Comentários sobre política brasileira e outros temas polêmicos

Comentários sobre política brasileira e outros temas polêmicos

31 de julho de 2009

Lula puxa tapete de Sarney, mas, de que vale o Conselho de de Ética?

  • Pelo menos 70% dos membros do Conselho de Ética do Senado são alvo de inquéritos autorizados pelo Supremo Tribunal Federal, réus em ações penais e envolvimento com nepotismo ou atos secretos nos últimos anos, informa, o blog "Resistência Democrática", que tem como endereço http://resistenciademocraticabr.blogspot.com/, e baseado em notícia do “Estado de São Paulo”. Caberá a esses senadores, de vários partidos, avaliar na próxima terça-feira os pedidos de abertura de processo de cassação contra o presidente José Sarney (PMDB-AP);
  • Na tropa de choque do PMDB, por exemplo, os quatro titulares – Wellington Salgado (MG), Gilvan Borges (AP), Paulo Duque (RJ) e Almeida Lima (SE) – têm alguma ligação com nepotismo, ato secreto ou investigação externa. Entre os 14 suplentes do Conselho, 10 empregaram parentes, assinaram atos secretos e são alvo de inquérito;
  • Muita gente está espantada com a última declaração de Lula com relação aos problemas com o presidente do Senado Federal, José Sarney (PMDB-AP). O presidente afirmou, nesta quinta-feira, que não cabe a ele decidir sobre a permanência do presidente no cargo;
  • “Não é problema meu. Eu não votei para eleger Sarney presidente do Senado, nem votei para ele ser senador no Maranhão, nem votei no Temer, nem votei no Arthur Virgílio, não votei para ninguém. Votei nos senadores de São Paulo. Quem tem que decidir se ele continua presidente do Senado é o Senado, não sou eu", afirmou Lula, talvez não sabendo que Sarney é senador pelo Amapá, onde também é uma espécie de "coronel" da antiga, e não pelo Maranhão, onde também "reina" absoluto;
  • Mesmo com Lula retirando a escada e deixando Sarney com o pincel na mão, vai ser difícil o presidente do Senado perder o cargo, a não ser por sua prória iniciativa. Os governistas, no entanto, vão fazer de tudo para não prejudicar a aliança com o PMDB, pois estão focados no apoio deste partido à candidata de Lula em 2010. Também não querem que Sarney se afaste da Presidência do Senado nem por um minuto, porque acham que o 1º vice-presidente da Casa, Marconi Perello (PSDB-GO), ao chegar à titularidade vai desengavetar e colocar em pauta projetos que o Governo não quer ver aprovados de modo algum;
  • Além do mais, com esse "time" escalado pelo "técnico" Renan Calheiros (PMBD-AL) não há nenhuma possibilidade de Sarney ter seu mandato, tanto de presidente do Senado como o de Senador, ser cassado;
  • Já o afastamento de Lula no caso é reflexo de uma pesquisa mostrando que considerável número de entrevistados não concordam com o posicionamento de Lula e de sua candidata à sucessão de apoio ao presidente do Senado e, por conseguinte, com as falcatruas que, como bem disse o humorista José Simão, parecem com lenço de papel: puxa-se um, e saem pelo menos mais uns três.

28 de julho de 2009

Renan ameaça Virgílio se ele tentar atingir Sarney

  • O líder do PSDB no Senado, Arthur Virgílio (AM), anunciou há alguns dias que o seu partido iria apresentar uma representação por quebra de decoro no Conselho de Ética contra o presidente da Casa, José Sarney (PMDB-AP). A decisão foi adotada por Virgílio depois de uma conversa com o presidente da sigla, senador Sérgio Guerra (PSDB-PE). O PSDB é o segundo partido a anunciar uma representação contra Sarney;
  • Em compensação, o líder do PMDB no Senado, Renan Calheiros (AL) já avisou a Arthur Virgílio: se houver representação do PSDB contra o presidente do Senado, José Sarney (PMDB-AP), haverá uma do PMDB contra ele. Renan disse: “Infelizmente, terá de haver reciprocidade”. O presidente do PSDB, senador Sérgio Guerra (PE), confirmou que o partido vai apresentar uma representação contra Sarney no Conselho de Ética.
  • ONDE ESTÁ A MORAL DO PRESIDENTE DO CONSELHO?
  • No meio dessas ameaças, descobriu-se que um assessor do presidente do Conselho de Ética do Senado, Paulo Duque (PMDB-RJ), foi transferido do gabinete do parlamentar para o Conselho de Ética há mais de oito meses, com um salário de R$ 5 mil. Acontece que o advogado Luiz Eustáquio Diniz Martins mora no Rio de Janeiro e não cumpre expediente no Conselho. E, pior, é que ninguém do Conselho de Ética disse conhecer Eustáquio Martins;
  • Pergunta-se agora o seguinte: será que não há nada demais nos últimos fatos fartamente relatados pela imprensa com relação a Sarney? E se Arthur Virgílio tem atos irregulares e ilegais praticados, somente serão apurados se ele resolver incomodar Sarney? Parece que todos estão "se lixando" para o povo (o contribuinte), valendo tudo para Lula tentar eleger sua sucessora;
  • No comando disso tudo está o Presidente da República, antigo arauto da moralidade pública, que hoje só pensa na sua manutenção no Poder, mesmo que indiretamente, visto que se eleger um "poste", certamente ele continuaria no comando do País. Sua insistente defesa de Sarney é mais do que uma prova de sua obsessão pela aliança com o PMDB mais fisiologista de todos tempos com vistas ás eleições do ano que vem, mesmo que o custo seja uma briga com o próprio PT.

24 de julho de 2009

Conselho das Arábias


"O visitante Wagner sugeriu ontem que se apresentassem aqui os integrantes do Conselho de Ética e Decoro Parlamentar do Senado. Boa idéia. Aí vão eles. "O passeio é instrutivo.
"O Conselho é formado por 15 membros titulares e mais o corregedor da Casa, que é membro nato. Os 15 titulares têm, cada qual, um suplente.
"Até ontem, restavam vagos um posto de titular e um de suplente.
"Assim, no total, 29 senadores integravam o Conselho até ontem à noite.
"Eles estão na tabela abaixo. Clicando-se sobre os nomes deles é-se levado às suas fichas no projeto Excelências, da Transparência Brasil, onde os detalhes das informações sumarizadas depois da tabela podem ser examinados.

