada de Alexandrino Alencar, ex-diretor da empresa, quando disse que comprou o tempo de TV dos três partidos para a campanha de Dilma Rousseff em 2014, a pedido de Edinho Silva, tesoureiro da campanha. Cada agremiação recebeu R$ 7 milhões. A negociação aconteceu na sede da empreiteira, e foi feita com o atual ministro da Indústria e Comércio, Marcos Medeiros. Para deixar Dilma mais enrascada, Marcelo Odebrecht, ex-presidente da empresa, revelou ao Tribunal Superior Eleitoral (TSE) que a “gerentona” de Lula sabia que a Odebrecht estava usando o “Caixa 2” para pagar o marqueteiro João Santana, e ainda doou R$ 50 milhões na eleição dela como contrapartida à aprovação de uma Medida Provisória (MP) permitindo o refinanciamento de uma dívida da Brasken, empresa do mesmo grupo;


Verdadeiramente, Brasília é um lugar bastante interessante para quem não esteja envolvido com as falcatruas dos políticos. Tem novidade a toda hora. Ontem correu o boato informando que o ministro Edson Fachin, do Supremo Tribunal Federal (STF), vai liberar o sigilo das delações premiadas da Odebrecht, o que provocou um enorme suspense. A presidente do Supremo, Cármem Lúcia é a favor. Até o presidente Michel Temer também é. Mas, poderão acontecer alguns casos de taquicardia. O depoimento de Marcelo Odebrecht, por exemplo, é cheio de detalhes que dificultarão os costumeiros desmentidos. Ele informa, por exemplo, dia, hora e valores dos repasses destinados à campanha de Dilma para sua reeleição. Então, com certeza as farmácias da Capital Federal terão que aumentar seus estoques de calmantes.

23 de março de 2017

A Operação Carne Fraca continua mostrando a cara dos políticos

Vamos combinar. Pior que ter ou não papelão da carne é o verdadeiro papelão de o Brasil ser a 8ª economia do mundo e ao mesmo tempo ser o 79º país no Índice de Desenvolvimento Humano (IDH), atrás até do Azerbaijão. E essa “honrosa” classificação não é de agora. Desde 1994, quando foi lançado o Plano Real sempre foi vergonhosa. Há uma explicação para isso. As políticas econômicas valorizam a especulação financeira com altos juros, concentração de riqueza nas mãos de poucos e, o que é mais grave, baixos investimentos na qualidade de vida do povo. Tudo acontece por causa da mentalidade dos nossos políticos, que cuidam sempre do enriquecimento deles, deixando a população de lado. Esses políticos resolvem culpar a Polícia Federal (PF) pela carne estragada que podemos estar comendo, mas nos faz indagar por quê eles têm o direito de indicar um superintendente de fiscalização sanitária;

O descaso dos políticos fica patenteado nas duras críticas que fizeram à PF por ter denunciado o esquema de carnes adulteradas e estragadas os ministros Moreira Franco, (Secretaria-Geral da Presidência da República), e Blairo Maggi, (Agricultura) alegando que as denúncias prejudicaria financeiramente o país. Isso significa que estão preocupados com o dinheiro, e não com a saúde do povo. Por qual razão um político tem o direito de indicar pessoas para cargos em órgãos do Governo? Os indicados não passam de agentes dos seus “padrinhos” em seus interesses privados, comerciais ou pessoais. Aí está a Operação Lava-Jato confirmando tal fato, que recebe o apoio de elevado percentual da população. A falta de escrúpulos chega ao ponto de tentarem de todas as formas impedirem o andamento do trabalho do juiz Sérgio Moro e até o fim da Operação. O povo não deve nem pode ficar inerte diante disso. Tem que ir às ruas e protestar com bastante veemência.

22 de março de 2017

Gilmar Mendes, presidente do TSE, é ‘Assessor Jurídico’ do Congresso. Pode isso?

O presidente do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), Gilmar Mendes, que também integrado o Supremo Tribunal Federal (STF), está outra vez defendendo mudanças no sistema eleitoral vigente. Ele alega que o modelo atual está “exaurido”, e defende a adoção da famigerada lista fechada para a eleição de parlamentares, além do financiamento público das campanhas eleitorais através do Fundo Partidário, duas reivindicações do PT, tudo isso com o apoio do ministro Dias Toffoli, do STF e ex-presidente do TSE, reconhecidamente um “ministro petista”. Gilmar Mendes, no entanto, está violando as leis da Magistratura e, principalmente, a ética. Tudo serve como cortina de fumaça disfarçada para cortar os efeitos da Operação Lava-Jato, onde a maioria é composta de senadores e deputados de vários partidos, mas com maior número de petistas. Não foi sem razão que recentemente a Associação dos Magistrados Brasileiros sugeriu que Gilmar largasse a toga e assumisse exercer suas atividades políticas e partidárias livremente;


O momento político é bastante confuso, mas o eleitor está atento para protestar contra todas essas manobras que têm por finalidade defender e manter na vida pública dezenas e até centenas de “fichas-sujas”. A lista fechada fere a própria democracia e atropela a Constituição Federal, que estabelece ser um direito do povo a escolha de seus representantes através do voto. A Lava-Jato está mesmo dando um imenso trabalho para os políticos enrolados em falcatruas. Não é sem motivo que na discussão sobre o projeto que propõe a fim do foro privilegiado, o senador Renan Calheiros (PMDB-AL), líder do partido no Senado Federal, trouxe de volta a proposta de incluir no mesmo o tal do abuso de autoridade, para que haja dificuldade e que agentes públicos possam se defender de intimações e conduções coercitivas. É normal que gente como Renan adote tal iniciativa. O que não pode é um ministro de nossa mais alta Corte buscar a mídia para dar suporte a interesses partidários e de políticos especializados em desvio de dinheiro público. Isso não pode, Gilmar Mendes!

