Comentários sobre política brasileira e outros temas polêmicos

Comentários sobre política brasileira e outros temas polêmicos

31 de janeiro de 2011

“O vexame das aposentadorias”

Na edição desta semana da revista ‘Época’, a comentarista Ruth de Aquino aborda o tema mais escandaloso dos últimos dias, que é por ela intitulado de “O vexame das aposentadorias”. Sem dúvida, está causando repulsa na opinião pública a existência de tal privilégio concedido a ex-governadores, mesmo com o Supremo Tribunal Federal (STF) já tendo se-pronunciado contra a existência de tal concessão por parte de vários estados, nos quais aparecem agora nomes de conhecidos “arautos da moralidade pública”, como é o caso do senador Pedro Simon (PMDB-RS), famoso por seus eloquentes discursos contra maracutaias praticadas por homens públicos. No caso de Simon, prevaleça tese do “faça o que digo, mas não faça o que faço”;

Em razão disso, Ruth de Aquino começa dizendo de modo veemente: “Causam asco as aposentadorias inconstitucionais,milionárias e vitalícias de ex-governadores e seus herdeiros. Esses benefícios são um roubo e desmoralizam a profissão de político. Em toda a sua vida ativa,o cidadão comum e assalariado é chamado de “contribuinte”. O nome é correto.Contribuímos ao pagar impostos. No Brasil, infelizmente, os impostos são escorchantes e não servem para seu fim mais nobre”. Ela chama a atenção para o fato de que um trabalhador brasileiro, depois de 35 anos de contribuição de uma aposentadoria máxima é R$ 3.200. E destaca que “os ex-governadores estão acima das regras.Mesmo que governem um Estado por apenas alguns dias, podem ganhar aposentadoria de R$ 10 mil a R$ 24 mil. Para sempre, até morrer. E, após a morte, as viúvas assumem integralmente o benefício”;

Ruth de Aquino destaca o seguinte: “O Supremo Tribunal Federal, em 2007, considerou inconstitucional a aposentadoria de Zeca do PT,ex-governador de Mato Grosso do Sul. Mas o STF é mais lento quando a ação se destina a derrubar a mesma lei no Maranhão. Essa ação “está tramitando” no Supremo. O alvo é o clã Sarney: José e a filha Roseana ganham pensão vitaliciedade R$ 24 mil. São tantos os penduricalhos na conta do magnata da política José Sarney que, durante um ano, ele não percebeu que depositaram irregularmente o auxílio-moradia de R$ 3.800. Foram R$ 45 mil de “equívoco”, que depois ele afirma ter devolvido”, lembrando que Sarney, na condição de senador,ex-presidente e ex-governador do Maranhão ganha subsídio de R$ 26 mil, verba para passagens, casa, gasolina, e ainda por cima uma pensão eterna. E indaga: “Como descobrir aquilo a que não tem direito? Sarney tem direito a tudo, mesmo que seu Maranhão tenha indicadores sociais lamentáveis. Como disse o ex-presidente Lula, Sarney“não pode ser julgado como um homem comum”;

A comentarista da ‘Época’ fala-sobre o Paraná, que para ela é um caso especial e curioso de hipocrisia. “Não contente com os R$ 18 mil mensais que recebeu de pensão nos últimos meses, o senador tucano Álvaro Dias pediu à Justiça mais de R$ 1,5 milhão de benefícios retroativos pelo período em que governou o Paraná, de 1987 a 1991. Depois deflagrado, disse que a dinheirama seria para doar a uma instituição assistencial que mantém uma creche em Curitiba. “Centavo por centavo”, diz ele. Você acredita? Digamos que sim. Que Álvaro Dias seja um senador beneficente, em busca de uma vaga no reino dos céus. Mas o senador por acaso sabe que caridade se faz com o próprio dinheiro, e não com o dinheiro de seus eleitores? Eles podem preferir doar para cegos, órfãos, idosos. Ou simplesmente não doar o que não têm, porque ainda sonham com impostos menores e mais justos no Brasil”;

Para concluir, Ruth de Aquino diz; “É estranho que uma imoralidade como essa seja praticada em vários Estados há anos, sem que ninguém se rebele. Ninguém sabia de nada? Fala-se tanto de rombo na Previdência. Nós pagamos mais de R$ 30 milhões por ano de pensões para ex-governadores de todos os partidos. São os mesmos políticos que, no Senado,querem a volta da CPMF porque a saúde está em frangalhos. Porque o STF não cria uma regra para todo o país? Regrinha básica: Ex-governadores não podem violar a Constituição nem meter a mão no bolso dos outros”;

Parece-nos que todo cidadão de bem não tem como não apoiar as palavras de Ruth de Aquino. Entendemos que ela escreveu o que muita gente gostaria de dizer. Está no hora do povo reagir. Não precisa – ainda – ser como está acontecendo no Egito, na Tunísia e em outros países do mundo, mas não dá para continuarmos tão omissos com tanta falta de vergonha por parte da grande maioria dos nossos ilustres “representantes”.

29 de janeiro de 2011

Já requereu sua pensão vitalícia?