Titulares / Suplentes


Almeida Lima (PMDB/SE) / Romero Jucá (PMDB/RR)A
ntonio Carlos Valadares (PSB/SE) / Delcídio Amaral (PT/MS)
Demóstenes Torres (DEM/GO) / Antonio Carlos Júnior (DEM/BA)
Eliseu Resende (DEM/MG) / Maria do Carmo Alves (DEM/SE)
Gilvam Borges (PMDB/AP) / Mão Santa (PMDB/PI)
Gim Argello (PTB/DF) / João Vicente Claudino PTB/PI)
Heráclito Fortes (DEM/PI) / Rosalba Ciarlini (DEM/RN)
Inácio Arruda (PC do B/CE) / Augusto Botelho (PT/RR)
João Durval (PDT/BA) / Jefferson Praia (PDT/AM)
João Pedro (PT/AM) / Ideli Salvati (PT/SC)
Marisa Serrano (PSDB/MS) / Arthur Virgílio (PSDB/AM)
Paulo Duque, presidente (PMDB/RJ) / Lobão Filho (PMDB/MA)
Romeu Tuma (PTB/SP), corregedor / Não tem
Sérgio Guerra (PSDB/PE) / Vago
PT (Vago) / Eduardo Suplicy (PT/SP)
Wellington Salgado de Oliveira (PMDB/MG) / Valdir Raupp (PMDB/RO)
"No Excelências recolhem-se inúmeros dados sobre os parlamentares. Para este resumo examinaram-se cinco famílias. Alguns senadores emplacam duas, três, quatro e até as cinco famílias:
"Empregaram parentes seus ou de outros políticos no Senado (10): Almeida Lima, Antonio Carlos Valadares, Eliseu Resende, Gilvam Borges, Mão Santa, Heráclito Fortes, Rosalba Ciarlini, Augusto Botelho, Lobão Filho, Valdir Raupp.
Usaram indevidamente facilidades do Senado (2): João Pedro, Eduardo Suplicy.
"Teriam sido beneficiados por atos secretos (10): Delcídio Amaral, Demóstenes Torres, Antonio Carlos Junior, Maria do Carmo Alves, Gilvam Borges, Augusto Botelho, Arthur Virgílio, Lobão Filho, Wellington Salgado de Oliveira, Valdir Raupp.
"Apresentam ocorrências na Justiça ou Tribunais de Contas (10): Romero Jucá, Maria do Carmo Alves, Mão Santa, Gim Argello, João Vicente Claudino, Rosalba Ciarlini, Inácio Arruda, Lobão Filho, Wellington Salgado de Oliveira, Valdir Raupp.
"Suplentes (ou seja, não receberam um único voto - 6): Antonio Carlos Junior (na vaga de seu pai, Antonio Carlos Magalhães, morto em 2007), Jefferson Praia (de Jefferson Peres, morto em 2008), João Pedro (de Alfredo Nascimento, ministro dos Transportes), Paulo Duque (na vaga de Regis Fichtner, nomeado chefe do Gabinete Civil do governo do Rio de Janeiro, que, por sua vez, era suplente de Sérgio Cabral, eleito governador em 2006), Lobão Filho (de Edison Lobão, seu pai, ministro de Minas e Energia), Wellington Salgado de Oliveira (de Helio Costa, ministro das Comunicações), Gim Argello (de Joaquim Roriz, que renunciou para não ser cassado).
"Desse modo, apenas quatro senadores não estão em alguma dessas categorias: Ideli Salvati, Marisa Serrano, Romeu Tuma, Sérgio Guerra.
"Será que é preciso dizer mais a respeito do que se pode esperar desse Conselho?"
  • Realmente, não há o que esperar desse Conselho fajuto, que só tem por objetivo proteger quem tenha cometido falcatruas e que seja protegido de Lula e por ele defendido, mesmo que as evidências sejam clarrísimas, como o caso das gravações com Sarney cuidando de arranjar um emprego para o playboy namorado de sua neta.

Fatos mostram que a corrupção sob Lula nivela Brasil a uma republiqueta banana


"Há um axioma de que a corrupção e o nepotismo existem no Brasil desde que Pedro Álvares Cabral aportou por aqui. Essa verdade tem hoje desdobramentos. Graves. No futuro, esse axioma será ainda mais contundente. Porque, nunca na história deste país a corrupção e o nepotismo alcançaram o escandaloso nível registrado no governo Luiz Inácio Lula da Silva.

"A promiscuidade na administração pública, sob Lula, é algo só encontrado nas republicas bananeiras. Roteiro para um filme de Woody Allen.

"O mensalão construído no Palácio do Planalto, em plena Casa Civil, por José Dirceu, os dossiês forjados, também na Casa Civil, pela equipe da “doutora” Dilma Rousseff, a falsificação de diplomas pela mesma Dilma Rousseff, o enriquecimento espetacular de Lulinha, filho “genial” de Lula, a quebra de sigilo bancário de “um simples caseiro”, cujo principal acusado é o, notem, ex-ministro da Fazenda Antonio Palocci, a farra com o cartão corporativo, tudo isso é inimaginável num país decente.

"Mas, falar em decência num país comandado por Lula é como exigir ética a um traficante. Embora os verdadeiros mafiosos tenham lá a sua ética, como escreveu admiravelmente Mário Puzo, na obra transformada em lenda do cinema por Francis Ford Coppola, através de Marlon Brando, Al Pacino e Robert De Niro.

"A indecência lulista é coisa de máfia de republiqueta banana.

"Lula defende, sem constrangimento, notórios pulhas, quando estes são flagrados com a mão na massa. A máfia sacrifica em nome da ética e dos negócios aqueles que se deixam apanhar ou que traem os “princípios da família”. Lula agride quem condena a bandalheira. Protege o bandido e estimula a impunidade. Talvez, num gesto de sobrevivência. Afinal, tudo indica que o presidente da República é refém dos companheiros.

"No seu primarismo e cinismo habituais, Lula alega desconhecer as falcatruas de seus auxiliares. É sintomático que os mais próximos assessores do presidente da República tenham sido expelidos da administração pública e mesmo da direção do PT por corrupção.

"Debochado, Lula chega ao acinte de chorar enquanto faz juras de que os companheiros são inocentes. E diz que as elites são preconceituosas e que a mídia o persegue. Numa afronta aos fatos.

"Destemperado, Lula acusa a Polícia Federal, o Ministério Público e até o Supremo Tribunal Federal de perseguir os seus aliados. Em verdade, essas instituições falham ao isentar Lula de responsabilidade quanto aos crimes que os seus parceiros cometem. Afinal, quem montou a quadrilha no governo foi Lula. Por mais estúpido que possa parecer, o presidente da República não pode desconhecer o que fazem amigos íntimos. Amigos que freqüentam a sua casa há décadas e nos últimos anos transitam pelo Palácio do Planalto e pelo governo com uma “leveza” indisfarçável.

"Nem Woody Allen teria coragem de, conhecendo o roteiro do governo Lula, encerrar o filme escalando a “doutora” Dilma para substituir Lula.

"Afinal, Allen já estaria sabendo que ninguém compraria um carro usado pela “doutora” Dilma.

"A máfia descrita por Puzo pauta os seus movimentos pela ética. Ética da máfia. Mas é uma ética.

"O lulismo é aético".

  • Com ou sem permissão do deputado Aleluia, estou assinando o texto dele, por concordar inteiramente com o mesmo.