21 de março de 2017

O Governo quer resultado antecipado de investigações da Polícia Federal. Só rindo

Não sabemos se é uma tirada humorística ou mais uma demonstração de cinismo. O Governo, e em especial o Ministério da Agricultura, estão culpando a Polícia Federal (PF) de precipitação na divulgação dos resultados apontados pela Operação Carne Fraca. Disseram que o ministério teria que ser consultado antes de ser dado conhecimento ao público, uma vez que as irregularidades já ocorriam há muito tempo nos frigoríficos acusados. Se estão falando sério, vamos lembrar que se os órgãos de controle e fiscalização do Governo funcionassem de modo correto e alguns servidores sem escrúpulos não se vendessem, tragédias como a de Mariana ou a queda do avião que vitimou jogadores da Chapecoense, por exemplo, não aconteceriam. Ninguém duvida que se houvesse um alerta a Polícia Federal não seria obrigada a abafar as falcatruas. Afinal, estamos no Brasil;

Vemos atualizado o velho ditado de que depois da porta arrombado é providenciada a respectiva tranca. Assim é que depois da queda da ciclovia no Rio de Janeiro com duas mortes a fiscalização passou a ser rigorosa; depois de 200 mortes numa boate, mais rigor na fiscalização; quando se descobre  falsificação de remédios, a Anvisa jura que a ação será intensa; descobertas as falcatruas com a carne contaminada; depois do leite com soda cáustica, vamos fiscalizar com rigor. Tudo agora será fiscalizado de forma rigorosa. E o povo, como fica nisso tudo? Parafraseando aquele técnico da Seleção Brasileira de futebol que um dia disse ser o gol um mero detalhe, os nossos dirigentes políticos também consideram o povo um mero detalhe.

20 de março de 2017

Operação Carne Fraca provoca jogadas de marketing de Lula e Michel Temer

Um ex-presidente e um presidente da República resolveram fazer marketing político no mesmo dia. O primeiro foi Lula, ao "reinaugurar" o trecho concluído da transposição do Rio São Francisco, ao levar uma claque, talvez à base de um sanduíche de "mortandela", um copo de suco e condução grátis para a cidade de Monteiro, no Ceará, isso porque na inauguração oficial o presidente Michel Temer não disse que a obra havia era um projeto de Lula e levado adiante pela ex-presidente Dilma. Realmente, faltou a Temer ter a sensibilidade de fazer referência aos dois, o que com certeza não provocaria o verdadeiro comício feito pelos petistas naquela cidade cearense. Não esquecemos que as obras que levaria água para regiões secas do Nordeste desde o primeiro mandato de Lula eram interrompidas e reativadas nas proximidades de eleições;

Quanto ao presidente da República, sua jogada de marketing foi a convocação de uma reunião de emergência por causa da repercussão da Operação Carne Fraca com a participação de ministros, empresários dos frigoríficos denunciados, embaixadores dos principais países exportadores de carnes e derivados. As explicações são até certo ponto risíveis. Temer disse para o Brasil que num universo de cerca de 5 mil frigoríficos eram apenas 21 os que foram denunciados pela Polícia Federal (PF), omitindo que foram exatamente aqueles que fazem o maior volume de vendas para a Europa e Estados Unidos. Para culminar seu marketing, o presidente Temer convidou todos os participantes para um almoço numa churrascaria de Brasília, onde foi servida carne importada da Austrália e da Argentina. Sobre a omissão da fiscalização por parte do Ministério da Agricultura e sobre as propinas que teriam sido distribuídas para isso, o silêncio do presidente foi total. No entanto, o povo quer e precisa saber que tipo de carne anda comendo.

19 de março de 2017

O brasileiro tem mais uma lista: é para saber o que pode comer e beber

É uma clara verdade que o brasileiro não pode dizer que sua vida é monótona. Todo dia tem alguma novidade,a maioria delas com algum fato que trazendo susto para o cidadão. O mais recente é o que trata das revelações da Operação Carne Fraca, quando o brasileiro descobre que ele não vive, mas sim sobrevive. É o que se deduz quando lembra que passou tantos anos comendo e bebendo produtos industrializados com as mais variadas espécies de adulterações prejudiciais à sua saúde, mesmo havendo órgãos públicos destinados a fiscalizar a qualidade dos mesmos. E, o que é pior, fica sabendo que os riscos à sua vida por que passa é porque os produtos não são fiscalizados por causa das propinas que os responsáveis recebem para fazer vista grossa favorecendo empresários gananciosos, sempre acobertados por políticos;

A maioria dos políticos brasileiros rouba dinheiro público e ainda resmunga quando são um deles é descoberto metendo a não na grana. São uns tremendos caras de pau. Num país decente, todos seriam postos no xadrez imediatamente, e por longo tempo, além de ficar banido definitivamente do processo político. É normal em qualquer país existir pessoas ricas e pobres. É assim desde que o mundo é mundo, mas aqui é difícil saber quem ficou rico com dinheiro do bem ou com dinheiro do mal. A Operação Lava-Jato tem revelado uma boa parcela de gente que enriqueceu com dinheiro do mal. Antigamente, havia uma expectativa sobre a divulgação de listas. Começava pela lista telefônica da cidade, da convocação da Seleção Brasileira, dos aprovados em vestibular. Hoje, as listas são outras. Procuramos saber se nosso nome está na lista do SPC, nos que ficaram desempregados. Há também as listas do Janot revelando mais falcatruas de políticos. Mas agora surgiu mais uma, que é a lista dos alimentos que podemos consumir sem risco de morrer. É uma novidade a cada hora.