Comentários sobre política brasileira e outros temas polêmicos

Comentários sobre política brasileira e outros temas polêmicos

31 de março de 2009

Senado e Câmara têm voos à vontade

O título e os subtítulos de matéria publicada hoje na "Folha de São Paulo" dizem o seguinte:


Congressistas podem gastar até R$ 33 mil com passagens

Verba permite compra de mais de 30 bilhetes ida e volta por mês de Brasília a Estados

54 congressistas têm cota adicional de até R$ 13 mil;

em 2008, Câmara gastou R$ 80 mi com passagens;

Senado não revela valor


A matéria da "Folha", entre outras informações espantosas, informa ainda:


"Em meio a muito sigilo, desvio de finalidade e suspeita de irregularidade, o Congresso Nacional destina mensalmente aos 594 deputados federais e senadores uma cota para compra de passagens aéreas que, em alguns casos, permite a aquisição todo mês de mais de 30 bilhetes de ida e volta entre Brasília e o Estado de origem";

E diz mais: "Criada originalmente para permitir ao congressista quatro deslocamentos mensais ao Estado, a cota aérea é paga conforme o Estado do parlamentar e se ele ocupa ou não posto de destaque nas duas Casas. Na atual legislatura, o valor varia de R$ 4.700 a R$ 33 mil. Em 2008, a Câmara desembolsou R$ 80 milhões sob essa rubrica. O Senado, bombardeado nas últimas semanas por denúncias de mau uso dessa e de outras verbas de apoio ao trabalho parlamentar, se recusou a fornecer o dado à Folha";

A matéria prossegue relatando o seguinte: "Ao longo da semana passada, a Folha coletou informações nos gabinetes das duas Casas e apurou que a cota é alvo de desvirtuamento, como a distribuição de passagens a eleitores. Na Câmara, a verba fixa varia de R$ 4.700 a R$ 18,7 mil. No Senado, de R$ 13 mil a R$ 25 mil. As duas Casas remuneram os parlamentares do Distrito Federal que não precisam voar para suas bases".

E acrescenta mais uma informação: "Além disso, um grupo de 54 congressistas - integrantes da Mesa, seus suplentes e os líderes partidários- tem direito a um repasse adicional, que pode chegar a R$ 13 mil. Neste grupo está o senador Adelmir Santana (DEM-DF), suplente da Mesa do Senado. Apesar de morar em Brasília, recebe a cota aérea".

A "Folha" ainda consultou as tarifas médias das principais companhias aéreas do país, TAM e Gol, usando como critério valores médios da tarifa para compra com um dia de antecedência, e constatou que, em média, os deputados conseguiriam adquirir 13 passagens ida e volta/ mês, e os senadores, 17. E relata: "No caso de Goiás, por exemplo, a cota da Câmara (R$ 9.172) permite a compra de 25 passagens pela tarifa média de R$ 368 (ida e volta). Por serem líderes de bancada, Ronaldo Caiado (DEM-GO) e Sandro Mabel (PR-GO) têm direito a adicional de R$ 4.700. Poderiam comprar até 38 passagens de ida e volta/mês, pela tarifa média, não promocional. Os três senadores do Piauí, todos eles integrantes da Mesa do Senado, têm direito cada um a cerca de R$ 28 mil, o que equivale a 27 passagens de ida e volta entre Teresina e Brasília";

E vem mais um absurdo: "O presidente da Câmara, Michel Temer (PMDB-SP), tem cota de R$ 23,7 mil (abriu mão dela desde fevereiro, pois lhe é permitido o uso de avião da Força Aérea Brasileira). José Sarney (PMDB-AP), presidente do Senado, tem R$ 33 mil. Além do alto valor, a Folha constatou que não há fiscalização sobre o uso da verba. O congressista emite a passagem no nome de quem quiser e não precisa prestar contas. 'O controle é do parlamentar', confirmou Odair Cunha (PT-MG), terceiro-secretário da Câmara, responsável pela administração da cota dos deputados";

E conclui aquele jornal: "Questionadas pela Folha, as duas Casas afirmam estudar mudanças no sistema de controle. O Senado tende a formalizar a permissão para doação de passagens. Na Câmara, a Diretoria-Geral fala em combater a comercialização da verba";


Aí está um retrato de como é gasto o dinheiro público por aqueles que supostamente nos representam no Congresso Nacional. Não fica difícil entender porque esse cidadãos gastam milhões para se elegerem, pois além dessas mordomias todas ainda podem participar de diversas maracutaias em conluio com o Poder Executivo, ganhando mais dinheiro ainda;

Essas informações da "Folha", na realidade, são estarrecedoras e só estão vindo agora ao nosso conhecimento a partir dos escândalos do Senado com os casos da "horas extras" e dos 181 "diretores" fantasmas. Parece que é chegada a hora dos eleitores passarem a pensar desde já em quem vão eleger para representá-los nas eleições do ano que vem.

30 de março de 2009

Bronca geral

Muita gente anda dando bronca geral em tudo que anda ocorrendo por aí a fora. Um bom lugar para ver o que andam pensando os insatisfeitos está nas seções de cartas do leitores. Hoje, no "O Globo", há algumas bem interessantes;

  • O leitor Humberto Schuwartz Soares, de Vila Velha (ES) diz: "O presidente Juscelino, a pretexto de construir Brasília, desviou, sob forma de empréstimos, os recursos dos institutos. Daí o crônico deficit do INSS, pois o dinheiro nunca mais retornou". E disse mais, complementando: "Agora o filme se repete. O FGTS,amplamente usado em aplicações com retornos duvidosos e, no momento, o plano eleitoreiro de um milhão de casas populares, vai absorver significativos recursos que, dificilmente, serão devolvidos integralmente";
  • Já Benone Augusto de Paiva, de São Paulo (SP), afirma, com algum humor, sobre o plano de um milhão de casas: "Note-se que este governo é muito bondoso com os trabalhadores. emprestará nosso Fundo de Garantia a nós mesmos, para que possamos comprar a casa";
  • Moacir Pereira da Costa, do Rio de Janeiro (RJ), enfatiza: "A melhor profissão - pelo menos no Brasil - é ser político. Não carece de curso universitário, nem mesmo do atual ensino fundamental. Basta filiar-se a um partido, fazer promessas (enganosas), que vão ao encontro das necessidades do povo, e, certamente, corresponder aos interesses daqueles que patrocinam sua campanha, receber, com honra e pompa, diploma de parlamentar e a certeza de que obterá uma série de mordomias de seus pares caso cometa desvio de conduta";
  • Outra bronca é da leitora Marisa Stucchi, de São Paulo (SP): "E em Brasília a farra continua. sobram escândalos financeiros, políticos, policiais, ambientais, enfim, de todos so tipos. Faltam moral, ética, honestidade e, todas as esferas governamentais. Precisamos lembrr esses nomes nas próximas eleições, a fim de expurgarmos da vida pública esses cidadãos 'amigos do alheio'. E conclui:"O ano de 2010 está aí. Vamos das uma resposta à altura! Chega de maracutaias. O Brasil e seu povo merecem coisa melhor";
  • Finalmente, Maria Luisa Tisi, também do Rio, é enfática: "Eu e grande parte do povo brasileiro exigimos a saída desses senhores que deveriam nos representar,e não nos roubar. Desde que eu era criança, são os mesmos que continuam comandando, coronelando, e conseguiram manter o grande povão ignorante para ganhar votos em troca de dentaduras". E termina dizendo: "Para começar, exigimos: uma vez que o sujeito aprontou, não pode voltar; nem pode sair antes de ser cassado para um dia voltar. Aprontou, fora";

Pedimos permissão a todos e afirmamos, com toda ênfase: assinamos em baixo!

