Comentários sobre política brasileira e outros temas polêmicos

Comentários sobre política brasileira e outros temas polêmicos

19 de dezembro de 2011

Pimentel pediu para sair há uns dez dias; Dilma não aceitou

O ministro do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior, Fernando Pimentel, há cerca de uns dez dias, em conversa com a presidente Dilma Rousseff, demonstrou ser mais sensato do que ela. Ele disse que o melhor a fazer seria pedir demissão, poupando o Governo de novos constrangimentos, ao mesmo tempo em que também se pouparia. Isso porque Pimentel estava - e ainda está - enrascado com a história de consultorias-fantasmas ou apenas suspeitas. A presidente não aceitou o pedido de seu amigo-ministro, ex-companheiro nas atividades que chama de combate à ditadura dos militares, afirmando que sua saída faria dela refém da imprensa. Com os demais afastados por prática de 'malfeitos', que não eram do PT, quem 'pediu pra sair' foi rapidamente atendido, até Carlos Lupi, que tanto resistiu, demonstrou ter 'casco duro', como o ex-presidente Lula recomendou, mas em relação ao 'companheiro de armas' Fernando Pimentel, até a alegação de que suas mal explicadas 'consultorias' não eram problemas do Governo, pois aconteceram quando ele nem era ministro;

Na realidade, somente Fernando Pimentel sabe o que fez da mesma forma que alguns amigos seus, fornecedores e ex-fornecedores da prefeitura de Belo Horizonte, que concordaram em sustentá-lo de 2009 a 2010, pagando-lhe uma espécie de Bolsa Consultoria, garantindo meios para que Pimentel para que preparasse o seu futuro político, que tinha como objetivo o governo do Estado de Minas Gerais ou uma vaga no Senado. Todavia, ele já sabia - e certamente sabe - que não deixará tão cedo de ser investigado pela imprensa, pois deu a ele motivos de sobra para isso. Falta Pimentel explicar como fechou contratos de boca com três dos quatro clientes que lhe pagaram um total de R$ 2 milhões, e ainda por que preferiu ficar em silêncio sobre detalhes dos contratos e das supostas prestações de serviço;

Pode não dar em nada e até cair no esquecimento essas 'consultorias' mal explicadas e bem remuneradas, pois, afinal, aconteceram na base do papo, sem uma única folha de papel com relatório e muito menos com algum recibo pela prestação do serviço, mas com as mesmas trazendo a desconfiança de tráfico de influência, pois por coincidência as empresas que contrataram Pimentel ganharam contratos na Prefeitura de Belo Horizonte, o Fernando Pimentel tinha e ainda tem influência. Muita gente pensa que os valores recebidos poderiam ter sido utilizados para formar um 'caixa dois' da campanha presidencial do ano passo, pelo fato de Pimentel se um dos seus coordenadores mais próximos de Dilma Rousseff, a quem poderá ser cobradas melhores explicações no futuro, principalmente se surgirem outras denúncias na imprensa que ela não quer que a controle;

Para entender bem o caso de Fernando Pimentel, vale a pena ler o que consta no site 'Observatório da Imprensa' com o título 'Lobby ou tráfico de influência?'´. Além disso, falta Fernando Pimentel ou a presidente Dilma Rousseff explicarem por qual razão o ministro integrou a comitiva presidencial a Genebra, na Suíça, para participar de evento da Organização Mundial de Comércio (OMC), do qual ele de nada participou, numa autêntica viagem turística, com evidentes sinais de fuga da 'mídia golpista', mas que levou o líder do PSDB na Câmara, deputado Duarte Nogueira (SP), anunciar que vai protocolar nesta semana requerimento de informação pedindo detalhes sobre a viagem do ministro solicitando cópia da agenda dos dois no evento da OMC e relatório das atividades realizadas, além de informações sobre a composição da comitiva e os custos da viagem.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Não saia do Blog sem deixar seu comentário