22 de julho de 2009

A razão do medo da CPI da Petrobras

Qual a razão de tanta mobilização do Governo para bloquear a CPI da Petrobras? Desde Lula até o militante petista mais radical, a alegação é que a CPI é um cenário para a Oposição fazer palanque com vistas às eleições do ano que vem. Dizem até que o objetivo da mesma é denegrir a imagem da Petrobras para justificar sua privatização, se o candidato apoiado pelos partidos oposicionistas (PSDB e Demo) chegar à Presidência da República. Tudo isso, em busca do fortalecimento da candidata que Lula impôs ao PT;

O mais recente episódio que justifica a apuração do que anda fazendo a administração da Petrobras é o caso das empresas fantasmas que receberam mais de R$ 8 milhões a empresas que são "localizadas" em endereços falsos. Elas são cadastradas na Receita Federal com endereços residenciais de quem não têm nada a ver com elas. Num outro endereço, o que existe é um canil com algumas dezenas de cachorros, e - vamos chamar assim - um "gatil" com cerca de 200 bichanos residentes;


É de se estranhar, por exemplo, que o morador de um dos endereços onde consta a existência de duas das empresas nunca tenha recebido qualquer notificação da Receita sobre a movimentação dos milhões de reais recebidos da Petrobras. É que empresas de produção teatral e artísticas foram remuneradas pela “intocável" por serviços tanto de delimitação de águas marinhas como gestão do Programa Nacional de Atividades Nucleares;

Só um cego ou petista fanático (seria isso uma redundância?) não vê que essa sofreguidão por esconder de qualquer tipo de investigação a administração da Petrobras nada mais é que impedir que a opinião pública tome conhecimento das falcatruas, maracutaias e outras "traquinagens" praticadas em nome da "governabilidade".

20 de julho de 2009

Mais dinheiro escorre da Petrobras

Há várias explicações para o fato do Governo não querer que a CPI da Petrobras funcione e apure as denúncias que surgem a cada dia. Está mais do que comprovado que nossa maior empresa estatal foi transformada num sorvedouro de dinheiro com fins eleitoreiros. Por isso a total mobilização para que nada seja revelado e o Governo veja ruir por terra seu projeto de longevidade no Poder, o que se consolidaria com a eleição da candidata de Lula;

Vindo ela a se eleger pendurada no prestígio que se diz Lula ser possuidor, poderia ele manipulá-la e até tentar reelegê-la para mais quatro anos. Depois disso Lula tentaria sucedê-la para tentar mais dois mandatos. Aí seriam pelo menos 24 anos dominando a caneta que nomeia e libera verbas. Sendo assim, a começar pelo apoio às falcatruas de Sarney & família e consequente apoio do PMDB, ao qual o PT oferece a vaga de vice-presidente;

Hoje mesmo aparece no noticiário mais uma denúncia com relação à Petrobras. A empresa Guanumbi Promoções e Eventos recebeu R$ 3 milhões e 700 mil da Petrobras em 49 contratos no ano passado e ainda foi beneficiada com R$ 395 mil e 400 pela realização de serviços em ações do Governo, distribuídos pela Presidência da República e mais oito ministérios;

Acontece que no cadastro da Receita Federal, tem no mesmo endereço da Guanumbi uma outra empresa, a R.A. Brandão Produções Artísticas, que recebeu R$ 48 mil de dois ministérios e que ainda teria recebido R$ 4 milhões e 500 mil da Petrobras no ano passado. Convém ressaltar que a Guanumbi consta na Receita Federal como empresa de produção teatral. A revista "Veja" relaciona ainda outros ganhos estranhos auferidos pelas duas empresas;

Mas o pior da denúncia em questão é que as duas empresas têm como endereço a Estrada do Guanumbi, nº 628, em Jacarepaguá, no Rio de Janeiro. Lá reside com sua família um funcionário dos Correios, SOBRINHO DO TITULAR DESTE BLOG, que desconhece a existência dessas empresas;

Alguém ainda tem dúvidas sobre a frenética mobilização da "tropa de choque" do Governo comandada por Renan Calheiros (que tem Collor como auxiliar direto) em montar uma CPI blindando a Petrobras, além do esforço de jogar para a opinião pública a ideia de que a Oposição quer arrasar com a estatal para depois privatizá-la? Tudo não passa de instinto de defesa para garantir uma excelente fonte de renda para a turma da casa.

19 de julho de 2009

Políticos debocham do eleitor


Está sendo revoltante o comportamento dos políticos brasileiros na medida em que tomam atitudes que podem ser consideradas como verdadeiros deboches, a começar pelo presidente Lula, ciente do estranho índice de aprovação na faixa de 80%. Ele anda dando declarações de apoio a pessoas e atos que não são aprovados por pessoas de bem. Seu recente posicionamento em defesa do senador José Sarney, cuja família está envolvida numa série de coisas espúrias, enquanto ele é responsável por grande número de coisas erradas que aconteceram e ainda acontecem no Senado Federal;

Lula vem à frente dessa fase de deterioração da classe política, pois o que os demais políticos vêm fazendo é por conta da necessidade que Lula tem de ter o PMDB apoiando sua candidata a presidente da República, além dos outros partidos de sua "base aliada". Para conseguir tal apoio, Lula não se envergonha até de se aliar a Renan Calheiros e Fernando Collor, nem de estimular a indicação de parlamentares sob seu domínio para presidirem o Conselho de Ética do Senado e a CPI da Petrobras;

Tudo o que os políticos andam fazendo ultimamente, sem nenhum pudor, é uma aposta na tradicional falta de memória do brasileiro. Certamente têm certeza de que no ano que vem o eleitorado terá se esquecido de tudo o que hoje está sendo divulgado. Com isso, poderão deixar o resto descoberto e pedir votos na eleição de 2010;

A nós cabe não deixar que tudo isso de errado que hoje se divulga não seja apagado no ano que vem. Temos que usar todas as armas que tivermos para chamar a atenção dos eleitores. Está mais do que na hora de promovermos uma bruta renovação dos quadros políticos no Brasil, a partir da ideia de que não devemos votar em quem já tem mandato. Vamos fazer uma depuração de políticos em 2010.

18 de julho de 2009

Mais um que "se lixa" para a opinião pública

Voltamos a destacar algumas cartas de leitores revoltados contra determinados fatos políticos publicados na imprensa. Hoje, em "O Globo", diversos leitores escreveram sobre mais um parlamentar que "se lixa para o povo". Dessa vez, é o senador Paulo Duque, o suplente do suplente do ex-senador Sergio Cabral, que renunciou para assumir o cargo de governador do Estado do Rio de Janeiro e ainda levou seu primeiro suplente para uma Secretaria de Estado. Eis o que dizem alguns deles, todos do Rio de Janeiro:

"...ao assumir a presidência da Comissão de Ética, afirmou não dar importância à opinião pública e que fará o que for preciso para livrar o presidente da Casa, José Sarney, das quatro acusações apresentadas contra ele. Com tais declarações, o político veterano no Rio de Janeiro, agrediu a sociedade e esbofeteou a lógica. Pois, como presidente de uma investigação, não poderia transformar-se ao mesmo tempo em juiz e parte, antecipando sua decisão sem sequer examinar o conteúdo do processo". (Francisco Pedro do Coutto);

