Comentários sobre política brasileira e outros temas polêmicos

Comentários sobre política brasileira e outros temas polêmicos

26 de julho de 2017

Nada é tão ruim no Brasil que não possa piorar ainda mais

Os cariocas quase não reagem mais quando se deparam com a notícia informando que a Polícia Militar (PM), através do Batalhão de Ações com Cães (BAC), quando cães farejadores encontraram mais de uma tonelada de maconha, e outras drogas em menor quantidade, no Morro Pavão-Pavãozinho, em Copacabana, uma das praias mais famosas do mundo. Ressalte-se que no morro há uma Unidade de Polícia Pacificadora (UPP) instalada ali desde 2009. Comprovando a forma organizada de o tráfico funcionar, a PM também apreendeu quatro radiotransmissores, duas pistolas, uma espingarda e um fuzil. O material foi encontrado numa espécie de alçapão numa ruela do morro, que deram muito trabalho aos policiais para quebrar o concreto e retirar as drogas;

A apreensão só foi possível porque a PM, com 40 policiais, subiu o morro para investigar as causas dos constantes confrontos entre policiais e traficantes, como o ocorrido em 28 de junho, ocasião em que houve duas mortes, entre eles um porteiro que foi atingido por estilhaços de uma granada – pasmem – na Rua Ferreira de Sá, em pleno asfalto. Há poucos dias os cariocas tiveram conhecimento da drástica redução das verbas federal e estadual destinadas ao combate da criminalidade, algo que certamente deixa a Polícia sem meios de impedir que tal volume de drogas consiga chegar às mãos dos traficantes e, consequentemente, dos consumidores. Para fazer bonito junto à população carioca, o presidente Michel Temer durante a posse do no ministro da Cultura, Sérgio Sá Leitão (não gostei de saber que ele tem este sobrenome), determinou que ele destine R$ 13 milhões para financiar as escolas de samba do Rio de Janeiro em 2018, “coincidentemente” ano de eleições.

25 de julho de 2017

Notícia ruim é o que não falta no Rio de Janeiro de Pezão

O descalabro da administração pública no Estado do Rio de Janeiro tem exemplos diários comprovando que não anda mesmo nada fácil a vida da população do Rio, notadamente na capital do Estado. O colunista Ancelmo Gois narra hoje na edição do jornal carioca “O Globo” a história de uma senhora que teve a bolsa furtada num restaurante de Copacabana, sábado passado. Ela foi à delegacia do bairro e, após horas de espera sem ser atendida por falta de pessoal, acabou desistindo. Esperou o primeiro dia útil chegar e ontem voltou àquela delegacia, mas outra vez não conseguiu fazer o Boletim de Ocorrência, o conhecido BO, por faltar tinta na impressora. Em seguida, foi ao Detran-RJ para providenciar a emissão de uma nova Carteira Nacional de Habilitação (CNH). Não teve sucesso, mais uma vez. Não havia funcionários para atendê-la, porque eles estão em greve por falta de pagamento de seus salários. A falta de material na delegacia e a greve dos servidores do Detran refletem a péssima administração que o Estado vive principalmente desde o tempo do ex-governador Sérgio Cabral e continuada pelo atual chefe do Executivo, Luiz Fernando Pezão, que conseguiram levar o Rio à maior crise financeira de todos os tempos;

O Governo Federal conseguiu aprovar um plano de ajuda financeira aos estados, e Pezão ofereceu ao Banco Nacional do Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) a Cedae, estatal responsável pelo abastecimento de água de grande parte do Estado, e anunciou que o valor, R$ 3,5 bilhões, serviria para colocar em dia o pagamento dos funcionários públicos em atraso. O BNDES rejeitou a oferta e está liderando a formação de um consórcio de bancos que emprestarão o dinheiro ao Governo do Estado, algo que ainda levará tempo para se formalizar. Para entristecer ainda mais o funcionalismo, ao invés de o Governo Federal emprestar o dinheiro para um estado governado por um membro de seu partido, o PMDB, o presidente Michel Temer já liberou R$ 4,1 bilhões em emendas parlamentares comprando votos de deputados para rejeitarem a denúncia da Procuradoria-Geral da República (PGR), que poderá leva-lo a perdeu o mandato. Enfim, depois disso tudo alguém poderia nos informar quando aquela senhora conseguirá registrar  o seu BO e também a segunda via de sua CNH?