Seleção desrespeita o torcedor

Em matéria de futebol, minha geração teve o privilégio de ver em campo o que de melhor nosso país já produziu e mostrou ao mundo. Só para citar dois exemplos, Pelé e Garrincha são desse tempo. Quando a Seleção Brasileira era convocada, o que se discutia era por qual razão fulano, sicrano e/ou beltrano não haviam sido convocados, mesmo sabendo-se que os que haviam sido chamados eram realmente uma "seleção" do que havia de melhor no momento;
Pois bem, hoje é coisa é bem diferente. São convocados aqueles da preferência pessoal do treinador. Alguns se referem ao "meu grupo", e outros, à "minha família". Imprensa e torcedores quase sempre têm outras preferências, quase sempre cheias de lógica, e, ao contrário de antigamente, questionam a convocação de grande número de jogadores, muitos deles de qualidade técnica duvidosa, pelo menos para vestirem a camisa da Seleção Brasileira;
Neste domingo assistiu-se a um deprimente espetáculo de nossa Seleção diante de um Equador historicamente "freguês" do Brasil. Ocorre que
entre os convocados há jogadores visivelmente desinteressados em defender o Brasil, parecendo estarem em campo para cumprir um compromisso profissional - o que não deixa de ser verdade -, além de outros que jogam na Europa e nem titulares são em suas equipes;
Sem demonstrar qualquer prazer de estar envergando uma camisa que representa uma paixão de milhões de brasileiros, muitos parecem jogar olhando para o relógio pensando na hora de retornar para os países onde jogam ou, então, para correrem para as boates onde atuam com muito mais desenvoltura;
A Seleção não é a "pátria de chuteiras" como definia Nelson Rodrigues, mas o time preferido do torcedor brasileiro. Espera-se, pois que haja uma mudança de mentalidade quanto a esse interesse ou não de jogar pela Seleção, pois o torcedor que ser respeitado.

29 de março de 2009

Estranha Justiça

A Justiça no Brasil é sempre surpreendente. A agilidade com que a juíza de Guarulhos (SP) proferiu uma sentença condenando a dona a loja Daslu a que cem anos de cadeia contrasta com o longo tempo que está sendo utilizado para tomar-se conhecimento de quando vai a opinião pública saber qual sentença serão proferidas para José Dirceu, Delúbio Soares, Marcos Valério, Duda Mendonça e os demais 36 indiciados no caso do "Mensalão";
Os crimes da dona da Daslu e os cometidos pelos mensaleiros são bastante semelhantes, pois envolvem dinheiro público. No entanto, a turma indiciada por lidar com "despesas não contabilizadas" em campanha eleitoral cometeu até crime maior, pois ainda iludiram milhões de pessoas que lhe outorgaram o direito de representá-los no Congresso Nacional;
Aí estão, livres, protegidos pelo foro especial e até concorrendo a cargos eletivos, prontos para continuarem enganando seus eleitores. Com isso, ficam esperando que seus crimes prescrevam e fica tudo como se nada houvesse acontecido;
Alguém disse que nossas leis são muito estranhas. Pelo crime de sonegação, uma empresária é condenada a 94 anos de prisão. Já para o casal Nardoni, a pena pela assassinato da menina Isabela pode ficar, no barato, com 12 anos de prisão, por serem criminosos primários. Já para os criminosos de Brasília, só Deus sabe.

Criação do Estado do Emigrante

Tramita no Congresso Proposta de Emenda Constitucional (PEC) do senador Cristovam Buarque (PDT-DF) propondo a criação do Estado do Emigrante, que seria a 28ª unidade da Federação, com parlamentares que representem os quase 4 milhões de brasileiros espalhados em cinco continentes;

A Subsecretaria de Comunidades Brasileiras no Exterior, do Ministério das Relações Exteriores, vai promover em Brasília, no segundo semestre, a “Conferência Brasileiros no Mundo”, para discutir a criação do Estado do Emigrante. Dois brasileiros estarão participando do encontro, o jornalista Rui Martins, há 40 anos vivendo lá fora, sendo 28 deles na Suíça, e líder do movimento, além de uma professora que vive no Japão;

O Brasil segue o exemplo de outros países, como a França, que criou 11 cargos de deputados a serem eleitos pelos emigrantes franceses. Portugal e Itália também têm conselhos de emigrantes, e além de deputados;

A ideia é bastante interessante, pois atualmente esses quase 4 milhões de brasileiros ficam impedidos de participar na vida política do País e não têm representação no Congresso Nacional.

27 de março de 2009

Lula seria racista, e contra os brancos?

Desde seus primeiros dias de presidente da República, Lula tem se destacado pelos "improvisos" em seus discursos quase que diários. Alegava-se que era devido à sua pouca presença em sala de aula. No entanto, passados quase seis anos no Poder, Lula demonstra que aprendeu muita coisa, pois, quer queiram ou não, o exercício do maior cargo do País é uma verdadeira escola;
Mas Lula ontem deu uma escorregada das maiores dos últimos tempos. Para justificar a crise mundial, que não é mais a "marolinha" a que ele se referiu, ele afirmou a mesma fora causada "por comportamentos irracionais de gente branca, de olhos azuis", isso diante do primeiro-ministro britânico, Gordon Brown (que é branco e tem olhos azuis);
Mais do que uma descortesia com o visitante, Lula ainda deu mais um toque estranho em sua fala ao afirmar que não conhecia nenhum banqueiro negro ou índio. Quanto a existir algum negro dono de banco, na África poderá ser encontrado algum banqueiro com a pele da cor da maioria dos habitantes do continente africano em países como África do Sul, Nigéria e República dos Camarões;
Para muitos, a declaração de Lula é uma demonstração de racismo, e contra os brancos de olhos azuis. Não pegou bem. É bom lembrar que ele já há algum tempo vem estimulando diferenças entre pobre e ricos, numa clara tentativa de dividir o País em classes, algo muito perigoso;
Era melhor que que Lula tivesse permanecido calado.