"O presidente do Conselho de Ética, Paulo Duque, parece não ter o mínimo de ética e respeito aos contribuintes, pois, conforme falou, pouco se importa com a opinião pública. E demonstra claramente a que veio: não ter compromissos em julgar seus comparsas. Está chegando a hora de se dar uma basta a esta situação espúria e aviltante". (Marcos Senna);

"Como pode um suplente do suplente de ficou dois anos no anonimato desmerecer tão descaradamente a opinião de milhares de eleitores brasileiros^Se queria alguns minutos de fama, já os teve, pois através dessas bobagens vomitadas perante microfones e holofotes é que soubemos que existia um senador com esse nome". (Deborah Farah);

"A escolha do senador Paulo Duque para o Conselho de Ética foi uma trama muito bem orquestrada pelo governo e seus capangas da tropa de choque. Um senador que já se encontrava no ostracismo, justamente por trair o povo de seu estado, no alto de seus 81 anos, eleito para o cargo sem um voto sequer do povo, realmente não tem qualquer compromisso com os eleitores". (Erich Carvalho);

"O novo presidente do Conselho de Ética, Paulo Duque (PMDB-RJ), disse que não dá a mínima importância às cobranças da opinião pública, pois essa seria formada por quem lê jornais. Duque tem toda razão. A opinião que importa ao escudeiro de plantão e seus mentores é a do enorme batalhão que tem boquinha garantida neste governo e justamente daqueles que nada leem, massa fácil de manobra de quem tem o poder e nenhum constrangimento em fazer políticas puramente assistencialistas". (João Pedro Rodrigues);

"Infelizmente, para o sr. Paulo Duque, os jornais não estão acabando. Por meiodeles continuaremos a saber das falcatruas desses velhacos, que ele faz tanta questão de defender. Pela sua idade, era para ele ter mais compromisso com a verdade, a decência e a legalidade. Infelizmente, essa são qualidades que inexistem nos mais de 300 picaretas, também reconhecidos, tardiamente, pelo sr. Lula como pizzaiolos. Que a imprensa continue a denunciar essas pessoas que precisam sumir da vida publica para o bem do Brasil". (Sergio José Nascimento Assumpção);

"Quando o presidente do Conselho de Ética declara, publicamente, que está se lixando para a opinião pública, podemos decretar a falência deste Conselho de Ética, que deveria dar o exemplo. Eles se esquecem que só exercem os seus cargos por causa das pessoas para as quais eles estão lixando". (Dirce Corrêa de Lima);

"Senhor parlamentar, o senhor está mal informado ao afirmar que o jornal está acabando. O que já acabou, e há muito tempo, é a vergonha de governantes e parlamentares corruptos do país". (Rosangela Gavinho);

Essas cartas são uma pequena demonstração do que anda pensado a opinião pública sobre os políticos de um modo geral. Aqueles que vão buscar votos no ano que vem podem se preparar para desagradáveis surpresas. Como depois das urnas eletrônicas não há mais condições para o voto nulo declarado, não há mais possibilidade de se votar no rinoceronte Cacareco, como já ocorreu em São Paulo. Mas tanto os que "se lixam" para o eleitor como os bons políticos devem ficar atentos, pois poderão ser pegos por uma enxurrada de votos nulos e em branco, pois a revolta cresce a cada dia.

17 de julho de 2009

Afinal, quem são os pizzaiolos do Senado?

Saiu hoje na Folha Online:

A Contratuh (Confederação Nacional dos Trabalhadores em Turismo e Hospitalidade) e o Sinthoresp (Sindicato dos Trabalhadores de Hotéis, Bares, Restaurantes e Similares) querem que o presidente Luiz Inácio Lula da Silva peça desculpas por usar de forma "pejorativa e depreciativa" a profissão de pizzaiolo. O ofício foi protocolado nesta sexta-feira e inclui o senador Cristovam Buarque (PDT-DF), que também fez comparações incluindo os pizzaiolos. Na última quarta-feira (15), questionado se a CPI da Petrobras acabaria "em pizza temperada com pré-sal", Lula criticou os senadores da oposição que trabalham para que a comissão parlamentar pegue fogo: "Todos eles são bons pizzaiolos".

Lula parece que mais uma vez extrapolou. Sua frase "Todos eles são bons pizzaiolos" generaliza e enquadra todo o Senado Federal, na interpretação de muitos. Ele não se importou de destacar que poderiam ser os contrários ao seu Governo e que querem investigar a Petrobras na CPI. Houve, é lógico, reação por parte de alguns senadores, que se sentiram ofendidos com a declaração de Lula;

Na realidade, Lula desta vez acertou bastante na sua comparação. Há um forte grupo de senadores que estão pais para pizzaiolos, pois integram a chamada "tropa de choque do Renan". Na CPI, dos 11 integrantes, oito estão escalados para impedir que as denúncias contra o uso indevido de recursos financeiros da Petrobras sejam investigados. No Conselho de Ética, 10 dos 15 componentes também obedecem às ordens de Rena Calheiros e não estão lá para apurar qualquer tipo de denúncia, principalmente contra José Sarney;

Por esse quadro, vê-se que Lula sabe muito bem quem é pizzaiolo no Senado. Por isso ele de logo a informação completa. São exatamente os senadores de sua "base aliada". Se não fossem, certamente reagiriam. Mas ficaram todos calados, ansiosos por botarem a mão na massa e montarem pizzas dos mais variados gostos. Para eles, basta a promessa de que terão a liberação de verbas de suas emendas ao Orçamento para levarem adiante obras em suas bases eleitorais, trocando-as por votos no ano que vem;

Espera-se que os eleitores não aceitem qualquer tipo de pizza e exijam apuração de todas as falcatruas e em 2010 dêem aos pizzaiolos o destino que bem merecem, que é a volta para casa.

16 de julho de 2009

Promessa perigosa para ganhar eleição

Parece que o presidente Lula está pouco interessado no que possa acontecer com quem assumir o seu cargo em 2011. Algumas de suas atitudes certamente provocarão um rombo nas contas do Governo Federal, deixando de mãos atadas que tiver que administrar o Tesouro Nacional. O que importa é fazer tudo para ganhar a eleição do ano que vem, fazendo chegar ao Palácio do Planalto sua candidata. Por isso, Lula não sai do palanque, fazendo promessas que se cumpridas vão confirmar tais expectativas;

Lula anunciou aos aposentados que vai dar a eles um aumento real acima da inflação, em 2010 - "coincidência ser ano de eleição -, num momento em que se registra queda na arrecadação da Previdência. E é o mesmo Lula que vetou o mesmo reajuste em 2006, demonstrando total incoerência, pois hoje a situação é bem pior, pois houve de lá para cá uma crise financeira no mundo, que não foi para o Brasil a "marolinha" que ele disse que aconteceria;

Esse veto ainda vai ser apreciado e o anúncio antecipado para muitos é uma espécie de caça-voto para cima dos aposentados. Com isso, pode acontecer uma derrubada do veto de Lula ao reajuste de 2006. Aí, caindo o veto, o reajuste seria retroativo a três anos, gerando uma despesa de cerca de R$ 38 bilhões. Mas parece que o que interessa é ganhar a eleição do ano que vem. Se conseguir eleger sua candidata e ela se sair mal, o presidente tenta voltar em 2014 para ver se fica mais oito anos.