A notícia está hoje no site Folha.com e dá motivos para vários tipos de especulações, pois o que anda sendo divulgado sobre pensões para ex-governadores e outros dão a entender que tem muito mais gente recebendo essa ajudazinha dos cofres públicos. Consta que no Estado do Rio de Janeiro um ex-presidente da Assembléia Legislativa recebe pensão vitalícia por ter exercido o cargo de governador apenas por algumas horas, entre o ato de posse do eleito, presidido por ele, e a transmissão do cargo assumido logo após, por estar vago com a renúncia do titular e não haver um vice para substituí-lo. A notícia da 'Folha' é a seguinte:


Quatro parentes de Duque de Caxias receberam benefício


Tiradentes não foi o único herói nacional a deixar, além da honra, uma série de aposentadorias especiais para seus descendentes. Um neto, uma neta e duas bisnetas de Luiz Alves de Lima e Silva, o Duque de Caxias, também foram agraciados com pensões vitalícias pelo governo federal. O benefício foi concedido por Getúlio Vargas em 1941, quando o país vivia sob a ditadura do Estado Novo. O ato alega que os descendentes do patrono do Exército não teriam "recursos próprios para viver" e estariam "impossibilitados de exercer qualquer atividade”. A justificativa foi usada para assegurar a cada um 500 mil réis mensais.

 

Nesta semana, a 'Folha' revelou que duas tetranetas de Tiradentes querem pedir pensão vitalícia de dois salários mínimos. O benefício já foi concedido a sete trinetos e uma tetraneta do alferes.


O parentesco com artistas e políticos renomados foi usado outras vezes para a distribuição de pensões especiais do governo. Em 1945, Vargas deu o benefício à viúva e a uma filha de Clóvis Bevilácqua. Quando elas morreram, o presidente Eurico Dutra assinou outra lei para reverter o "direito" a três filhas do jurista.

Em 1992, Fernando Collor sancionou lei que deu pensão a Dolores Drummond, viúva do poeta Carlos Drummond de Andrade. Ela morreu dois anos depois.

A lista de pensões especiais bancadas pela União pode aumentar em breve. No ano passado, o ex-presidente Lula enviou projeto ao Congresso que cria aposentadoria de até R$ 3.600 a ex-jogadores "sem recursos ou com recursos limitados" que venceram Copas do Mundo. Eles ainda receberiam prêmio de R$ 100 mil.

Caso o leitor seja descendente de alguma figura de nossa História, essa é a hora de tentar se pendurar nas tetas do Tesouro Nacional, a exemplo de nosso ex-presidente, que já leva R$ 9 mil por conta do corte do seu dedo "mindinho" e das horas em que ficou quase-preso durante a ditadura militar. A "viúva" está à disposição.

28 de janeiro de 2011

Dilma se esconde e PMDB e PT brigam por cargos

De uns tempos para cá, os candidatos a cargos eletivos passaram a ser tratados como "mercadorias" que são exibidas ao público (no caso, os eleitores) através de técnicas de propaganda, de modo que os eventuais "compradores" vejam o produto do modo mais positivo possível. Nas eleições de 2002, o marqueteiro Duda Mendonça (aquele das brigas de galo e de dinheiro recebido do PT em paraísos fiscais) ficou famoso quando vendeu o produto "Lulinha paz e Amor" com técnicas que começavam pelo corte do cabelo e pela forma de aparar a famosa barba, passando pelos ternos Armani, tudo aliado a uma fala mansa, bem diferente dos discursos que por três eleições consecutivas Lula fazia em campanha, porém trincando os dentes. Isso deu certo, porque depois de três derrotas consecutivas e  finalmente o eterno candidato do PT ganhou a eleição;

Acontece que as técnicas de publicidade também são utilizadas para manter os produtos nas prateleiras. Assim é que Lula conseguiu se reeleger e ainda fazer sua sucessora, uma ministra eminentemente técnica, transformada em política profissional, vacilante no início da campanha, mas que depois aprendeu como se apresentar como "produto" político que caiu no agrado da maioria do eleitorado no segundo turno da eleição do ano passado;

Foi observado que Lula passou oito anos quase que diariamente sendo focalizado pelo mídia, mantendo-se sempre em campanha eleitoral. Nunca desceu do palanque. Isso serviu aos seus objetivos de manter o PT no comando do Governo. Mas há algo que não vai indo muito bem para a imagem do Governo Dilma Rousseff, exatamente pela forma como ela vem se comportando. Adotando uma postura de gerente do País, quase não sendo vista nem ouvida, ela não é como Lula e na falta da presença dela nos palanques das "inauguração" de assinatura de plantas, lançamento de pedras fundamentais e até reinaugurações, dona Dilma tem deixado para imprensa espaço para divulgar as brigas entre PT e PMDB por cargos nos escalões inferiores da administração, disputando cargos em órgãos que administram polpudos orçamentos, bem como as brigas entre os próprios petistas que buscam um emprego melhor pera os "companheiros";

Como resultado disso, começam a aparecer diversos indícios de escândalos praticados em diversos órgãos da administração federal nos último oito anos, que eram escondidos pela constante presença de Lula no noticiário. Com isso, o povo praticamente se esqueceu do Mensalão (há um processo no Supremo com 40 indiciados, com Zé Dirceu à frente), dos dólares em cuecas, das quebras de sigilos bancários e fiscais. Para culminar, aparece agora um membro do PMBD ameaçando trazer para a mídia o que diz saber sobre o mais de R$ 1 milhão apreendido em mãos de petistas "aloprados";

Se Dilma Rousseff continuar escondida, certamente muita coisa suja do governo anterior pode vir à tona, pois para administrar um orçamento de bilhões de reais, principalmente os peemedebistas, também capazes de jogar no ventilador até coisas que saibam do atual governo. É só perder algum cargo ambicionado. Eles são históricos nessa sede por cargos, mas não ganham de goleados dos petistas. É jogo de placar apertado.

26 de janeiro de 2011

Quem pagaria R$ 200 mil para ouvir Lula?