26 de março de 2009

Enfim, uma ideia válida

O Ministério da Educação formulou uma ideia que pode ser válida. Trata-se da substituição dos exames vestibulares tradicionais por um novo tipo de Enen (Exame Nacional do Ensino Médio) para ingresso nas universidades federais e até as particulares que aderissem ao sistema proposto;
O novo exame seria realizado em todo o país, numa mesma data, através de um teste único, que seria constituído de uma redação e mais quatro provas de múltipla escolha com questões de português, matemática, ciências naturais e ciências humanas;
De acordo com a ideia exposta pelo ministro Fernando Haddad, a pontuação no novo exame serviria para estabelecer quais candidatos teriam direito às vagas oferecidas. Outra vantagem é que o candidato que pleiteie uma vaga num estado diferente daquele em que reside poderia fazer as provas perto de casa, mudando-se depois para o estado onde fosse estudar;
A ideia vai ser exposta aos reitores das universidades federais do Brasil em reunião da Associação Nacional dos Dirigentes das Instituições de Ensino superior, a Andifes. O ministro da Educação gostaria que a ideia fosse aprovada o quanto antes, com o que as vagas de 2010 já seriam disputadas pelo novo sistema.
A ideia pode ser considerada como muito boa, pois, segundo o MEC, evitaria a decoreba e as pegadinhas dos vestibulares atuais.

25 de março de 2009

A Petrobras precisa se explicar

O preço da gasolina no Brasil não vai ser reduzido, segundo afirma o presidente da Petrobras, Sérgio Gabrielli, alegando que nas refinarias "o litro da gasolina é mais barato do que o litro da água mineral engarrafada". Ele vai mais longe ao dizer: "O que encarece para o consumidor é a margem de lucro das distribuidoras e os altos tributos";
Segundo a direção da Petrobras, com base nos preços médios do ano passado, "a gasolina no Brasil não está mais cara que nos EUA". Não é bem assim, pois o litro nos Estados Unidos está custando R$ 0.88, contra R$ 1,10, preço na Petrobras, sem os impostos;
Parece-nos que o senhor Gabrielli tem que se dirigir à opinião pública e fazer um "mea culpa". É que afirmando que a alta do preço da gasolina nos postos fica em parte por conta da margem de lucro das distribuidoras, ele inclui entre elas a maior de todas, com 35% da distribuição que é a própria Petrobras. Ou, então, determina de imediato uma redução drástica na margem de lucro da estatal, aliviando o bolso do consumidor brasileiro e provocando a baixa do preço nas demais concorrentes;
Mesmo se tratando de uma estatal, por sinal a maior das ligadas ao Governo, Sérgio Grabielli também parece ter mandado um recado para o "patrão", pois também jogou parte da culpa no elevado preço aos tributos cobrados pela União. Ele deve, então, recomendar a Lula para que promova uma redução desses encargos tributários. Toda a população, com caro ou a pé, vai ter reflexos positivos, principalmente com a redução dos preços dos produtos que embutem nos mesmos o custo dos fretes;
Na realidade, continuam cobrando do consumidor brasileiro a manutenção da margem de lucro da Petrobras, sempre com a conotação ideológica de que quem paga para abastecer carro é a classe média, portanto, as chamadas elites. Esquecem que o alto custo do combustível se reflete em toda cadeia consumidora, onde se inclui os chamados pobres brasileiros.

24 de março de 2009

Segurança para todos

Quem tem necessidade de dirigir carro à noite no Rio de Janeiro vive um verdadeiro dilema. Tem que fazer uma escolha difícil, se o sinal luminoso estiver fechado: para e corre o risco de ser assaltado, ou então ultrapassa o sinal e recebe em casa uma notificação de multa, com direito à foto de seu carro;
Em alguns locais as multas não são efetivadas se o motorista ultrapassar os sinais com luz vermelha, mas pouca informação existe sobre a situação de cada sinal. Aí fica complicado para o motorista, pois ao ver a luz vermelha ele fica entre a cruz a a espada. Se parar, um assaltante pode levar o dinheiro dele: se ultrapassar, poderá ser assaltado pelo Estado;
Na realidade, o problema deveria ser resolvido de outra forma. Ultrapassar sinal fechado, com luz vermelha, é uma infração às leis de trânsito. Não deveria ser solução para garantir segurança de ninguém. É um incentivo à prática da ilegalidade;
O que todos necessitam, motoristas noturnos ou não, é que o Estado garanta segurança para todos os cidadãos.

Reforma política já

O Brasil precisa passar por uma reforma política urgentemente. É claro que pensar-se em alguma alteração em algo que tire vantagens de nossos "legisladores" é pura utopia. Isso nunca vai acontecer, a não ser através de ato de força num regime ditatorial.
No Brasil, essa tal representatividade acontece, mas dos 81 que compõem o Senado, 19 são suplentes que não obtiveram NENHUM VOTO para estarem ali representando seus estados. Wellington Salgado, por exemplo, está há seis anos "representando" Minas Gerais na condição de suplente do ministro Hélio Costa. O cabeludo senador é do Rio de Janeiro, dono de uma universidade particular, e foi suplente para bancar as despesas da campanha do senador mineiro.
Começa que o nome de Estado está de certa forma errado, porque na realidade não são estados, mas sim províncias. Lá nos EUA a nomenclatura é válida, porque cada um deles tem legislação própria. Aqui, não. Por exemplo, o salário-mínimo estabelecido para São Paulo, Rio de Janeiro e Minas Gerais é o mesmo para o Piauí, Acre e Amapá
Talvez a solução fosse mesmo uma Assembléia Deliberativa Nacional eleita por voto distrital misto, com um número igual de deputados de cada Estado, par garantir-lhes a representatividade, e com uma outra parte sendo eleita pelo voto proporcional, com base no número de habitantes de cada Estado.

23 de março de 2009

O Senado não sai da "Ordem do Dia"

O Senado Federal continua sendo focalizado de modo negativo por conta dos seus últimos escândalos. Primeiro, foi a descoberta da mansão de R$ 5 milhões do então diretor-geral da Casa, Agaciel Maia, omitida em sua declaração de renda, além de espantar a todos pelo valor do imóvel e pelo salário do mesmo. Depois, veio ao conhecimento de todos as famosas "horas extras" feitas durante o recesso de janeiro;
No rastro desses escândalos, veio história das 181 diretorias. Já foram extintas 50, mas ainda tem diretoria demais e algumas até com nomenclaturas meio esquisitas. Em meio a tais fatos, vem a informação de que o Senado está pensando em compensar alguns ocupantes das diretorias extintas com algum tipo de remuneração, visto que eram titulares de diretorias que realmente funcionavam e que são necessárias ao andamento dos trabalhos da Casa;
Fica, então, comprovado que existiam - e ainda existem - diretorias de mentirinha, ou seja, tinha um monte de gente "dirigindo" apenas para ganhar mais algum "dindin". Além do mais, a mesa do Senado está com dificuldades para exonerar "diretores", porque os mesmos foram nomeados por indicação de senadores;
Ao lado de tudo isso, sabe-se que o Senado desde o reinício de seus trabalhos, em fevereiro, até agora fez apenas uma sessão deliberativa, e agora, em março, só teve três sessões. No dia 5 deste mês, aprovaram uma enorme quantidade de requerimentos onde tem até moção de solidariedade aos norteamericanos pelas mortes ocorridas no atentado terrorista ao World Trade Center, em Nova York, ocorrido em 11 de novembro de 2001;
Parece brincadeira, mas é verdade. Daí vem a pergunta que temos feito: Qual a utilidade atual do Senado?