15 de julho de 2009

Uma notícia já esperada

O Conselho de Ética da Câmara dos Deputados aprovou, por 9 votos a 3, parecer do relator Sérgio Brito (PDT-BA) e arquivou o processo disciplinar contra o deputado Edmar Moreira (sem partido-MG) por uso indevido da verba indenizatória, que só pode ser utilizada em gastos relacionados à atividade parlamentar. As informações são da Agência Câmara;


O deputado Sérgio Brito (PDT-BA), terceiro relator do processo disciplinar contra Edmar, propôs o arquivamento da representação, sob o argumento de que a proibição ao uso da verba indenizatória por um deputado para o pagamento de serviços prestados por empresas de sua própria família - motivo da representação contra Edmar - só foi definida em 7 de abril, após ter sido baixada a portaria 7/09. É a terceira vez em 15 dias que o Conselho de Ética absolve o deputado;


"Eu digo que não foi a terceira absolvição do deputado e sim a terceira auto condenação da Câmara, que é incapaz de representar a sociedade. Hoje os congressistas podem tudo. O regime político brasileiro não é uma democracia. É uma oligarquia em que os oligarcas podem tudo", afirmou o professor de ética e política da Unicamp Roberto Romano;

Votaram contra o arquivamento: Antonio Carlos Mendes Thame (PSDB-SP) e José Maia Filho (DEM-PI). Votaram a favor do arquivamento: Nelson Meurer (PP-PR), Sérgio Moraes (PTB-RS), Mauro Lopes (PMDB-MG), Uzenir Rocha (PSDB-RR), Abelardo Camarinha (PSB-SP), Sergio Brito (PDT-BA), Lucio Vale (PR-PA), Paulo Piau (PMDB-MG) e William Woo (PSDB-SP). Abstenções: Hugo Leal (PSC-RJ) e Ruy Pauletti (PSDB-RS);

CINISMO EXPLÍCITO

O deputado Sérgio Moraes (PTB-RS) comemorou hoje a decisão do Conselho de Ética da Câmara de absolver hoje o colega Edmar Moreira (sem partido-MG) da acusação de mau uso da verba indenizatória. Moraes ficou conhecido depois que disse que "se 'lixava' para a opinião pública";

Ele foi o primeiro relator do processo de cassação aberto contra Edmar. Ele foi afastado do cargo depois de antecipar a intenção de sugerir a absolvição de Edmar em seu parecer. Questionado sobre o episódio, na época, ele disse que se lixava para a opinião pública. Moraes ironizou a decisão do colegiado é disse que lucrou com a polêmica criada em torno da sua frase. "Essa polêmica me deu muitos pontos. Nunca recebi tantos convites na vida, ganhei espaço", disse.

Sinal dos tempos

Há 20 anos, num vídeo apresentado na TV antes da votação que daria a Presidência da República a Fernando Collor, esse mostrou ao eleitorado a jovem Lurian, uma filha de Lula fora do casamento, algo que, segundo comentários da época, foi decisivo para o resultado da eleição, pois a sociedade condenou o candidato petista por até então ter escondido a pulada de cerca;

Muita gente condenou a atitude de Collor, considerada como uma apelação. A partir daí, mais que um adversário Lula passou a considerar o "caçador de marajás" como autêntico inimigo. Por ocasião do episodio que levou Collor a ser afastado do Poder, o PT, comandado por Lula, foi o partido que mais trabalhou para a derrubada do então Presidente da República;

Agora, 20 anos depois, estão aí os dois, quase que se beijando num palanque em Alagoas, territtório político de Collor - ele é carioca mas começou sua carreira na quele estado -, parecendo já ter havido perdão por parte de Lula. Ou seria mais um caso de prescrição, depois de duas décadas? Para tudo isso, no entanto, há uma explicação;

Alguém já filosofou dizendo que "política é a arte de engolir sapos". O que vale é o interesse em montar
esquemas para vencer eleições. O famoso Paulo Maluf um dia, acusado de procedimento não muito politicamente correto - teria dado dinheiro ao então deputado federal Cacique Juruna - disse: "Em política, feio é perder eleição";

Lula pensa da mesma forma que Maluf. Para tentar vencer a eleição do ano que vem elegendo sua candidata Dilma Rousseff, vale fazer acordo até com o diabo. E há quem diga que ele pouco está ligando para a possibilidade dela fazer um péssimo governo, por ser mais técnica que política. Para ele, seria um bom motivo para o povo colocá-lo na Palácio do Planalto mais uma vez, que sabe por mais oito anos;

"Assim caminha a humanidade". Esse é o título de um filme histórico do passado. Pode ser aplicado aos políticos brasileiros. Quem acreditou em Lula no passado, que durante nada menos que quatro campanhas em busca da Presidência da República garantiu que quando chegasse ao Poder mudaria o comportamento político do País, está tendo aí uma triste contastação de "as moscas mudaram, mas a padaria é a mesma.

14 de julho de 2009

Pizzaria Senado tem 204 copeiros

Ultimamente, tudo que acontece no Congresso Nacional tem sido motivo de espanto. Também é certo que quando aparece alguma denúncia sobre falcatrua, maracutaia e outras coisas mais, a maioria da população declara que tudo vai acabar em pizza. E nos últimos anos parece que os próprios senadores se encarregaram de confirmar a montagem da pizzaria. Não fora isso, não estaria hoje sendo anunciado algo que dá a entender que a Pizzaria Senado tem um enorme salão;

É que foi anunciado que para prestar serviços a 81 senadores existem naquela Casa nada menos que 204 copeiros, ou seja, quase três para cada parlamentar. Deve ser realmente uma imensa pizzaria. Pergunta-se: onde fica o salão onde deve trabalhar esse verdadeiro batalhão de serviçais? É muita gente para atender a 81 pessoas! Somem-se aos copeiros mais 513 contínuos, o que representa uma média de seis para cada senador;

Esse batalhão de 717 servidores recebe salário de R$ 2.400 cada um, totalizando uma despesa mensal de R$ 1.720.800, que vem a representar uma despesa anual de R$ 22.370.400, considerando-se os doze meses do ano mais o décimo-terceiro salário. Nada de se espantar, considerando-se que no Senado Federal há um quadro de pessoal composto de mais de 10 mil funcionários, além de 181 diretorias, algumas delas com funções bastante esdrúxulas, todas preenchidas na base do QI (Quem Indicou) de seus ocupantes;

Todos os dias surge uma denúncia de alguma coisa errada praticada pelo melhor amigo de Lula, o presidente da Casa, senador José Sarney, que o presidente elevou à categoria de intocável. E olhem que Sarney já era também um imortal, por integrar a Academia Brasileira de Letras por conta de sua veia literária;

Mas o pior é que ninguém vai ser punido, principalmente pela montagem dessa imensa pizzaria, algo que já é mais que esperado, bastando para isso reler uma postagem anterior mostrando que são os componente da Comissão de Ética do Senado, ficando registrada mais uma vez a pergunta que este blog vem fazendo: Para que serve o Senado?