Lula vai cobrar 200 mil para fazer palestra






Durante oito anos pudemos ouvir Lula falando pelos cotovelos todos os dias, em alguns deles mais de uma vez. Era só ligar a TV nos horários de noticiários que lá estava ele. Quando não eram discursos formais, escritos por seus redatores oficiais, aconteciam os incríveis improvisos, nos quais muitas vezes o linguajar não era muito adequado para um chefe de Estado, utilizando até termos de baixo calão, o mesmo ocorrendo com alguns gestos da mesma forma inadequados à "liturgia do cargo", como dizia seu aliado José Sarney durante o mandato de Presidente da República que lhe caiu no colo com a morte de Tancredo Neves;

Noticia-se agora que Lula pretende sair pelo mundo a fora fazendo palestras, cobrando por elas nada menos que R$ 200 mil. Certamente haverá quem lhe pague para isso, talvez até por curiosidade. Sobre quais temas o ex-presidente falaria? Sua experiência de oito anos de mandato deve lhe dar bastante subsídios para abordar diante de plateias de intelectuais que ele gostaria de vê-los lhe aplaudindo no final. O problema será descobrir de tais aplausos seriam pelo conteúdo das palestras ou apenas pelo fato de que elas chegaram ao fim;

Posso garantir que de minha parte também estarei cobrando R$ 200 mil para ser lavado à força para ouvi-lo.

(Charge de ZéDaSilva)

24 de janeiro de 2011

O tempo passa e nada muda na vida política do País

As seções de cartas dos leitores dos jornais são verdadeiras fontes de assuntos a serem comentados e discutidos. Muitos dos que se utilizam dos jornais para fazer seus desabafos são muito claros no que escrevem e alguns até demonstram elevada qualidade dos textos, superando às vezes aqueles que vivem da escrita. Mas o que interessa mesmo é o conteúdo de suas cartas. Hoje, por exemplo, Marcos Antônio Mesquita de Souza, de Barra do Piaraí (RJ), diz o seguinte:

"Se tem algo que não deixo de ler no GLOBO é a coluna Há 50 anos, no Segundo Caderno. Tanto na terça, dia 18, como na quarta, dia 19, parecia que as notícias eram atuais. No dia 18, foi citado que ilustres vereadores estavam viajando como meu, seu, nosso dinheiro (como dia Ancelmo Góis) para um importante festival em Mar Del Plata. Pois é, passariam-se 50 anos e nada mudou. Temos até ministro que patrocina orgia para 15 casais com dinheiro público. No dia seguinte, a coluna mostrou que se noticiava que o então chefe de polícia, coronel Barros Nunes, estava instalando postos policiais nas afivelas para combater contraventores, prevenir crimes e implantar projetos sociais. O que deu errado para, 50 anos depois, tudo ter recomeçado do zero? Político Brasileiro é como o personagem James Bond: muda o ator principal, mas a mentirada e sempre a mesma".

Vê-se, portanto, que nada mudou em meio século. Notícias de corrupção e impunidade de políticos, falta de segurança e consequente violência são idênticas às que são publicadas atualmente. Também vemos diariamente reclamações sobre os problemas na saúde pública, crescimento desordenado de favelas e, o que é pior, de políticos que exploram a miséria alheia para angariar votos. No recente e trágico episódio da Região Serrano do Rio de Janeiro, logo após regressar às pressas ao Rio para pegar uma carona no helicóptero com a presidente Dilma Rousseff para visitar Nova Friburgo, o governador Sérgio Cabral cuidou de jogar a culpa nos prefeitos e governadores anteriores por terem permitido que se construissem moradias em locais impróprios. Esqueceu que ele mesmo teve quatro anos para tomar providências que servissem para minorar os efeitos das enchentes. Ao contrário, não deu andamento a projetos já existentes;

A cada dia que passa é necessário que o povo tome conhecimento do desleixo com que é tratado pelos possuidores de mandato dado através do voto. São eles também responsáveis pela escolha de auxiliares diretos, em sua maioria colocados em funções das quais nada entendem, estando ali para preencher as "cotas" destinadas aos partidos que apoiaram aqueles que exercem os poderes. Falta ao povo se conscientizar de que tem nas mãos - num único dedo, para ser mais explícito - o poder de banir da vida pública aqueles que ainda hoje considera o eleitor como um mero integrante de seus "currais eleitorais". Está na hora de começarmos a virada. Em outubro de 2012 a limpeza já pode ser iniciada nas eleições municipais.

22 de janeiro de 2011

Castigo para os aproveitadores da desgraça alheia

Está sendo emocionante ver o quanto o brasileiro é solidário na hora de catástrofes como a ocorrida há pouco mais de dez dias na Região Serrana do Rio de Janeiro.Trata-se de um sentimento bastante nobre, pois tem gente que está até fazendo sacrifícios para ajudar de algum modo aos que foram atingidos pelas chuvas e desmoronamentos naquelas cidades. Há também pessoas de elevado poder aquisitivo que não só fizeram vultuosas doações como ainda se deslocaram para lá e, como voluntários, passam despercebidos, dando sua colaboração para minorar o sofrimento que atingiu pessoas de todos os níveis sociais. A enxurrada não discriminou ninguém. Tanto foram devastadas casa simples, quase favelas, como também mansões;