22 de março de 2009

Qual a utilidade atual do Senado? (3)

Vale a pena transcrever, na íntegra, a carta do leitor Alfredo Rainho Neves, de Armação dos Búzios, RJ, publicada na edição de hoje (22/3) no jornal "O Globo", pois reflete o pensamento deste Blog:

"O sistema bicameral (Câmara e Senado) é ultrapassado, considerado elitista e até mesmo medieval. A própria Grécia, onde a democracia nasceu, possui uma só assembleia legislativa (sistema unicameral), como Portugal e outros países europeus, monarquias como a Suécia, países da América Central, Peru, Venezuela, a maioria dos países africanos e grande número de estados em todo mundo. O Brasil ficou atrelado à cópia americana de estados e tem mesmo o curioso nome de República Federativa. A solução seria uma reforma completa, acabar com o Senado (grifei), mudar o nome do país para República do Brasil e a Câmara dos Deputados ser denominada Assembleia Legislativa Nacional. Além da agilização na passagem das leis, a economia seria suficiente para uma grande melhoria da saúde e da educação. Não dá para entender que o Senado tenha sete mil funcionários (mais que muitos municípios brasileiros) e 130 diretorias";

Outra leitora, Margarida Maria Lemes de Andrade, de Niterói, RJ, também pensa como este Blog:

"Ao ler as notícias sobre as diretorias do Senado, e ver as pífias reações a elas por parte dos membros do parlamento e do governo, concluo que voltamos ao período romano, e fico aguardando que apareça um Incitatus (o cavalo de Calígula, nomeado senador, e para o qual o imperador construiu um palácio e designou uma guarda pretoriana para tomar conta de seu sono). Seria coroar de louros a farra dos nossos senadores, cuja tímida reação foi cortar uma meia dúzia dos 181 diretores, numa medida chamada por eles de moralizadora! Moral bem pequena, que nos envergonha e revolta";

Essas duas manifestações podem nos dar uma visão de o eleitorado brasileiro não vai, nem deve, ficar calado. Os escândalos estão aí a todo momento vindo à tona. A hora de se tomar posição e exigir uma imediata mudança desse triste estado de coisas que se verifica no Poder Legislativo.

Quando baixa o preço da gasolina?

Está difícil para o consumidor entender o motivo pelo qual o preço da gasolina nos postos seja baseado no valor de 2005 do barril de petróleo, que andou próximo de U$ 150. Agora que o barril está abaixo de U$ 50, não há nenhum sinal de que o preço do litro do combustível volte ao patamar daquela época;
A direção da Petrobras - são só seis diretores, e não 181, como no Senado - informa que só vai reduzir os preços dos combustíveis quando recuperar as perdas havidas pelo fato de ter mantido os preços estáveis até maio do ano passado, quando a gasolina teve aumento de 10%. Isso quer dizer que mesmo sendo uma estatal, o Governo não vai subsidiar a empresa, cabendo ao consumidor colaborar no equilíbrio das contas da Petrobras;
A pior informação é a que esclarece que a gasolina é adquirida na Petrobras ao preço de R$ 1,10 por litro. O resto do preço fica por conta dos tributos que incidem sobre o combustível, além da margem de lucro dos distribuidores e dos revendedores;
O que chama a atenção é o fato de que o alto preço dos combustíveis não afeta somente quem tem carro. Sobre também para o consumidor, onde se enquadram todas as classes econômicas. O frete dos alimentos certamente são afetados, e comida é comprada por pobres e ricos;
O que se sabe é que somente o Governo sai ganhando, pois afinal os impostos são cobrados com base no preço da mercadoria.

21 de março de 2009

Votar deve ser obrigação? Ou não?

Este é um assunto que volta e meia é discutido: o voto obrigatório. A seguir está o resumo de algumas opiniões compiladas na Internet e que representam o que pensamos sobre o assunto;

Vivemos numa democracia, mas somos obrigados a votar. Alguns alegam que o nosso voto não é obrigatório porque podemos não comparecer e pagar uma multa posteriormente. Mas se não votarmos ou justificarmos o voto, ficamos impedidos de diversas coisas, entre elas participar de concursos públicos. Então, será que poderíamos ter o direito de escolher se queremos sair de casa p/ votar em pessoas que não merecem nossa confiança;

Se o voto fosse facultativo os políticos se esforçariam mais para conquistar o eleitor e principalmente para cumprir suas promessas de campanha. Se, ao contrário da obrigatoriedade, o voto for voluntário, somente aquele que sabe dar valor deveria votar. Antes teríamos que exigir um mínimo para alguém ser candidato, além de transformar em obrigação formal as promessas feitas em campanha;

O ideal é como ocorre no primeiro mundo, a exemplo da maior democracia do mundo, os Estados Unidos da América. Lá, o voto é facultativo, nem é preciso justificar por não votar.
se o voto fosse facultativo, somente iria votar quem realmente quisesse. Com isso, aberrações como cantores, ex-jogadores de futebol, prostitutas e apresentadores de programa não seriam eleitos, como foi feito pela massa ignorante e descompromissada;

O voto não deve ser obrigatório em hipótese alguma. Sendo obrigatório, torna-se uma agressão à liberdade de escolha do cidadão, e isso é inconcebível. Por meio de artimanhas políticas, isolaram todos os possíveis candidatos concorrentes decentes. Não há mais democracia aqui e sim um teatro, um conchavo;

Não se pode chamar de democrático um país que usa a ignorância do povo para arrebanhar votos e ainda os obriga a votar. Analfabetos não deveriam votar nem tampouco se candidatar a nada.
andando-se pelas ruas do Brasil, percebe-se o quanto o povo brasileiro é desinformado e incapacitado para votar. E isso no ambiente urbano onde as pessoas teoricamente estão mais próximas das diferentes fontes de informação.

Seria interessante perguntar ás pessoas o que sabem sobre Marcos Valério, Delúbio Soares, Daniel Dantas, Play TV, Telemar, Telefônica, José Dirceu, Tarso Genro, Antonio Palocci, Jeany Mary Corner, Marcelo Netto, José Sarney, Fernando Collor e outros;

Com o voto voluntário, certamente teríamos apenas a participação dos brasileiros com um mínimo de interesse e conhecimento indo às urnas, o que tornaria as eleições menos populistas.

Somente 50? E os outros 131?