13 de julho de 2009

Reforma política ou reforma dos políticos?

Mesmo sendo de autoria de um deputado federal do PMDB, há um interessante artigo publicado hoje em "O Globo" intitulado "Reforma dos Políticos". Trata-se de Marcelo Itagiba, do Rio de Janeiro. Ele começa dizendo: "Os recentes casos de malversação de verbas públicas que atingem gravemente a imagem do Congresso Nacional não serão abolidos com uma reforma política";

Itagiba ressalta: "É absolutamente improvável que a majoritária composição do atual parlamento - classificada por decanos da política e do jornalismo como a pior dos últimos tempos - aprove propostas que sepultem práticas reprováveis arraigadamente exercidas sob a alegada égide da legalidade, flagrantemente, desprovidas de ética e legitimidade";

O deputado fluminense, talvez preocupado com sua própria imagem, face à convivência com as verdadeiras "raposas" que vivem há décadas no Congresso Nacional, enfatiza em seu artigo: "Não precisamos de uma reforma política. Necessitamos, sim, e com urgência, da reforma dos políticos";

Além, entre outras coisas, de preconizar o fim do voto secreto nas votações em plenário, Itagiba conclui afirmando: "Com tudo às claras e acessível via Internet, poderá ser feita a reforma dos políticos, com os eleitores rejeitando aqueles cujas biografias já os reprovam e evitando a renovação dos mandatos dos que não se mostrem merecedores de mais um crédito de confiança";

Não resta dúvida de que as declarações do deputado Marcelo Itagiba estão de acordo com o que as pessoas de bem esperam que aconteça na eleição do ano que vem, quando os eleitores terão a oportunidade de promover a maior renovação já vista no Congresso Nacional, banindo de lá quem não mereça a condição de representante do povo, ou seja, uma antêntica renovação dos políticos.

11 de julho de 2009

Isso é um Conselho de Ética?

Este seria um Conselho de Ética? Está hoje no "O Globo" uma pequena amostra do que vem a ser um grupo que terá por incumbência julgar seus pares que quebrarem o decoro parlamentar no Senado Federal. Analisando as fichas de cada um, chega-se à conclusão que tal Conselho está mais para a falta de ética. O Conselho está assim formado:

  • WELLINGTON SALGADO (PMDB-MG) - Suplente do ministro Hélio Costa, protagonizou, no Conselho, muitas brigas para defender Renan Calheiros;
  • ALMEIDA LIMA (PMDB-SE) - Tem a gratidão eterna de Renan, que o indicou para presidir a poderosa Comissão Mista de Orçamento;
  • PAULO DUQUE (PMDB-RJ) - Pela idade (81 anos), presidiu as primeiras reuniões da CPI da Petrobras e ajudou a impedir sua instalação;
  • GILVAN BORGES (PMDB-AP) - É o mais fiel aliado de Sarney. Não vê problemas em empregar parentes, mesmo com o fim do nepotismo;
  • GIM ARGELLO (PTB-DF) - De quase cassado foi alçado a articulador de Rena, Lula e Sarney. Tem apelidos como "aprendiz de feiticeiro";
  • JOÃO PEDRO (PT-AM) - Seu maior mérito e ser amigo de Lula. Quer disputar o governo do Amazonas como vice de Alfredo Nascimento;
  • INÁCIO ARRUDA (PCdoB-CE) - Está no 1° mandato no Senado. Como relator da CPI das ONGs, barrou a tentativa de investigar irregularidades;
  • JOÃO RIBEIRO (PR-TO) - Foi denunciado ao STF, acusado de aliciar trabalhadores rurais e sujeitá-los à condição de escravos em sua fazendo;
  • ANTÔNIO CARLOS VALADARES (PSB-SE) - Ser líder foi o argumento para que assumisse a vaga no lugar de Renato Casagrande. É cotado para presidente;
  • JOÃO DURVAL (PDT-BA) - Pai do atual prefeito de Salvador, João Henrique, do PMDB, deverá ser pressionado a ficar ao lado de Sarney;
  • DEMÓSTENES TORRES (DEM-GO) - Presidente da CCJ, é um duro crítico de Sarney. Ajudará na argumentação jurídica no embate com os governistas;
  • ELISEU RESENDE (DEM-MG) - Foi um dos 14 senadores do DEM contrários à licença de Sarney na presidência do Senado;
  • HERÁCLITO FORTES (DEM-PI) - É 1° secretário da Mesa. Foi contra a proposta de afastamento de Sarney, mas já disse que seguirá a bancada;
  • SÉRGIO GUERRA (PSDB-PE) - Presidente do PSDB, foi escalado para dar equilíbrio à atuação da oposição. Tem bom trânsito na base governista;
  • MARISA SERRANO (PSDB-MS) - E vice-presidente do PSDB e vista como uma das lideranças novas do partido. Será a única mulher do Conselho.
Esse elenco, com 10 governistas contra 5 oposicionistas, mostra que o Conselho de Ética do Senado Federal parece mais uma tropa de choque para defender José Sarney, bem como qualquer outro senador ligado à "base aliada". Se alguém acredita que com essa escalação tal time seja capaz de punir algum senador, por pior que venha a ser a quebra do decoro parlamentar, pode passar a acreditar em Papai Noel, Saci Pererê, Mula-sem-cabeça etc.

10 de julho de 2009

Senadores contestam "Casa de Horrores"

Intitulado "Casa de Horrores", artigo publicado pela revista britânica "The Economist" na edição desta sexta-feira foi alvo de críticas e elogios de parlamentares brasileiros. A reportagem fala dos escândalos do Senado brasileiro. Para o 1º secretário da Casa, Heráclito Fortes (DEM-PI), afirmou: "É uma matéria preconceituosa e elitista. Eu acho que os jornalistas ingleses deveriam estar preocupados com escândalos semelhantes que aconteceram no parlamento deles. Cada um toma conta de seus problemas, respeitando a autonomia dos países”;

Já o senador Arthur Virgílio (AM), líder do PSDB, lembrou que o parlamento inglês não é exemplo. Ele declarou:
"A Câmara dos Comuns não precisa aprender muito com o que estou vendo aqui no Brasil não. A gente viu coisas terríveis lá também. Eles surpreenderam muito, porque é o parlamento mais experiente do mundo e, no entanto, revelou práticas típicas de países que não chegaram ao desenvolvimento democrático pleno, como é o caso do Brasil". Em maio deste ano, o presidente da Câmara dos Comuns, Michael Martin, renunciou ao cargo após as pressões recebidas devido ao escândalo do abuso de dinheiro público por parte dos deputados, que desprestigiou a classe política do país;

O que Arthur Virgílio esquece é que a renúncia foi a primeira de um presidente da Câmara dos Comuns desde 1695, quando Sir John Trevor se viu obrigado a abandonar o cargo por ter aceitado dinheiro em troca do apoio à aprovação de uma lei. O senador tucano afirmou, no entanto, que a matéria é "louvável, porque visa denunciar irregularidades" e concordou que o Senado brasileiro tem sido uma "Casa dos Horrores", defendendo, mais uma vez, a necessidade de investigar as denúncias;

A cada dia nosso Senado não sai do foco da mídia. Quando não é algum excesso de mordomia, é um senador cometendo alguma falcatrua. Casos de nepotismo existem aos montes, com o presidente do Senado sendo o maior “beneficiado”. Agora surge a denúncia de que uma fundação com seu nome, no Maranhão, recebeu dinheiro da Petrobras que andou sendo distribuído entre pessoas ligadas ao senador. E assim vai o Senado Federal a todo momento bastante razão a quem pensa que aquela Casa de nada serve para o País.