Existem também outros tipos de "voluntários". Certamente têm interesses políticos-eleitorais na colaboração desses indivíduos inescrupulosos. Fazendo muitos pensarem que são pessoas dispostas a ajudar ao próximo, estão, sim, pensando mas é no próximo pleito eleitoral. Há políticos que estão fazendo verdadeira pirotecnia ao conclamar as pessoas a fazerem doações para as vítimas da Região Serrana do RJ. Numa cidade da Baixada Fluminense, um vereador (omitimos o nome dele propositalmente), já pensando na sua reeleição em 2012, enfeitou seu carro de som com adesivos gigantes com seu nome e com um slogan enaltecendo suas qualidades de benemérito da comunidade, além de uma gravação apontando os locais para serem entregues as doações, com o locutor enfatizando no final do texto com a frase "apoio do vereador fulano";

Espera-se que a Justiça Eleitoral tenha fotografado o referido carro de som e grava o texto na voz do locutor a fim de que o ilustre "representante do povo" seja enquadrado nos dispositivos da Lei Eleitoral que pune quem faz propaganda antecipada - ainda está na memória de muitos as multas aplicadas em Lula e Dilma por tal motivo - e que o mesmo tenha dificuldades para o registro de sua candidatura no ano que vem, pois é bastante condenável que ele esteja se aproveitando de um momento de tanta dor e tristeza para tentar faturar uma imagem de "benemérito do povo". Como ele, há também outros políticos e até celebridades que fazem questão de alardear a entrega de suas doações;

Mas o melhor de tudo será se acontecer que, além de uma possível punição da Justiça Eleitoral, o eleitor seja o maior carrasco desses aproveitadores, aplicando-lhes o maior castigo possível, que é ignorá-los na urna em 2012.

20 de janeiro de 2011

Reforma política pode criar o 'Distritão'

Surgiu hoje a notícia de que o PMDB e o PT estariam estudando a possibilidade de votarem ainda este ano uma reforma política. Acontece que os dois partidos aliados (será que são mesmo?) têm muitos pontos em comum, mas, como não poderia deixar de ser, também têm algumas divergências. Quanto ao financiamento público de campanha, os dois partidos estão de acordo.  Os petistas insistem no tal voto em  lista, com o eleitor votando na legenda e o número de vagas de um partido sendo preenchido pela ordem dos nomes de uma lista previamente estabelecida pelo partido. Já o PMDB quer aprovar um sistema apelidado de 'Distritão', que transforma a eleição proporcional em majoritária, com as vagas sendo preenchidas de acordo com a ordem de votação obtida;

No que diz respeito ao financiamento público de campanhas, de nada valerá nem barateará o custo das mesmas se não houver um rigoroso controle quanto ao tradicional Caixa 2 que sempre ocorre. Quase ninguém confia em que a lista previamente montada pelos partidos seja sem privilégios e outros expedientes. Entre as duas posições relativas ao sistema de votação - proporcional ou majoritária -, a do PMDB é mais próxima da realidade. Seja para deputado federal, deputado estadual ou vereador, a quase totalidade dos eleitores não vota em legenda partidária e sim em candidatos. Os votos de legenda em cada eleição são em sua maioria provenientes de erros do eleitor que comentem falhar ao votar em alguém, mas acabam por fazerem o sistema identificar o partido de um número digitado de modo incorreto na urna eletrônica;

Será interessante que a proposta do PMDB seja amplamente divagada e discutida, por ser a melhor de todas. Com a adoção do 'Distritão' vão acabar com a criação de parlamentares sem voto, eleitos "na aba" de puxadores com foi agora Tiririca e, no passado, Doutor Enéas. Este último, por exemplo, com seu mais de 1 milhão e 500 mil votos "elegeu" um companheiro da legenda do seu Prona com menos de 300 votos, enquanto milhares de candatos pelo Brasil ficaram longe de Brasília, apesas das dezenas de milhares de votos conseguidos. No Rio de Janeiro, por exemplo, são 46 vagas. O primeiro suplente seria o 47º colocado, não importando a qual partido pertença. Com isso, a nomeação de ministros, secretários de Estado e municipais diminuirão bastante;

A reforma política poderá também a acabar com a figura de suplente de senador sem voto, passando os eleitos q serem substituídos pelo primeiro que tenha ficado de fora. Que venha pois o 'Distritão"!

18 de janeiro de 2011

Não teremos mais chuvas até 2015?

Se não chover até 2015, isso não se repetirá
Assistimos na TV reportagem com o ministro da Ciência e Tecnologia, Aluisio Mercadante, anunciando que o Governo Federal vai criar o Sistema Nacional de Alerta e Prevenção de Desastres Naturais. Trata-se de algo existente em muitos países e que evitam (ou minimizam) tragédias como a ocorrida na Região Serrana do Rio de Janeiro, que já contabiliza quase 700 mortes provocadas pelas chuvas. A notícia soaria como motivo de elogios à administração de Dilma Rousseff, que já tinha superado Lula ao visitar a área afetada pelos deslizamentos 48 horas depois do evento - como se sabe, Lula fugia desses locais. Em Santa Catarina, por exemplo, só apareceu por lá quase duas semanas depois das enchentes. No ocasião, logo foi anunciada a destinação de recursos federais da ordem de R$ 750 milhões;

A criação do tal Sistema Nacional de Alerta e Prevenção de Desastres Naturais viria numa boa hora, mesmo que há décadas isso seja necessário e ninguém tenha tomado tal iniciativa. Seria a hora de deixar de lado as divergências de lado e aplaudir o Governo Dilma Rousseff. Pura ilusão. Voltamos ao jogo midiático. Ao nosso ver, trata-se de pirotecnia. Qualquer país decente (já em atraso, como o Brasil) estaria correndo atrás de financiamento internacional para implantação do referido sistema no menir prazo possível. Mas aqui tudo é diferente. Quase morte de vergonha o ministro Mercadante informou que o melhoramento acontecerá daqui a quatro anos. Isso mesmo. Somente em 2015 o sistema estará totalmente ativado;

Caberá então a Dilma Rousseff entrar em contato com São Pedro e assinar um tratado estabelecendo que até 2015 não haverá chuvas aqui no Brasil. A grande dúvida fica por conta do histórico brasileiro de respeito a tratados. Esta aí o caso de Cesare Batistti para deixar qualquer morador em área de risco bastante preocupado. Da mesma forma que o Brasil desrespeita tratados, São Pedro pode também pensar da mesma forma.