O Senado Federal divulgou nesta sexta-feira os nomes e respectivos cargos dos 50 diretores exonerados pela Casa Legislativa depois que veio à tona a informação de que a instituição possui o total de 181 diretores. Entre os diretores que perderam suas funções estão: Francisco Carlos Melo Farias, Diretor de Coordenação Aeroportuária, era responsável por assessorar os senadores no Aeroporto Internacional de Brasília, nos embarques e desembarques. Ele trabalhava fisicamente no aeroporto, numa espécie de auxiliar de "check in" dos parlamentares;

Elias Lyra Brandão, Diretor de Coordenação Administrativa de Residências, administrava os apartamentos funcionais do Senado e ficava instalado no subsolo de um dos imóveis;

O Diretor de Anais – qual seria sua atividade? –, Flávio Romero Moura da Cunha Lima, também perdeu o cargo:

O Diretor de Proteção a Autoridades, que era o que protegia as autoridades e encarregado da "Polícia Ostensiva" do Senado, José Milton de Moraes, perdeu o cargo;

A secretária responsável por coordenar os estagiários do Senado, Maria de Fátima Araújo, que também tinha cargo de direção, perdeu a função;

A seguir, a lista dos 50 diretores que perderam as gratificações: 1 - Antônio Helder Medeiros Rebouças - Secretaria de Coordenação Técnica e Relações Institucionais; 2 - João Roberto Pereira Baere Júnior - Gabinete da Consultoria; 3 - Francisco de Assis Freitas Pires Sabóia - Subsecretaria de Administração Financeira; 4 - Flávio Romero Moura da cunha Lima - Subsecretaria de Anais; 5 - Nina Lúcia de Lemos Torre- Subsecretaria de Registro a Reuniões de Comissões; 6 - Andre Goes Bakaj Rezende - Subsecretaria de Planejamento e Execução de Convênios; 7 - Ricardo Macedo - Subsecretaria de Convergências Tecnológicas; 8 - Francisco Guilherme Thees Ribeiro - Subsecretaria de Elaboração de Autógrafos e Redação Oficial; 9 - Afonso Celso Vieira de Queiroz - Subsecretaria de Obras; 10 - Denise Zaiden Santos - Subsecretaria de Pesquisas e Desenvolvimento de Estudos e Projetos; 11 - José Milton de Moraes Neto - Subsecretaria de Policia Ostensiva; 12 - Alex Anderson Costa Nobre - Subsecretaria de Proteção as Autoridades; 13 - Carlos Guilherme Fonseca - Subsecretaria de Publicações Oficiais; 14 - Petrônio Barbosa Lima de Carvalho - Subsecretaria de Tecnologia da Informação; 15 - Gerson de Souza Lima Filho -Secretaria Técnica de Eletrônica; 16 - Leife Gonçalves Montalvão - Secretaria Técnica de Eletrônica; 17 - Antonio Carlos Amorim da Costa - Gabinete da Secretaria de Assistência Médica e Social; 18 - José Neves de Araújo - Instituto de Legislativo Brasileiro; 19 - Paula Cunha Canto de Miranda - Diretoria Geral Adjunta; 20 - Marcos Antônio Kohler - Presidência do Senado; 21 - Sonibel Pastrana Pereira Rabelo - Coordenação de Análise de Notícias; 22 - Nilo Amaro Barros dos Santos - Coordenação Rádio Agência; 23 - Cláudia Dias Costa França - Coordenadora de Comunicação Institucional; 24 - Aricelso Lopes - Coordenador de Atividade Policial; 25 - Francisco Carlos Melo Farias - Coordenação de Apoio Aeroportuário; 26 - Elias Lyra Brandão - Coordenação de Administração de Residências; 27 - Antônio Carlos Nogueira Filho - Coordenação de Pesquisas e Apoio Técnico 28 - Ronaldo Wagner Carmona - Gabinete da Secretaria Especial de Editoração e Publicações; 29 - Claudionor Moura Nunes - Subsecretaria de Apoio Técnico; 30 - Rui Oscar Janiques - Subsecretaria de Atendimentos aos Gabinetes de Senadores; 31 - Claudio Silva Miranda - Subsecretaria de Atendimento de Informações Administrativas Especiais; 32 - Marcos Aurélio Correia - Subsecretaria de Apoio Técnico e Relações Institucionais; 33 - Luciana Duarte de Sant'Anna Xavier - Subsecretaria de Documentação e Arquivo; 34 - José Dantas Filho - Subsecretaria de Planejamento e Fomento; 35 - Edson Luiz Abrego - Subsecretaria de Gestão de Documentos; 36 - Sidnei José Kronenberger - Subsecretaria de Instalações Especiais; 37 - Flávio Roberto de Almeida Herringer - Subsecretaria de Redação da Ordem do Dia; 38 - Antonio Alberto de Carvalho - Subsecretaria de Arquivo Permanente; 39 - Paulo Elísio Brito - Subsecretaria de Administração Patrimonial; 40 - Maria de Fátima Araújo - Secretaria de Estágios; 41 - Antonio Carlos Costa Santos - Advocacia do Senado; 42 - Antonio Marcos Mousinho Souza - Coordenadoria de Processos Judiciais; 43 - Edna de Souza Carvalho - Secretaria Técnica Eletrônica; 44 - Helena Celeste Ribeiro Lustosa Vieira - Subsecretaria de Pesquisa e Recuperação de Informações Institucionais; 45 - Maria de Fátima Campos Ribeiro - Subsecretaria de Pessoal Inativo; 46 - Pedro Eneas Guimarães Coelho Mascarenhas - Gabinete da Subsecretaria de Infraestrutura Tecnológica; 47 - Carlos Alberto Campos Marques - Gabinete de Coordenação e Execução; 48 - Paulo Fernando dos Santos Moniz - Gabinete de Coordenação e Execução; 49 - Edmilson Ferreira da Silva - Gabinete de Coordenação e Execução; 50 - Cristiane Tinoco Mendonça - Gabinete de Coordenação e Execução;

Os diretores do quadro perdem as gratificações, que variam de R$ 2.064,01 a R$ 2.229,13, e voltam às suas funções originais. Neste primeiro momento, foram afastados apenas diretores concursados. No futuro, os não concursados que perderem os cargos serão demitidos. Esse futuro ninguém sabe quando será, porque os 131 restantes foram nomeados por indicação dos senadores, e aí só Deus é quem sabe.

20 de março de 2009

Vamos renovar o Senado em 2010?