"Lula fecha olhos para escândalos quando lhe convém"

Isso é o que diz a revista britânica “The Economist” na edição que chegou às bancas nesta sexta-feira em artigo é intitulado "Casa dos Horrores", Para a revista inglesa, os escândalos do Senado brasileiro são um lembrete das falhas cometidas por aliados do presidente Luiz Inácio Lula da Silva e da "disposição de Lula em fechar os olhos para escândalos quando lhe convém". Em referência ao Senado, o artigo ressalta que aquela Casa “tem 81 membros, mas, de algum modo, requer quase 10 mil funcionários para cuidar deles";


Diz mais a Economist: "Muitos senadores, de todo o espectro político, cometeram erros. Quando o líder do opositor PSDB foi passear em Paris, por exemplo, o Senado pagou a conta do hotel. (Ele diz que foi um 'empréstimo'). Então parece injusto que Sarney seja o único pressionado a renunciar". Mas ele também não pode se dizer ignorante sobre o que se passava no Senado. Este é seu terceiro mandato como presidente. Durante um período anterior, ele apontou Agaciel Maia (chefe da administração do Senado) para sua lucrativa posição";


Segundo a revista, muitos dos funcionários do Senado "foram apontados como favores a amigos dos senadores ou simpatizantes políticos". A revista comenta a pressão sobre o presidente do Senado, José Sarney, por conta do escândalo, destacando que Sarney é aliado de Lula e o presidente estaria interessado no apoio do PMDB - partido de Sarney - para a provável candidatura de Dilma Rousseff pelo PT;


O artigo ainda comenta outros deslizes de José Sarney, mas afirma que ele é "um sobrevivente" e "provavelmente vai manter seu posto", justamente por ainda ter poder dentro do PMDB e ser aliado de Lula. merece mais respeito e culpou a imprensa por "Lula disse que Sarney inflar o escândalo. Mas no momento em que a economia está apenas emergindo de uma recessão, a saga dos 'atos secretos' lembra os brasileiros que seus políticos nunca impõem austeridade a si mesmos";


Aí está. A imprensa internacional também está vendo claramente e divulgando o que ocorre no Brasil. Cabe agora a Lula virar suas baterias contra a revista britânica e dizer também que ela está se preocupando de “coisas menores”, como nosso presidente classifica a série de escândalos que surgem a cada dia no Senado Federal.

8 de julho de 2009

Minc faz mais uma das suas

Lula tem um auxiliar direto que é chegado a uma polêmica. Trata-se de Carlos Minc, ministro do Meio Ambiente. Depois de criar atritos com ruralistas, Minc ganhou destaque quando compareceu a um evento no Rio de Janeiro condenado por considerável parte da sociedade, que foi a Marcha da Maconha, onde viciados reivindicava a liberação do uso de algo que é considerado como droga e prejudicial à saúde e à boa formação moral de quem a utiliza;

Na condição de cidadão e consumidor, Minc poderia estar ali presente, até porque a manifestação havia sido autorizada pela Justiça. O que não se aceita é a sua condição de membro do primeiro escalão do Governo estar participando de uma marcha onde se fazia apologia de algo que é contra a lei. Mas o ministro ali estava dando seu apoio ao evento;

Agora Carlos Minc volta ao notíciário com outro fato polêmico. Ele se utiliza do chamado "nepotismo cruzado" para garantir mais um pouco de dinheiro público em seu orçamento familiar, consegue que o deputada federal Cida Diogo (PT-RJ) nomeie a mulher do ministro Maria Margarida para integrar o gabinete da parlamentar fluminense. Em contrapartida, Minc nomeou Flávia Martins Marques para seu gabinete, servidora que trabalhava no gabinete da deputada;

A mulher de Minc foi nomeada como Secretária Parlamentar, com salário de R$ 4 mil, mas que pode chegar a R$ 8 mil com as gratificações a que teria direito. Quanto a Flávia Marques, ela fica lotada no assessoria da deputada, porém trabalhando com Minc. Convém lembrar que Carlos Minc e a deputada Cidea Diogo fizeram dobradinha no PT nas eleições de 2006;

Em se tratando de algo entre petistas, nada de se espantar, pois afinal, como costuma dizer Lula, o que Minc e a deputaada fizeram "é algo que se se fez no Brasil". O que chama mesmo a atenção foi o fato de Carlos Minc ter distribuído nota à imprensa afirmando que não tem grau de parentesco com Flávia - ele é mulher dele e não esposa de "papel passado" -, não havendo qualquer ilegalidade ou imoralidade, bem como "não há qualquer reparação a ser feita". Fica combinado assim.

Continua a farra das passagens aéreas

Espantosamente, o título da matéria no jornal é "E a farra das passagens aumentou". Como assim? Depois de toda aquela gritaria não foi anunciado um controle mais rigoroso na concessão dessa mordomia no Congresso Nacional? Mas não é o que acontece. Comparando-se os gastos com passagens feitos pelo Senado no primeiro semestre deste ano com o mesmo período do ano passado, vê-se que a despesa praticamente triplicou;

Em 2008, foram gastos R$ 549 mil e 900 com passagens aéreas internacionais pelo Senado, passando a mesma despesa de janeiro a junho deste ano para R$ 1 milhão e 800 mil. Já nos voos nacionais, o Senado gastou R$ 5 milhões e 100 mil no ano passado, enquanto no primeiro semestre deste ano os gastos chegaram a R$ 7 milhões 800 mil;

Quais as medidas então que foram tomadas quando surgiu o escândalo dos excessos de passagens utilizadas pelos senadores, parentes e amigos - o mesmo ocorrendo também na Câmara dos Deputados - e que tanta grita provocou revolta na opinião pública? Observa-se, então, que tudo foi "jogo para a arquibancada". A farra continua, somente que com outros tipos de forma;

Continua sendo difícil para os senadores melhorarem a imagem do Senado Federal junto à opinião pública. A cada dia mais reforça-se a ideia de que aquela Casa não vem tendo nenhum valor prático para a vida do País. Já que não há esperança de que um dia o Senado deixe de existir - quem acha que os senadores votariam a favor disso? -, pelo menos podemos aproveitar as eleições de 2010 para renovar totalmente um terço da sua composição, não reelegendo ninguém.