16 de janeiro de 2011

Já é hora de um Código de Defesa do Eleitor

Os fatos estarrecedores vividos nos últimos dias com as centenas de mortes ocorridas na Região Serrana do Rio de Janeiro apagaram um pouco do noticiário as estripulias praticas pelo ex-presidente Lula e seus familiares. Ele aproveitou a "sombra" da mídia e saiu do Forte dos Andradas levando consigo dona Marisa Letícia, filhos, noras e netos, onde se esbaldava às custas do erário público, com o ministro da Defesa, Nelson Jobim, justificando que o havia convidado, algo que foi contestado por muita gente. A saída de Lula estava prevista para amanhã, dia 18, mas ele e sua troupe saíram em pleno noticiário sobre os desmoronamentos que aconteceram em Teresópolis, Nova Friburgo, Petrópolis e outras cidades fluminenses;

Da mesma forma, também passou rapidamente pelo noticiário a informação de que não eram apenas dois filhos e um neto de Lula que tiveram passaportes diplomáticos renovados pelo Itamaraty dois dias antes do seu mandato, todos três ilegais, com o então ministro das Relações Exteriores, Celso Amorim, justificando que os mesmos haviam sido concedidos "por interesse do país". No meio do noticiário sobre a tragédia da Região Serrana do RJ, tomou-se conhecimento de que mais alguns filhos e netos de Lula também possuíam passaportes diplomáticos concedidos ferindo a legislação. A repercussão negativa dessa verdadeira farra criando um novo grupo de "diplomatas" fez com que o Itamaraty baixasse normas para a expedição documento, além de ameaças da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB) e do Ministério Público Federal de ingressarem na Justiça solicitando o cancelamento dos passaportes e punição dos responsáveis pela expedição dos mesmos;

Mais interessante ainda é que a área jurídica do Ministério das Relações Exteriores ao se manifestar sobre a divulgação dos nomes dos portadores de passaportes diplomáticos mostrou-se preocupada com a divulgação dos nomes dos netinhos de Lula, por serem menores, nada falando sobre a concessão irregular dos mesmos ferindo a própria legislação estabelecendo que os mesmos só podem ser concedidos a ministros, governadores, parlamentares e funcionários em viagens a serviço;

Já é hora, portanto, do povo exigir mais seriedade dos políticos no cumprimento de suas atribuições, principalmente aqueles que exercem os cargos de nível mais elevados - ministros, por exemplo -, cobrando dos mesmos quando extrapolarem as suas atribuições, e também do Presidente da República que os nomeou, estendendo tais cuidados aos demais níveis da administração pública mantida com o dinheiro dos contribuintes. Já é tempo de se criar o Código de Defesa do Eleitor e a Lei de Responsabilidade Eleitoral, punindo severamente aquele que exercer suas funções de modo fraudulento.

14 de janeiro de 2011

Mais de 500 morrem. De quem é a culpa?

Enquanto as covas esperam os mortos, a Região Serrana espera as verbas prometidas
Ao contrário de seu guru político, a presidente Dilma Rousseff apareceu num dos locais da tragédia que aconteceu na Região Serrana do Rio de Janeiro. Como se recorda, Lula só sobrevoou Santa Catarina após episódio idêntico depois de muitos dias e muitas pancadas na mídia em razão do seu costume de não se aproximar de tragédias, talvez para que seu nome só se vinculasse a fatos positivos, mesmo os falsos porém maquiados pela mídia oficial. Como sempre acontece nessas ocasiões, além de um monte de "papagaios de pirata" que a acompanhavam, Dilma anunciou a liberação de verba - R$ 780 milhões - para ser aplicada na solução de problemas na região afetada pelas enchentes;

Convém lembrar que no ano passado Lula fez a mesma coisa quando esteve no Nordeste após as enchentes que afetaram cidades principalmente de Pernambuco e Alagoas. Muito pouco dinheiro federal chegou por lá e a população continua aguardando o cumprimento das promessas. Em 2010, o Governo Federal tinha o Programa de Prevenção e Preparação para Desastres, do Ministério da Integração Nacional, com uma previsão de R$ 425 mihões, dos quais foram liberados apenas pouco mais de R$ 167 milhões. Teresópolis, Petrópolis e Nova Friburgo não receberam um centavo no ano passado, como se não necessitassem de prevenção e preparação para desastres. Em contra partida, o ministro Geddel Vieira (PMDB-BA), liberou para a Bahia 68% de recursos disponíveis objetivando alavancar sua fracassada candidatura a governador da Bahia;

Quando as chuvas começaram este ano a trazer problemas para São Paulo, apareceram uns "comentaristas" de blogs acusando os governantes paulistas do PSDB que estão no poder há mais de 16 anos. Eles seriam os culpados pelo que estava acontecendo por lá. Agora, seria a vez de colocarmos a culpa nos governantes do PT e de seus aliados - Sergio Cabral, do PMDB, por exemplo -, aí incluindo-se Lula e alguns ministros - Dilma, obviamente - pela tragédia da Região Serrana? Afinal, tiveram oito anos para resolver o problema. Na realidade, todos são culpados, nós, inclusive, porque com nossos votos colocamos e mantemos gente não séria para nos governar.