Por menos que se queira, está difícil para quem acompanha o noticiário pelos diversos órgãos de imprensa as coisas que andam acontecendo no Senado Federal. O principal assunto continua sendo, sem dúvida, a enxurrada de cargos de diretores, num exorbitante total de 181, utrapassando de goleada a Petrobras, uma das grandes empresas do mundo, que é dirigida por um presidente e mais seis diretores apenas;
Outro fato estranho relatado pela imprensa diz respeito aos apartamentos funcionais (mais uma mordomia). Para 81 senadores há 72 apartamentos. Os "sem-teto" recebem R$ 3.800 a título de auxílio-moradia. Seriam nove os senadores beneficiados? Não. A conta não fecha por ai. Mesmo com um déficit, o Senado ainda empresta 13 de seus apartamentos a membros do Poder Judiciário. Daí, o contribuinte arca com o aumento da despesa com o tal auxílio-moradia;
Mas nosso País anda ultimamente muito estranho. De uma hora para outra, aquela famosa e tradicional frase "Brasil, o país do futuro" perde toda razão de ser. É só observar o noticiário político e ler nomes que estão à frente de quase todo o sistema político brasileiro: JoséSarney, Renan Calheiros, Michel Temer, Fernando Collor, Jáder Barbalho, José Dirceu, Delúbio Soares e outros "dinossauros";
Então, está na hora de participarmos de uma verdadeira renovação. Ano que vem tem eleição geral (menos para prefeito e vereador). No caso do Senado, serão eleitos dois senadores por Estado, ou seja, 54 dos atuais 81 vão disputar uma vaga para mais oito anos;
É a nossa chance. Vamos mandar para o Senado 54 novos senadores. Chega de tanta maracutaia. Vamos fazer uma verdadeira renovação.

19 de março de 2009

O Senado continua na "Ordem do Dia"

Está difícil o Senado Federal sair de pauta. A cada dia surge uma novidade, sempre desagradável, por sinal. Há poucos dias o presidente da Casa, senador José Sarney, anunciava que iria exonerar dos seus cargos os 136 diretores existentes ali. Mas ontem ele voltou atrás e contratou uma auditoria para estudar um plano de reestruturação do Senado. Isso depois que ele descobriu que havia uma informação errada. O Senado tem 181 diretores, ou seja, uma média de mais de 2 diretores para cada senador;
Quanto aos 181 diretores, por enquanto não serão exonerados. Continuam nos seus cargos e sperando tal reestruturação e recebendo seus elevados salários em média de R$ 18 mil, com alguns deles, somando benefícios indiretos, podendo chegar a até R$ 30 mil. Parece que tais valores fogem da realidade brasileira, onde o salário-mínimo nacional é de R$ 465,00;
Os cargos de diretor no Senado têm as mais variadas e estranhas denominações. Há uma com o pomposo nome de Diretor do Centro de Altos Estudos de Consultoria e outra de diretor de Coordenação de Rádio em Ondas Curtas. Talvez haja alguma diretoria de Ondas Médias e outra de Freqüência Modulada. A Diretoria de Anais ninguém entendeu para que serve e ainda está sendo motivo de piadas com dupl
o sentido;
Há uma das diretorias que ainda tem chefe de gabinete e mais 25 funcionários à disposição. Trata-se da Diretoria da Subsecretaria de Inativos. Parece que acontecem dezenas de aposentadorias de funcionários por dia, daí a necessidade de um órgão com tanta gente "trabalhando";

E tem mais. o 1º secretário da Casa, senador Heráclito Fortes, informou que ali existem cerca de 3 mil servidores do quadro efetivo; 3 mil exercendo cargos em comissão; e mais 3 mil terceirizados. Isso mesmo.
São cerca de 9 mil servidores, o que dá uma média de mais de 110 servidores por senador;
E essa farra toda é sustentada pelo contribuinte.

Dirceu coordena campanha de Dilma

Com seu mandato de deputado federal cassado por quebra de decoro parlamentar, cassação dos direitos políticos além de indiciado por formação de quadrilha no caso do “mensalão”, o ex-ministro da Casa Civil, José Dirceu, reuniu amigos nesta segunda-feira em um bar na zona oeste de São Paulo para comemorar seu 63º aniversário;

Nove ministros do presidente Lula participaram do evento, dentre eles a ministra Dilma Rousseff, da Casa Civil, além do vice-presidente José Alencar. Na ocasião, José Dirceu afirmou que pretende fazer campanha para Dilma Rousseff na disputa presidencial de 2010;

O Supremo Tribunal Federal (STF) acatou, há meses passados, a abertura de ação penal, pelo crime de formação de quadrilha, contra José Dirceu;

O ministro relator Joaquim Barbosa, citando a denúncia do procurador-geral, Antonio Fernando Souza, disse que o ex-deputado federal Roberto Jefferson apontou José Dirceu como o criador do esquema do mensalão. Para o procurador-geral da República, José Dirceu foi o principal articulador da engrenagem do esquema, durante as eleições presidenciais e até o período em que ele chefiou a Casa Civil;

Além da cúpula do PT, com o presidente do partido Ricardo Berzoini à frente , também estavam presentes o empresário João Carlos Di Gênio, dono do Grupo Objetivo; o banqueiro Walter Appel, do Banco Fator; e o político/cantor Frank Aguiar, vice-prefeito de São Bernardo do Campo. Também estavam lá o consultor de empresas Antoninho Marmo Trevisan e os cineastas Aníbal Massaini e Luiz Carlos Barreto. O atual dono da chave do cofre do PT, Paulo Ferreira, estava lá;

Vê-se, portanto, que a campanha eleitoral do ano que vem para a Presidência da República vai ser bem quente, porque a oposição vai ter muita coisa para contar ao eleitorado, que costuma ter sempre memória muito fraca.

Depois do Arcebispo, o Papa

Depois da polêmica levantada pelo arcebispo de Olinda e Recife na caso do aborto da menina de 9 anos estuprada pelo padastro, agora a vez do do papa Bento XVI condenas o uso de camisinhas, e logo em sua viagem à África, onde o índice de contaminações de Aids é o mais elevado do mundo. Sua Santidade afirmou que o uso de preservativo, além de não evitar a contaminação ainda agrava o problema;
Há quem diga que pelo peso e importância de quem emitiu tais declarações, as mesmas podem ser até consideradas como criminosas, até mesmo como um incentivo a genocídio. O uso da camisinha é resultado de mais de 20 de pesquisas realizadas por técnicos das mais variadas áreas, como cientistas, médicos sanitaristas, epidemiologistas, sociólogos e representantes de outros importantes segmentos;
Aqueles estudiosos verificaram que a eficácia da camisinha acontece uma todas as regiões do mundo, em especial nas mais carentes, onde o povo não dispõe de educação adequada e com total falta de estrutura social. Assim sendo, desconsiderar tudo isso é um ato de irresponsabilidade;
Ao contrário, há quem defenda as afirmações do Papa, pois existem inúmeras outras formas de contaminação. Para estes, o que há são milhares de pessoas contaminadas que não se tratam, a partir do fato de que os hospitais públicos não dispõem de condições par tratar tais pessoas. E têm razão neste aspecto. Não adianta distribuir camisinhas a rodo (até Lula andou jogando "pelo avanço" no Carnaval do Rio);
O que é necessário é que o povo seja mais bem esclarecido, concordando ou não com a opinião de Bento XVI.