24 de julho de 2017

O Governo aumenta impostos e o povo paga compra de votos

Tem total razão o presidente Michel Temer quando afirma que seu governo severidade o dinheiro proveniente dos impostos que pagamos. A severidade fica comprovada com o castigo que nos é aplicado, quando utilizada os dinheiro que nos tomou à força e distribui entre os parlamentares que votem de acordo com os seus interesses. Temer tem a chave do cofre do Tesouro Nacional e distribui o dinheiro público do modo que bem quiser, como agora ao promover uma gigante compra de votos na tentativa de manter-se no cargo, apesar de envolvidos em suspeitas de corrupção, além de diariamente questionado pela imprensa e ser detentor de um dos mais altos índices de rejeição popular da história recente do país. Enquanto gasta milhões de reais liberando dinheiro de emendas parlamentares e autorizando obras nos redutos dos que se comprometem a votar contra o seu impeachment, o presidente Temer pouco se importa com o povo, que recebe a notícia de que vem aí mais aumento de impostos – já começou com o dos combustíveis que provocará aumento de preços e da inflação – e que há carência de atendimento médico e, pior ainda, falta dinheiro para a Segurança Pública, com a criminalidade aumentando assustadoramente;

Hoje tomamos conhecimento de que uma grande arma de combate ao crime organizado, anunciada pelo então presidente Lula, que era a aquisição de 14 veículos aéreos não tripulados (vants), uma espécie de drone de grande porte, nenhum deles levanta voo desde fevereiro do ano passado. Os dois únicos que foram comprados por cerca de US$ 28 milhões estão cheios de poeira e praticamente desmontados num hangar em São Miguel do Iguaçu, no Paraná, já tendo consumido R$ 145 milhões para nada. Os vants seriam utilizados de vários modos monitorando fronteiras, vias alternativas de carregamento de drogas e outros serviços de melhor combate ao tráfico que provoca tanta violência. Infelizmente, assim que nossos governantes tratam o povo que os elege e sustenta. Este é mais um motivo para os eleitores prestarem atenção quando apertarem a tecla verde “Confirma” da urna eletrônica nas eleições e 2018.

22 de julho de 2017

Desde quando no Brasil milionário vai passar fome, Lula?

Milhares de pessoas, talvez milhões, estão tendo crise de riso com os advogados do ex-presidente Lula declarando que o bloqueio dos bens do líder petista – imóveis, veículos de luxo importados e milhões de reais – decretado pelo juiz Sérgio Moro na Operação Lava-Jato – prejudicam  a subsistência de seu cliente e a de seus familiares. Vamos ponderar. Lula é viúvo, seus filhos são maiores de idade e possuem renda própria (tem até um que é empresário de grande porte). Ele não corre risco sequer de ser despejado, visto que pode continuar morando onde reside, só não pode vendê-lo. Para viajar pelo Brasil e pelo mundo o PT garante o transporte e tem amigos que emprestam jatinhos. Lula recebe vários salários como ex-presidente, como preso político, além de ser aposentado pelo INSS. Onde está este alegado comprometimento de subsistência? E mais, o mesmo tipo de bloqueio aconteceu com outros envolvidos na Lava-Jato e que estavam na mesma situação de Lula, comprovando que Sérgio Moro não discriminou o presidente de honra do PT, comprovando que a Justiça é igual para todos e que nem Lula nem mais ninguém está acima da Lei. O ex-presidente Lula adora se apresentar como vítima. Desta vez ele alega pobreza, mas é difícil aceitar que seja pobre quem só usa roupas de grifes famosas e caras, calça sapatos italianos, tem uma adega cheia de garrafas de vinhos com rótulos nobres, como uma Cháteau Petrus, que custa cerca de R$ 10 mil, e que quando tem qualquer problema de saúde recebe tratamento no Hospital Sírio Libanês, e não na rede do SUS para vão seus fanáticos seguidores. Quem depois de oito anos no exercício da Presidência da República contrata dois planos de previdência privada no valor de R$ 9 milhões certamente não vai nunca passar fome, uma vez que faz parte da “zelite” que ele tanto apregoava naquela célebre distinção de classes, o “vocês contra eles”. Conta outra, Lula, porque esta piada até que nos fez rir.