13 de janeiro de 2011

Mais atenção, governador Sérgio Cabral.

Esta foto era o que Sérgio Cabral mais queria
Historicamente, o Rio de Janeiro há várias décadas convive com algum tipo de problema de enchente, desmoronamento de prédios e encostas etc. no início de cada ano. O índice de acerto das previsões meteorológicas é próximo de 100%, bem diferente de tempos passados, que o então Serviço Nacional de Meteorologia informava: "Tempo bom, sujeito a chuvas". Não tinha como errar. Hoje, um site como o Climatempo dá para orientar qualquer pessoa. No início de 2009 abortei uma viagem de carro para Pernambuco com base em possível mal tempo nos dias previstos para estar na estrada. Fiz bem, pois tanto a BR-101 como a BR-116,tiveram sérios problemas nos dias em que eu estaria viajando;

Então fica aqui uma pergunta: Por qual razão o governador Sergio Cabral sempre tem uma viagem para fora do Estado exatamente nessa época do ano? Nos dois últimos anos foi assim. No ano passado chegaram a inventar que ele esta em Mangaratiba, mas ele levou alguns dias paraa percorrer poucos quilômetros de helicóptero. Estava em Paris. Este ano pelo menos não teve mentira. Estava mesmo em Paris. Todavia, acho que só regressou rápido para poder tomar carona no mesmo helicóptero de dona Dilma e aparecer na entrevista coletiva;

Esses homens não levam nada a sério!

11 de janeiro de 2011

Desrespeito ao contribuinte

Isso é que é vida, e quem paga é o contribuinte
Em seus oito anos de governante, Lula se destacou pelos mais de 400 dias em que esteve visitando outros países, além de estar fora de Brasília, seu local de trabalho, por mais de mil dias. Mas de uma outra forma Lula também se destacou durante seus dois mandatos. É que "nunca antes na história deste país" um Presidente da República este tão exposto na mídia e fazendo discursos todos os dias, algumas vezes mesmo falando diante de câmeras e microfones várias vezes ao dia. Até hoje, o povo não está ouvindo a voz rouca de Lula, tanto lendo discursos previamente redigidos como através de seus famosos improvisos;

Acontece, porém, que diariamente Lula ainda aparece na mídia, sendo notícia por causa de fatos que ocorrem envolvendo a ele e sua família, de modo não muito abonador, pois tais fatos estão sendo objeto de violentas críticas e até de ameaças de contestação na Justiça. Os dois fatos que mais vêm sendo objeto de notícia são as férias do ex-presidente no Forte dos Andradas  e os passaportes diplomáticos concedidos a dois filhos e um neto de Lula;

Quanto às férias de Lula, pode-se até se admitir que logo após sair da Presidência e tendo em seu lugar alguém de seu grupo político, seja ele convidado para uns dias de descanso e de readaptação à nova vida num forte do Exército. Como se sabe, os ex-presidentes que tenham exercido integralmente seus mandatos têm, por lei, direito a uma pensão vitalícia, além de assessores, carros, motoristas e seguranças. Parece que é demais, mas é uma prerrogativa legal com base na importância do cargo exercido. São beneficiários desta lei, além de Lula, os ex-presidentes José Sarney e Fernando Henrique. Quanto a Collor e Itamar, os dois exerceram os cargos em pedaços;

Todavia, por mais que o ministro Nelson Jobim, da Defesa, assuma que partiu dele o convite para que Lula tirasse férias num forte do Exército, o certo seria que ele e a ex-primeira dama ficassem alguns dias de descanso por lá. Falta, no entanto, Jobim informar por que razão ele teria também convidado os filhos, netos e noras de Lula . É inadmissível que essa "farranchada" toda esteja ali se esbaldando às custas do contribuinte. E o Exército ainda andou fazendo uma compras de complementos para a mordomia da "família real". Isso tudo caracteriza um abuso e falta de respeito aos contribuintes.

8 de janeiro de 2011

O “espírito público” dos parlamentares

Este é o título de artigo de Ruth de Aquino publicado na revista Época desta semana que achamos por bem transcrevê-la na íntegra por entender que o mesmo reforça, com indiscutível qualidade, as últimas postagens deste Blog:

É emocionante. O espírito público do Congresso ressurgiu com a força das tempestades de verão. O PMDB, muy amigo de Dilma e do povo brasileiro, pressiona por um salário mínimo maior e se lixa para a ameaça de veto do ministro Mantega. O PMDB também se mostra especialmente sensível às necessidades da saúde pública – e só por isso disputa com o PT os cargos no Ministério da Saúde, que tem um orçamento de R$ 77,3 bilhões.

Além dessa preocupação legítima com o trabalhador, os parlamentares vão trabalhar no verão! Bem, na verdade os titulares gozarão de férias, porque deu muito trabalho votar pelo autossubsídio de R$ 26.500. Não é mole reunir em Brasília os congressistas para decidir alguma coisa em dezembro. Com o recesso em janeiro, a Câmara dos Deputados deverá dar posse a 45 suplentes para exercer mandato tampão. O nome é feio, mas a atitude é louvável.

