Comentários sobre política brasileira e outros temas polêmicos

Comentários sobre política brasileira e outros temas polêmicos

3 de maio de 2013

Pagar Imposto de Renda faz você se sentir assaltado e também assaltante de si mesmo

  • Há algum tempo somente era possível ler artigos de Cora Rónai num caderno semanal de informática que o jornal ‘O Globo’ às segundas-feiras. O caderno acabou, mas ela continuou escrevendo no jornal, e sobre vários assuntos. Ontem ela estava inspiradíssima e começou seu artigo assim: “Hoje eu queria escrever uma crônica bem levinha, que deixasse todo mundo de bom humor, mas está difícil. Passei as últimas horas às voltas com o Imposto de Renda, e tive o desgosto de constatar que um terço do que ganho vai para o governo. Como todo mundo, eu também já sabia disso, mas uma coisa é encontrar descontos mensais no contracheque, e outra, bem diferente, é ver ali, na tela, o total que mando para Brasília. Claro que aí não estão incluídos outros impostos, como o ISS ou o famigerado ICMS, que levam boa parte do que gasto. A sorte é que não sou boa de matemática e não sei calcular quanto isso dá por ano, ou corria o risco de ficar seriamente deprimida ao descobrir que, na minha conta, entra menos da metade do que recebo”;
  • Prosseguindo, Cona Rónai continuou ‘amaldiçoando’ o IR e, de modo bastante irônico mau mais essa: “O que me consola é saber que este dinheiro todo será empregado de forma séria e judiciosa, garantindo aos brasileiros bons serviços, boa educação e um sistema de saúde próximo da perfeição, conforme constatou o ex-presidente Lula (antes de ir se tratar num hospital particular, mas isso são outros quinhentos). Fico reconfortada em saber que estou contribuindo para que se paguem salários de R$ 15 mil para os cidadãos que servem cafezinho no Congresso, o que é sinal de que somos um país rico e poderoso: assim mostramos à península escandinava do que somos capazes. Toma, Noruega!”;
  • Em seu artigo, Cora continua mandando ver, quando comenta sobre o que ganham nossos parlamentares, e parte outra vez para a ironia: “Quando eu morava em Brasília, me explicaram que é muito importante que os homens públicos tenham excelentes salários para que não caiam na tentação de se corromperem. Foi bom ter aprendido isso, caso contrário eu poderia fazer mau juízo deles. Já pagar a aposentadoria da Roseana Sarney não chega a ser uma alegria, mas reconheço que ela fez por merecer. Afinal, trabalhou seis anos inteiros no Congresso, naquele ambiente que é, notoriamente, o lugar mais podre do país”;
  • Mais adiante, ela vai mais longe, quando se declara que, por causa do Imposto de Renda, se sente como assaltada, mas também como assaltante de si mesma, quando narra: “Uma vez fui assaltada a mão armada. Um marginal tão marginal que poderia interpretar marginais no cinema levou as nossas bolsas, enquanto seus comparsas limpavam os cidadãos e os carros vizinhos. A sensação de impotência foi horrível: o que se pode fazer diante de uma arma? Pois apesar de estar em casa, em suposta segurança, a sensação que tive ao preencher a declaração de imposto de renda foi pior. O assalto é um ato completo em si mesmo. Ele não depende de nós e, com alguma sorte, não se repete. Não vemos o destino do nosso dinheiro e, com o tempo, esquecemos o que nos levaram”;
  • Por fim, Cora Rónai despacha toda sua crítica sobre tudo isso afirmando: “Preencher a declaração de imposto de renda, porém, é uma violência que praticamos contra nós mesmos, como se fossemos simultaneamente assaltante e assaltado: apontamos a arma para as nossas próprias cabeças indignadas e fazemos a limpa. Não temos outra opção. Temos que juntar uma papelada seiscentista e perder um tempo precioso, informando ao governo quanto ele pode levar: “Olhaí, seu ladrão, nessa bolsa tem duzentas pratas, ticket de refeição, um talão de cheques, dois cartões de crédito, óculos Rayban...” Com a agravante de que, se não praticarmos o assalto muito bem assaltado, ainda corremos risco de levar multa e sermos ainda mais depenados”.
  • O melhor de tudo é quando ela diz: "Apenas me sinto otária — muito otária! — em pagar impostos suecos por serviços dignos do Afeganistão". Mas pior é que Cora Rónai está certíssima.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Não saia do Blog sem deixar seu comentário