18 de março de 2009

Qual a utilidade atual do Senado? (2)

O senador Tião Viana, do PT, aquele que perdeu a disputa pela Presidência do Senado para José Sarney, emprestou um dos celulares que a Casa põe a seu dispor - sem limite de gasto e pago com dinheiro público - para a sua filha mais velha levar numa viagem de 15 dias ao México, em janeiro. Ao se defender, ele levantou suspeita de que o vazamento sobre esses gastos poderia ter partido do gabinete da presidência da Casa;
Não explicou o uso indevido do dinheiro público e ainda tentou transferir para outros a responsabilidade. O fato faz lembrar o episódio do Mensalão, quando houve a histórica alegação de Lula de estava sendo feito o que era uma prática comum no Brasil;

A Secretaria de Comunicação do Senado informou que todos os senadores têm direito a um celular sem limite de gasto. Nos aparelhos residenciais, o teto foi fixado em R$ 500. Além dos 81 senadores,
pelo menos 122 servidores têm celulares pagos pela instituição, o que consome anualmente aproximadamente R$ 457 mil;
Já a procuradora da República Anna Carolina Resende pediu que seja instaurada uma investigação para apurar o pagamento de passagens aéreas pela senadora Roseana Sarney, do PMDB, para parentes e amigos. A procuradora Anna Carolina pediu que seja instaurada uma investigação para apurar o pagamento de passagens aéreas pela senadora Roseana para parentes e amigos;

Quarenta e três dias após o início oficial das atividades de 2009, o Congresso Nacional registra até agora a menor produtividade em plenário dos últimos nove anos, com só oito projetos votados pelo Senado e pela Câmara dos Deputados. O número representa cerca de um terço da largada de 2008, quando 25 projetos foram aprovados pelo dois plenários. Em 2007, foram 38, não se computando resoluções, requerimentos e outros projetos de tramitação menos complexa;
O desempenho atual do Congresso Nacional só encontra paralelo com o de 2000, quando os primeiros 43 dias resultaram na votação de oito projetos. Naquele início de ano, porém, o Congresso havia trabalhado extraordinariamente no recesso e votado até emendas à Constituição, a peça legislativa mais difícil de aprovar;

Aí estão, portanto, mais alguns exemplos do que tem sido nos últimos tempos aquela que em algum tempo atrás era chamada de Câmara Alta pela qualidade de seus integrantes, mas que ultimamente tem sido um exemplo do que de pior possa existir numa casa legislativa. Para que serve então o Senado?

Voto aberto já!

Dentro de algum tempo é provável que o deputado Edmar Moreira, aquele do super-hotel, tenha seu mandato ameaçado de cassação por recomendação do Conselho de Ética. No entanto, muita gente acredita que ele tem grandes chances de permanecer na Câmara dos Deputados, pois dificilmente algum deles perde seu mandato na votação pelo plenário

Os parlamentares ameaçados de cassação por quebra de decoro parlamentar começam sempre a agilizar a defesa de seus mandatos, valendo-se do fato que a votação que decidirá será secreta. Com a possibilidade de "voto corporativo", os partidos envolvidos se organizam para proteger mutuamente seus membros. De nada vale apurar tudo e ter até parecer recomendando a cassação do mandato do parlamentar faltoso, pois ele acaba sendo absolvido pelo voto secreto de seus companheiros;

Tramita desde 2001 o Projeto de Emenda Constitucional (PEC) nº 349 estabelecendo VOTO ABERTO para saber principalmente quem pratica o corporativismo na hora de cassar os corruptos. Por isso muitos estão gritando: “Chega de impunidade, VOTO ABERTO JÁ! Não vamos permitir mais o voto secreto”;

Desde 2006 e até hoje a PEC 349 não foi votada pela Câmara em segundo turno (exigência constitucional para aprovação de Emendas Constitucionais) e o assunto está como que meio esquecido, mas é hora de se exigir que o eleitor saiba como vota seu representante. Não se justifica que se escondam atrás do voto secreto e coloquem seus interesses acima dos interesses do povo;
O “Movimento Voto Aberto Já” realizou uma pesquisa com os 81 senadores para saber como eles pretendem se posicionar em relação ao fim do voto secreto, já aprovado pelos deputados federais. Todos foram abordados via e-mail e, em seguida, seus gabinetes receberam chamadas telefônicas da organização do movimento. Eis o resultado da pesquisa: a favor: 11; a favor com restrições: 6; e
não informaram: 63;

Existe no Orkut uma comunidade Intitulada “Eu que Voto Aberto” que tem se utilizado da Internet através do link http://www2.camara.gov.br/internet/popular/falecomdeputado.html/, mandando e-mail para todos os deputados pedindo a imediata aprovação da PEC 349/2001;

Uma boa ideia seria acessar o link da Câmara e começar a pressionar todos os deputados e ainda esperar para saber o que pensam os senadores, que certamente em face dos últimos acontecimentos naquela casa legislativa certamente não vão querer criar uma legislação que possa vir a pegá-los pelo pé. Mas não custa nada pressioná-los.

17 de março de 2009

Carteira de Torcedor é um palpite infeliz

Exigir do torcedor brasileiro que ele obtenha uma carteira ou cartão magnético para poder comprar ingressos para assistir partidas de futebol e ter acesso a estádios pode ser considerada como uma autêntica redundância. A forma de o cidadão se identificar no país é por meio de sua carteira de identidade;O presidente nacional da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB), Cezar Britto afirma: “O direito de ir e vir, especialmente para fazer valer a paixão do brasileiro pelo futebol, não pode ficar condicionado à prévia autorização estatal”;
Na avaliação do presidente da OAB, “se a idéia é proteger o cidadão da violência nos estádios de futebol, o que deve haver é um melhor policiamento e a utilização de forma mais eficiente do serviço de inteligência para por fim aos criminosos que se infiltram nas torcidas organizadas”;
Para Cezar Brito, controlar, aumentando o poder de vigilância genérica, é o mesmo que dizer que todos os torcedores são culpados por antecipação. Segundo ele, não parece uma boa idéia a criação de uma carteira ou um cadastro para o torcedor, que já está identificado por meio de sua carteira de identidade;
Qualquer juiz de primeira instância no Brasil dará uma liminar contra. Qualquer partido que recorra ao STF, terá a liminar. O que o ministro dos Esportes, Orlando Silva, quer é mais um cadastro para depois poder distribuir cartinhas, fazendo propaganda eleitoral, certamente com dinheiro público. Além disso, em se tratando de administração pública, vem o perigo de licitações viciadas e outras maracutaias;
A criação da tal carteirinha de torcedor significa controle do Estado sobre o cidadão, além de elevado grau de burocratização. Aqueles que não vão aos jogos corriqueiramente não poderão decidir ir de repente assistir a uma partida que tenha despertado neles algum tipo de motivação. Prejudica também os turistas, que não poderão assistir jogos de futebol, sempre motivo de curiosidade de estrangeiros, em especial quando chegam ao Rio de Janeiro querendo conhecer o histórico Maracanã;
Parece que o “ministro da tapioca” perdeu uma boa hora de ficar calado, sem ter dado um palpite tão infeliz.

16 de março de 2009

Qual a utilidade atual do Senado?