O que seria do Brasil se não tivéssemos esses suplentes em janeiro na Capital ganhando, cada um, R$ 107 mil em subsídios e benefícios? Já que sobra dinheiro no caixa de Dilma e Mantega, e não há risco de inflação, você e eu pagaremos a esses suplentes R$ 4,8 milhões pelo sacrifício de labutar em janeiro. Tutti buona gente, à exceção, claro, de quatro políticos que são réus na Justiça, acusados de participar da máfia dos sanguessugas e do escândalo do mensalão. Coisas do passado, “fatos históricos” como os desaparecidos na ditadura. Quem perde o sono com Ficha Limpa, se nem o Supremo Tribunal Federal conseguiu bater o martelo até hoje?

Ah, temos ainda os senadores de verão, que custarão cerca de R$ 400 mil aos cofres públicos. São suplentes dos que se tornaram ministros e secretários nos Estados. E, como se viaja bastante a trabalho no mês de janeiro, cada senador suplente receberá passagens no valor de até R$ 23 mil, além do salário, auxílio-moradia e verba indenizatória. Você não se sente culpado de ir para a pousada na praia com a família enquanto esse pessoal dá duro no tampão?

Diante de tudo isso, é injusto que apenas uma parcela ínfima dos brasileiros aprove o empenho dos congressistas. Mas, quem sabe, Collor de Mello possa dar aos companheiros o endereço de seu médico especialista em laser que rejuvenesce e apaga todas as manchas – do rosto e, se possível, do currículo.
O que seria do Brasil se não tivéssemos esses suplentes em janeiro na Capital, cada um ganhando R$ 107 mil?

Leitura essencial é o artigo do expoente-mor do Congresso, José Sarney, em importante jornal nacional. Eis um trecho: “Pode parecer um paradoxo, mas a igualdade que a liberdade traz – com o fundamento de que todos somos iguais perante a lei, detentores dos mesmos direitos – (...) leva à solução dos conflitos e ao caminho do progresso e do desenvolvimento”. O sábio maranhense admite: “Nem tudo são flores”. Atribui-se a Sarney a autoria da ideia de pressionar pelo mínimo de R$ 560 ou R$ 580. Seria uma manobra para minimizar a repercussão do aumento de 62% dos congressistas. Dando certo, os louros irão todos para o PMDB. 

Mas o eleitor lúcido é cético. Nem a bela loura, com sua delicada tatuagem – “Michel” – na nuca, revelada pela trança de Rapunzel, turvou a vista de quem lê as notícias. O marido de Marcela, hoje vice-presidente, pode mandar na jovem primeira-dama do PMDB, mãe de seu filho e discretíssima musa do Jaburu, mas enfrenta clara dificuldade em disciplinar seus correligionários.

“Não tem sentido o PT expulsar o PMDB da Saúde”, disse o líder peemedebista Henrique Eduardo Alves, como se estivesse sendo expulso do paraíso. Investido de mediador, Temer já afirmou que o PMDB não fará chantagem com o mínimo nem votará contra o governo. O silêncio de Dilma revela a saia justa, mas, se a presidenta já enquadrou um general, bem que poderia dar logo um basta a essa quartelada partidária

Como um dia disse Lula, lidamos com homens não comuns. Homens cujos filhos marmanjos, de 25 e 39 anos, ganham passaporte diplomático irregularmente. Os passaportes para os Lulinhas foram concedidos pelo Itamaraty “em função de interesse do país” e “em caráter excepcional”. São miudezas irrelevantes.

7 de janeiro de 2011

A razão da "fome" por grandes orçamentos

Antigamente, os partidos políticos quando davam apoio a um determinado candidato a um cargo do Poder Executivo esperavam fazer parte do novo governo a se instalar. Era comum, então, que no caso de ministérios ou de secretarias estaduais ou municipais, os partidos indicassem técnicos dos seus quadros para dar qualidade à equipe do mandatário que iria tomar posse. Em alguns casos, os partidos indicavam alguns nomes mais políticos do que técnicos, mas eram pessoas com capacidade de exercerem os cargos para os quais viriam a ser nomeados. Havia um distribuição de "fatias" da administração, mas quase sempre se tratava de indivíduos que trabalhavam pelo êxito do governo do qual faziam parte, que ganhava como a população;

Outro fator que servia também para se pleitear cargos era a possibilidade de indicar os dirigentes dos diversos órgãos, neles acomodando cabos eleitorais ou servindo para carrear mais realizações para seus redutos eleitorais. Hoje, isso acontece em muito maior escala. No caso do Governo Federal, os cargos estão ocupados por militantes partidários e sindicalistas, num flagrante aparelhamento dos órgãos federais. Conhecimento técnico para os caros é coisa secundária. O que prevalece é a filiação partidária, incluindo-se aí os militantes dos partidos da "base aliada" ou o indicado pertencer a algum sindicato ligado ao Governo;

Isso foi mudando ao longo dos anos e o que hoje se vê são partidos disputando cargos quase que num clima de guerra e com o partido apoiante ameaçando romper como o da Presidente de República. E tem um agravante: o que mais interessa a cada agremiação não é o que determinado ministério possa fazer de melhor, mas sim qual é o tamanho do orçamento de cada pasta. À primeira vista, seria algo meritório, pois o órgão com maiores recursos poderiam, em tese, realizar mais obras, por exemplo. Mas quem conhece os políticos brasileiros sabe muito bem que não é esse o foco. Realizar muita coisas, todos eles querem, pois vão tentar faturar politicamente cada obra inaugurada. Todavia, infelizmente, eles querem é contratar e, principalmente, efetuar o pagamento das respectivas faturas. Entenda-se isso como se quiser.

