Comentários sobre política brasileira e outros temas polêmicos

Comentários sobre política brasileira e outros temas polêmicos

10 de abril de 2017

Má gestão no setor público atinge vítimas de catástrofes como as de 2011 no RJ

Se há casos que não faltam são os relativos à má gestão do poder público, independentemente da situação da economia do país. Mesmo quando tudo está sob controle, a incompetência administrativa de governos ou estatais mantém a população desassistida. E o pior é quase sempre acontece com a parte mais pobre. Os casos mais típicos são: a incapacidade de organismos públicos atenderem com eficiência a vítimas de catástrofes, como inundações e desabamentos, e, o segundo, a virtual estagnação do saneamento básico, quando executado e operado por empresas públicas, com poucas exceções. A economia ainda não estava em estado de recessão, em quando, em janeiro 2011, uma violenta enxurrada caiu sobre a Região Serrana do Estado do Rio de Janeiro, em especial nos municípios de Petrópolis, Teresópolis e Friburgo. Naquele que foi considerado como o mais grave acidente desse tipo no país;
Como prova dessa ineficiência, o bairro Lagoinha, em Petrópolis, as quedas de barreiras mataram duas pessoas e obrigaram 272 famílias a abandonarem o local. Dessas, apenas 39 conseguiram o dinheiro prometido para adquirir novas casas. Das restantes, algumas foram obrigadas a voltar a morar na casa condenada. Há o sistema do “aluguel social”, que quando não atrasa, não é atualizado. Hoje, com a crise fiscal, é bem provável que não esteja sendo pago. Outra evidência da incapacidade administrativa de governos é o atraso em obras de construção de novos imóveis para substituir os destruídos ou inviabilizados, o mesmo ocorrendo na execução de projetos de contenção de encostas, isso quando não se somam a tudo esquemas de corrupção montados por políticos e empreiteiras, como na catástrofe da Serra Fluminense. Auditoria do Tribunal de Contas da União (TCU) analisou 98 contratos de obras no Rio de Janeiro, Espírito Santo e em Santa Catarina, estados em que há grande incidência de desastres chamados de naturais. Dos contratos, apenas 18% estavam dentro dos prazos. Não basta só serem vítimas de desastres naturais, porque também o poder público se encarrega de aumentar o sofrimento de humildes pessoas. Tem muita gente merecendo ir para atrás das grades.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Não saia do Blog sem deixar seu comentário