21 de julho de 2017

Michel Temer e Pezão não se importam com a segurança no RJ

O presidente Michel Temer está sendo bastante ingrato com o Rio de Janeiro, um estado que mais colaborou para que esteja hoje no cargo. Afinal, quem votou em Dilma Rousseff em 2014 também votou nele para vice-presidente. Por mais que os petistas aleguem que Temer não teve votos, quando o número 13 era digitado aparecia na tela da urna eletrônica o rosto e o nome dele, e quando a tecla verde “confirma” era acionada, eles estavam votando em Temer. E onde está a ingratidão do presidente da República? Está no total descaso com a segurança dos cidadãos do Estado. O orçamento da União prevê para o exercício de 2017 uma dotação de R$ 40 milhões para o combate à criminalidade, mas passados que sete meses do ano foram repassados apenas R$ 503 mil – é isso mesmo, meio milhão de reais –, significando 1,2% do valor previsto. E tem mais. O governador Pezão até hoje não utilizou nem esta “merreca” num momento. Ele já demonstrou que pouco está se importando com a segurança do povo que governa quando se compara a dotação orçamentária para combate à criminalidade em 2014 era de R$ 277 milhões e 400 mil com a do corrente exercício, orçada em R$ 74 milhões e 200 mil. Isso quando o crescimento da violência cresce assustadoramente com as pessoas passando a ter medo de sair pelo risco de assaltos e até assassinatos. Quase 90 policiais já foram executados nos primeiros sete meses do ano. Além de mal remunerados, os policiais do Rio de Janeiro enfrentam os bandidos com as armas de pouca qualidade, eles com armamento de última geração;

Espantoso é que ainda temos que assistir um espetáculo ridículo do governador Pezão anunciando o presidente Michel Temer autorizara o envio de soldados da Força Nacional de Segurança para reforçar a segurança principalmente da Capital do Estado. Ele estava tão por fora do que acontece no seu governo, que não sabia que o reforço já está no Rio há vários dias. Nada está tão ruim que não possa piorar. O presidente Michel Temer gastou milhões de reais comprando votos de deputados na Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) daquela Casa Legislativa para livrá-lo da abertura da apreciação pelo plenário da denúncia da Procuradoria-Geral da República (PGR) de corrupção passiva e lavagem de dinheiro. Certamente serão muitos mais milhões de reais. que poderiam ser destinados à segurança dos cidadãos fluminenses.

20 de julho de 2017

Servidores do RJ: sofrimento está longe de acabar

Não dá para alguém imaginar como está a cabeça de um servidor público do Rio de Janeiro que ainda não recebeu seu salário de maio - o governador Pezão depositou na sua conta um "vale" de 550 reais -, passa a noite ao relento curtindo uma temperatura das mais baixas dos últimos tempos para tentar receber a doação uma pequena cesta básica, e ainda fica sabendo que o secretário de Fazenda está nos Estados Unidos, em viagem particular por tempo indeterminado. Aí uma outra notícia informa que Pezão suspendeu sua temporada num spa de luxo em Penedo para ir a Brasília, chamado pelo presidente Michel Temer para uma reunião. Resta saber se tal encontro tem a ver com os possíveis recursos para colocar os salários dos servidores em dia ou será para negociar votos para livrar o presidente de um impeachment. Convém lembrar que além do restante do salário de maio ainda faltam os de junho e o décimo terceiro salário de 2016, e daqui a pouco mais de dez dias vence também o de julho. É aconselhável que o coitado do servidor não ligue a TV para que não piore sua cabeça, pois além do farto noticiário sobre corrupção dos políticos ele tomará conhecimento de que a União e o Estado fizeram cortes drásticos de verbas para a Segurança, e que ele corre o risco de ser assaltado e até assassinado se for dar uma volta na rua tentando esfriar a cabeça. E ficando em casa, ela também pode ser invadida. Tá feia a situação.

Malandragem dos políticos contamina o futebol

A maior paixão dos brasileiros, o futebol, sofre influência dos políticos, para os quais a malandragem está sempre sendo utilizada. Infelizmente, jogadores, técnicos e também árbitros colaboram para estragar um espetáculo que leva milhares de torcedores. Hoje, nos estádios, os jogadores cometem faltas violentas, visíveis claramente não só pela plateia, mas por milhões de pessoas pela TV, que dispõe de inúmeras câmeras espalhadas no estádio. O faltoso aparenta não ter feito nada, e parte para cima do árbitro para reclamar, mesmo com o colega agredido recebendo atendimento médico. Na beira de campo, muitos técnicos fazem a mesma coisa. É para piorar, os árbitros não reagem contra as reclamações, e também fazem vista grossa quanto a violência em campo. Mas, tudo isso tem uma razão de ser: o mundo do futebol copia o que assiste no dia a dia, pois sabe que a malandragem sempre traz resultados em benefício deles.

Dilma e Temer 'fazem o diabo' com o Brasil

"Feliz a nação cujo Deus é o Senhor", diz Salmo 33:12. Infelizmente, tal felicidade não está sendo observada no Brasil, em especial pelos dois últimos presidentes. Quando anunciou que iria concorrer à reeleição, quebrando o trato que tinha com Lula de abrir espaço para ele tentar ficar mais oito anos no cargo, a ex-presidente Dilma Rousseff disse que "faria o diabo" para vencer. Agora, para tentar salvar seu mandato, o presidente Michel Temer está "fazendo o diabo" ao gastar milhões de reais comprando votos de deputados para tentar livrá-lo da abertura da apreciação da denúncia da Procuradoria-Geral da República (PGR) de corrupção passiva e lavagem de dinheiro. Assim, fica difícil o país se livrar de tanta desgraça. Deus castiga a nação de que Ele não seja o Senhor.