A cada dia o Senado Federal se supera. Depois do diretor-geral que adquiriu mansão de R$ 5 milhões, de um outro que morava em casa destinada senador e da aberração de pagamento de horas extras em pleno recesso, eis que agora a chamada Câmara Alta aparece agora com o cabide de empregos de parentes terceirizados, burlando frontalmente a proibição da prática de nepotismo, conforme determinado pelo Supremo Tribunal Federal (STF);
Só faltava essa. As empresas contratadas para prestação de serviços ao Senado estão cheias de parentes de senadores e de servidores. Estima-se que 90% dos contratados sejam parentes de alguém no Senado;
O senador Heráclito Fortes, 1º Secretário, afirmou que vai estabelecer o afastamento imediato de qualquer parente de servidor ou parlamentar que tenha sido contratado pelas prestadoras de serviços. Ele é de opinião que "legalmente não tem erro, mas moralmente, sim". Em vista disso, mandou identificar quem é quem nas empresas contratadas;
O que preocupa é a posição assumida pelo presidente do Senado, José Sarney, dando a entender que por ela cada senador tem que apontar quem é parente de quem, em vez de ele mesmo tomar medida enérgica para acabar com a irregularidade. Pelo seu passado e por sua postura de "coronel" político no Norte do Brasil, temos que pagar para ver, pois a Senado Federal, que recentemente foi chamado de "casa de tolerância" tem se mostrado completamente inútil ao País.

Ainda tem farra com cartão corporativo

Está difícil deixar de comentar o que nossos agentes políticos andam fazendo com o dinheiro do contribuinte. Hoje mesmo a imprensa dá conhecimento dos gastos da Presidência da República com os famigerados cartões corporativos este ano, entre 1° de janeiro e 11 de março, que foram 408% maiores que os do primeiro trimestre de 2008. Isso mesmo;
Os gastos até o dia 11 deste mês já somavam R$ 2,785 milhões, o que representa 65% de todos os gastos da Presidência da República no ano passado. Quando março terminar, se não houver uma parada em tais despesas, esses índices serão certamente bem maiores. Coincidentemente, as despesas se referem em quase sua totalidade a despesas com as viagens do presidente Lula e suas equipes de apoio e segurança;
Recentemente houve o escândalo de gastos irregulares, quando a ex-ministra da Igualdade Social, Matilde Ribeiro, andou utilizando seu cartão em comprar irregulares de mais de R$ 170 mil, além do ministro dos Esportes, Orlando Silva, que andou comprando uma gostosa tapioca por conta de seu cartão;
Depois não querem que a Oposição alegue que estão sendo utilizados recursos públicos na campanha eleitoral antecipada da candidata de Lula, que participa da maioria de tais viagens, onde são feitas inaugurações até de bebedouros de escolas;
O que se deseja é que o dinheiro do contribuinte seja melhor utilizado, ou seja, que os gastos sejam efetuados decentemente. Ainda bem que o procurador do Ministério Público junto ao Tribunal de Contas da União (TCU) afirmou que está de olho nos gastos, principalmente por ser preocupante esse crescimento desordenado de despesas num momento de crise econômica mundial.

15 de março de 2009

O que o povo pensa sobre tudo

De vez em quando é bom saber o que a opinião pública pensa sobre os mais variados assuntos. Um bom local para saber-se disso, sem dúvida, está na seção de cartas dos leitores do jornais. Sendo assim, vejamos o que alguns dizem hoje;

O primeiro se pronunciou assim:
"O presidente Lula foi infeliz ao afirmar que a crise no Brasil era apenas uma marolinha. Hoje vemos que a crise trouxe desemprego e o crescimento do país para este ano é próximo de zero. Diante de tudo isso, ainda existe o aumento para os deputados. Que país é este, presidente Lula?. Já está na hora de esquecer as piadas e desculpar-se com os brasileiros. Afinal, o tsumani já chegou";
O Senado Federal, como não podia deixar de ser,
também recebe seu recado: "Senado, casa de políticos experientes, mais velhos, mais respeitáveis, Câmara Alta, quantos adjetivos poderíamos enumerar para brindar ex-presidente, governadores, deputados, grandes prefeitos. No entanto, nos últimos tempos os senadores têm sido a mancha negra política deste país. Renunciam, fogem da cassação, depois voltam, sem que nada tenha acontecido";
O mesmo leitor completa: "Agora, totalmente na contramão da crise, mandam pagar horas extras mentirosas, numa época em que funcionário nenhum daquela Corte trabalha. Mas amanhã já teremos outros escândalos a mascarar e este a esquecer. A Câmara prepara aumento aos já aviltantes salários, quando deveriam ser congelados até o fim da crise";
Um outro leitor continua criticando o Senado: "Não dá para enfrentar essa gente! Já sei: não vou formar meu filho para ser médico, professor ou jogador de futebol. Meu filho vai se tornar político! E vai roubar muito, nas barbas da população, que vi aplaudi-lo de pé! Quem sabe não vira presidente da República? Alguém que pague a conta. O Brasil está além da anarquia".
As invasões promovidas pelo MST também são focalizadas por um leitor: "Quem custeia o deslocamento dos integrantes do MST em caminhões e tratores? Quem autoriza os portes de suas armas? Quem dá permissão para invadirem propriedades particulares? Quem deixou de punir o MST pelo vandalismo na Embrapa? Quem acoberta seus crimes? Por que Rainha continua solto? Afinal, que lucra com as atividades terroristas do MST?":
O caso do aborto da menina de 9 anos em Pernambuco teve leitor com opinião divergente da maioria: "A Igreja Católica sempre foi contra o aborto. O arcebispo foi coerente com a sua instituição". Mas também fez uma cobrança: "Quem dera o presidente e outros governantes fossem coerentes com tudo aquilo que disseram antes de chagar ao poder. Eleitores criticam os políticos exatamente por 'virarem casaca", de Acordo com a situação. Ao menos, Dom José Cardoso foi fiel aos princípios da Igreja: já os políticos...";
E tem mais um que reclama: "Tenho gravado o debate entre Lula e Serra em 2002, quando o primeiro condenava os programas assistencialistas de FHC, entre eles o Bolsa-Escola. Alegava que o governo não deveria dar esmolas ao povo, mas criar oportunidades de trabalho. E considerava inaceitável que um pequena empresa tivesse as mesmas obrigações trabalhistas que uma grande empresa, prometendo modificações na CLT. Com esses dois cheques, que se juntaram a outros não descontados por falta de fundos, o povo embarcou no maior estelionato eleitoral da história republicana";
E o leitor conclui: "Conquistado o poder, descaracterizou os programas sociais e engavetou a reforma trabalhista, que, com a tributária, propiciaria empregos, principalmente aos menos qualificados. como o povão gostou da presepada, novos talões dos mesmos cheques foram confeccionados para as obras do PAC"

Vê-se, só com esses exemplos, o quanto anda em baixa principalmente a credibilidade dos políticos junto à opinião pública. È bom que eles mudem radicalmente de comportamento, porque há no ar um ambiente propício para se promover uma histórica renovação nas casas legislativas do Brasil e dos Estados, mudando radicalmente a fisionomia dos quadros políticos do país.