7 de julho de 2009

Gente esquecida

"Parece existir uma pandemia de esquecimento no país. Lula esqueceu que mora em Brasília. Edmar esqueceu que tinha um castelo. Agaciel esqueceu de publicar os atos do Senado. Sarney - que já tinha esquecido de conferir seus extratos bancários - esqueceu que tinha uma mansão em Brasília e agora Dilma e Amorim esqueceram que não tinham terminado o doutorado. O brasileiro realmente tem memória curta. Sobretudo o eleitor."


Este texto é de uma leitora de “O Globo”, Regina Passarelli, do Rio de Janeiro, publicada na seção de cartas dos leitores na edição de hoje daquele jornal. Temos que reconhecer que ela retratou muito bem como anda a memória de nossos políticos, mas retrata também nossa mente curta, pois na condição de eleitor é que somos responsáveis por manter tais figuras nos cargos que ocupam;


Primeiramente, elegemos nossos representantes, muitas vezes sem termos garantia de eles têm condições para o exercício do cargo. Depois, não cobramos deles o que fazem nos cargos que ocupam. Quando aparecem participando de tramoias, maracutaias ou falcatruas, na maioria das vezes deixamos pra lá e até acabamos por votar neles novamente;


Lembramos que um dia, no auge do seu reinado, o rei Pelé afirmou que o brasileiro não sabia votar. Não fosse ele o maior jogador do mundo teria sido apedrejado em praça pública. Afinal, jogador de futebol era para ser um alienado sem se meter na política do país;


Passadas algumas décadas, vemos que a frase de Pelé continua totalmente atual. Grande número de eleitores em todo o Brasil no ano seguinte à eleição não lembra mais em quem votou. Continua mesmo não sabendo votar. Por causa disso, estão aí dando as cartas nas decisões figuras como José Sarney, Renan Calheiros, Collor e outros;


Por tais razões, a carta de Regina Passarelli mandada para o jornal carioca tem a dimensão de um alerta. No ano que vem teremos uma grande chance para reavivar a memória dessa gente, principalmente a do eleitor brasileiro.

6 de julho de 2009

Tião Viana está sendo sincero?

Este é um trecho de entrevista do senador Tião Viana (PT-AC) à revista "Veja" no último dia 4:

"O mensalão substituiu os projetos na agenda da Casa. Daí em diante perdemos a conexão com os interesses do cidadão. O Senado está em chamas. O governo controla a Câmara atendendo aos pedidos dos deputados com emendas parlamentares e com nomeações para cargos no Executivo. Lula nada fez para evitar a desconstrução e a perda de autoridade moral do Congresso;

Os partidos estão mais fracos e deteriorados do que antes de sua posse. E é papel do chefe de estado fazer com que as instituições como o Parlamento sejam vigorosas. O PMDB é a essência do fisiologismo. Tem bons quadros, mas vive de troca de favores. Ignora concepção programática, visão doutrinária, tudo para acomodar os interesses dos seus parlamentares, que só querem assegurar suas reeleições"
;

Vários senadores do PT estão bastante preocupados com a repercussão sobre o posicionamento deles com relação à permanência do senador José Sarney. Inicialmente, os petistas queriam o afastamento do Presidente do Senado para apuração das denúncias contra ele. Posteriormente, Lula os enquadrou e eles foram obrigados a apoiar a permanência de Sarney, pensando, segundo Lula, na governabilidade e, mas que isso, no apoio no partido do senador do Amapá/Maranhão à candidatura de Dilma à sua sucessão;

A preocupação da bancada do PT tem explicação, porque dos 12 senadores do partido, oito terão que se submeter às urnas no ano que vem. São eles: Aloizio Mercadante (SP), Augusto Botelho (RR), Delcídio Amaral (MS) , Fátima Cleide (RO), Flávio Arns (PR), Marina Silva (AC), Paulo Paim (RS), Serys Slhessarenko (RS). Ocorre que a crise no Senado expõe suas candidaturas a críticas com riscos às suas reeleições;

Tião Viana está entre os quatro senadores estão no meio de seus mandatos. Os outros três são: Ideli Salvatti (SC), Eduardo Suplicy (SP) e João Pedro (AM). Tião Viana, portanto, está à vontade para falar aquilo que bem quiser, embora, juntamente com Ideli Salvatti, seja candidato a governador. No entanto, atirar em Sarney possa ser um bom negócio para a imagem dele.

5 de julho de 2009

Houve ou não golpe em Honduras?

O blog “Brasil – Liberdade e Democracia”, com o endereço http://brasillivreedemocrata.blogspot.com, transcreve em postagens alguns artigos da Constituição de Honduras, que pode ser consultada no link http://pdba.georgetown.edu/Constitutions/Honduras/hond82.html. Os dispositivos servem para alimentar a discussão sobre a mudança de governo ocorrida naquele país, ação que muitos é intitulada de golpe militar;

Num de seus artigos, a referida Constituição de Honduras determina diz o seguinte:

ARTICULO 239.- El ciudadano que haya desempeñado la titularidad del Poder Ejecutivo no podrá ser Presidente o Designado. El que quebrante esta disposición o proponga su reforma, así como aquellos que lo apoyen directa o indirectamente, cesarán de inmediato en el desempeño de sus respectivos cargos, y quedarán inhabilitados por diez años para el ejercicio de toda función pública.


Entende-se, portanto, que até mesmo o apoio a uma reforma constitucional permitindo a reeleição do presidente Zelaya já seria motivo para seu afastamento do cargo de Presidente da República. Pra muitos, o que aconteceu foi o cumprimento da Constituição daquele país;


Em outro artigo, a Carta Magna de Honduras estabelece o disposto o artigo 239 como cláusula pétrea, ou seja, algo que não pode ser alterado;


ARTICULO 374.- No podrán reformarse, en ningún caso, el artículo anterior, el presente artículo, los artículos constitucionales que se refieren a la forma de gobierno, al territorio nacional, al período presidencial, a la prohibición para ser nuevamente Presidente de la República, el ciudadano que lo haya desempeñado bajo cualquier título y el referente a quienes no pueden ser Presidentes de la República por el período subsiguiente.


Como se recorda, o presidente Zelaya desconheceu uma resolução da Suprema Corte de Honduras, demitiu o comandante do Exército que havia recebido ordem de Zelaya para garantir a realização do tal plebiscito, fruto de alteração de uma clausula pétrea fosse realizado. O Supremo de lá mandou reconduzir o comandante e o Congresso resolveu afastar o presidente;


É realmente discutível a forma como trataram o presidente deposto. Não havia necessidade do mesmo ser retirado de casa ainda de pijama e deportá-lo para outro país. Mas daí a Lula & Cia. (OEA, Evo Morales, Rafael Correa, Cristina Kishtner, Bispo Lugo, Daniel Ortega e outros) ficarem tão a favor de Zelaya, tudo indica ser mais por apoiarem a “longevidade” de seus mandatos.