17 de julho de 2017

Dilma gasta viajando três vezes mais que os demais ex-presidentes

A maioria dos brasileiros não sabe que sustenta os gastos de ex-presidentes da República, mesmo que algum deles tenham metido a mão em dinheiro do Tesouro Nacional. Com certeza vai ficar mais admirado quando souber que a ex-presidente Dilma gastou mais de R$ 520 mil em 2017 com assessores em viagens pelo mundo para contestar e chamar de golpe o seu impeachment, valor que significa o triplo do que gastaram juntos os seus antecessores. Quando deixa a Presidência da República, o presidente que sai não perde parte dos privilégios do cargo. Em 2011, na saída de Lila, passaram a ser cinco os beneficiários pela medida: José Sarney, Fernando Collor, Itamar Franco, Fernando Henrique Cardoso e o próprio Lula. Cada um deles têm à sua disposição quatro servidores para atividades de segurança e apoio pessoal, dois veículos oficiais com motoristas, e, ainda, outros dois assessores pessoais. Pela mesma lei, um ex-presidente tem o direito de escolher qualquer pessoa para integrar o seu quadro de funcionários em cargo de comissão e decidir se os motoristas e seguranças andarão armados. Pela remuneração atual, os salários dos empregados dos antigos ocupantes do Palácio do Planalto, custeados pela Casa Civil, vão de R$ 2.100,00 a R$ 8.900,00. Apenas com o gasto em salários de seus oito servidores, um ex-presidente custa mensalmente R$ 40.800,00 mil aos cofres públicos. Em um ano, o pagamento dessas despesas – fora a manutenção e o combustível dos carros – chega a R$ 489.600,00 mil;
Pra que se tenha uma ideia deste absurdo, nos Estados Unidos, além de verba para gastos com a transição, ex-presidentes recebem fundos para a instalação de um escritório, que podem chegar a US$ 150 mil anuais (cerca de R$ 520 mil), e US$ 1 milhão (aproximadamente R$ 3,5 milhões) anuais, destinados a viagens internacionais relacionadas à condição de representante do governo americano. Ex-presidentes recebem uma pensão anual superior a US$ 200 mil, que é transmitida para a família, em caso de morte. Há casos de altruísmo, com o da viúva de Ronald Regan, Nancy, que abriu mão da pensão presidencial. Ex-presidentes têm direito a proteção do serviço secreto americano até o fim de suas vidas. Embora não haja uma lei específica para antigos presidentes, aqueles com mais de cinco anos de serviços prestados ao governo se qualificam para os benefícios de saúde dos empregados federais (presidentes de um único mandato estão excluídos). Eles têm ainda direito a um funeral com honras militares.

Condenação de Lula não é motivo para espantar ninguém

Por que tanto espanto com a condenação de Lula? Por tudo que tem sido divulgado nos últimos tempos, ela era mais que esperada e desejada por aqueles que são vítimas dos descalabros administrativos e das falcatruas cometidas por ele durante dois mandatos de presidente da República e mais dois anos de Dilma Rousseff, o “poste” que ele indicou como a grande “gerentona” para substitui-lo, mas que entre outras coisas conseguiu levar o Brasil a viver crises econômica, política, social e moral nunca antes vistas no país e que provocou o desemprego de 14 milhões de pessoas, tudo isso sob o comando de Lula, mesmo fora da Presidência. O que não pode acontecer é o esquecimento disso tudo. E tem mais o detalhe de que este é apenas um dos cinco processos pelos quais ele ainda responde. Foram 13 anos de institucionalização da corrupção. Tentando se mostrar como vítima do juiz Sérgio Moro, o ex-presidente e seus advogados sempre repetem que Lula é perseguido pelo magistrado que comanda a Operação Lava-Jato, que o condenou à revelia, mesmo com o juiz demonstrando numa sentença com cerca de 200 páginas a existência de provas documentais, testemunhais e periciais. Em sã consciência, não dá para acreditar que Sérgio Moro daria uma sentença tão rigorosa condenando uma figura conhecida em todo o mundo sem ter segurança de que seu trabalho possa ser anulado por motivo de tantos erros. Certamente ele se preparou para os recursos que os advogados de Lula certamente darão entrada no Tribunal Regional Federal da 4ª Região (TRF-4). Daí o seu cuidado para que somente após o pronunciamento do colegiado o ex-presidente Lula mude de residência, saindo de seu apartamento – será que é mesmo dele? – em São Bernardo para uma cela em Curitiba.