6 de janeiro de 2011

Lula vai ou não "desencarnar" do Governo?

Os filhos "diplomatas" de Lula
Parece que vai demorar um bom tempo para Lula "desencarnar" do Poder, como declarou nos últimos momentos de seu mandato que iria acontecer. Mas está difícil. Cinco dias depois de passar a faixa presidencial para Dilma Roussef, o ex-presidente continua nas manchetes - mais até do que sua sucessora -, a partir do ato final de negar a extradição do terrorista italiano Battisti, fato que está em vias de causar algum atrito diplomático que aquele país. Depois, surge a notícia de suas "férias" num forte do Exército em Guarujá (SP), onde ele está com sua esposa, filhos netos e noras, com ninguém explicando claramente quem está bancado a despesa dessa farra familiar;

Agora surge a notícia divulgada pelo site da Folha de São Paulo informando que o Itamaraty concedeu passaporte diplomático a dois filhos do ex-presidente Lula, quando faltavam dois dias para o fim de seu mandato. O passaporte diplomático é concedido a presidentes, vices, ministros de Estado, parlamentares, chefes de missões diplomáticas, ministros dos tribunais superiores e ex-presidentes. Dependentes de autoridades podem receber o documento até os 21 anos (24, no caso de estudantes, ou em qualquer idade se forem portadores de deficiência). Luís Cláudio Lula da Silva, 25, e Marcos Cláudio Lula da Silva, 39, não sofrem de deficiência. Ao contrário, os filhos do ex-presidente gozam de perfeita saúde e obtiveram o documento em 29 de dezembro de 2010, penúltimo dia útil da era Lula. O Itamaraty justificou a concessão informando que ambos já tinham o passaporte especial e tratava-se de uma renovação;

O mais estranho é que o Itamaraty justifica a concessão dos passaportes alegando que a mesma foi feita "em caráter excepcional" e "em função de interesse do país", mas não apresenta justificativa para a concessão.O site da 'Folha' informa ainda que a validade do passaporte diplomático concedido aos dois filhos de Lula é de quatro anos, a contar da data de emissão. Assim, durante todo o governo de Dilma Rousseff, Luís Cláudio e Marcos Cláudio terão acesso à fila de entrada separada e com tratamento menos rígido nos países com os quais o Brasil tem relação diplomática. A notícia diz também que integrantes do corpo diplomático ouvidos pela reportagem da 'Folha', na condição de anonimato, afirmam que a decisão provocou mal-estar dentro do Itamaraty, já que o ex-chanceler Celso Amorim recorreu ao § 3º do Decreto nº 5.978/2006, que regula a concessão do tal passaporte, no qual o ministro tem o poder de autorizar a concessão do documento "em função de interesse do país". A 'Folha' apurou que Lula pediu o benefício pouco antes do fim do mandato.

É bom lembrar que em alguns países que exigem visto, o passaporte diplomático o torna dispensável. O documento é tirado sem nenhum custo para a "autoridade". E tem mais: um passaporte normal custa em torno de R$ 190 para ser emitido.

2 de janeiro de 2011

Agora é com Dilma, e seja o que Deus quiser

A criatura e o seu criador
Agora é definitivo. Dilma Rousseff é, de fato e de direito, a Presidente da República Federativa do Brasil. Afinal, mais de 55 milhões dos votos válidos dos eleitores assim decidiram no dia 31 de outubro passado no segundo turno. É bom que se diga que Dilma não teve a maioria dos eleitores a seu favor, uma vez que seus votos significaram 41% dos eleitores que compareceram às urnas, enquanto os 44 milhões que votaram em José Serra foram 32% e ainda teve um percentual de 27% de votos nulos, em branco e de eleitores ausentes. No entanto, é como atirar contra o próprio pé alguém torcer contra ela, pois se a aposta de Lula for um fracasso quem sairá pagando será o cidadão brasileiro. Passada a luta pelos votos, cabe a cada um fazer votos para que a nova presidente faça um excelente governo;

O certo é esperar que Dilma Rousseff governe sem revanchismo, coisa alimentada pelo seu "patrocinador" durante a campanha, quando falou em extirpar partidos de oposição ao seu governo e até por se vangloriar por existirem países em crise (esquecendo-se de que tais crises certamente afetarão o Brasil). Devem todos torcer para ela cumpra a promessa de melhorar os sistemas e saúde, educação e segurança, além de promover as reformas necessárias ao país, especialmente a política a tributária, e que Dilma entre para a História promovendo e desenvolvimento e a redução das desigualdades, tornando o Brasil, como ela mesmo disse, a "abençoada terra em que todos gostarão de viver";

Dilma e sua bela "linha sucessória"
Mas há algo que ainda preocupa muita gente, que são algumas das companhias que ela terá ao seu lado, pelo passado político e moral não muito recomendável de muitos deles. Espera-se também que Dilma tenha sempre boa saúde durante os próximos quatro anos. Causa horror em muitos pensar que ela venha em algum dia a ser sucedida por um vice-presidente do PMDB. Dá arrepios pensar nessa hipótese. Pela gula demonstrada durante e escolha de ministros, dá para se ter uma idéia de como seria uma chegada dos peemedebistas ao Poder. Houve quem declarasse que rezava diariamente pela saúde da presidente para que Michel Temer não venha a assumir a Presidência, mas quando viu quem será o futuro Presidente da Câmara dos Deputados, Marcos Maia (PT), e que José Sarney (PMDB) será reeleito Presidente do Senado, passaria a rezar todos os dias também pela saúde de Temer;

O que nos resta agora é esperar para ver o que acontece.