Comentários sobre política brasileira e outros temas polêmicos

Comentários sobre política brasileira e outros temas polêmicos

13 de abril de 2011

Um segundo turno para brincar com a dor

Senador Demóstenes Torres
À tragédia que tanto sofrimento e comoção provocou no Brasil, o Ministério da Justiça reagiu propondo desarmar a população e já começa a campanha. No entender do governo, se o MJ tivesse tomado igual medida há um mês, o assassino Wellington Menezes teria ido a um posto de arrecadação do Realengo e entrado na fila para entregar seu 38 com a numeração raspada e o 32 produto de roubo. Outros bandidos, País a fora, lotariam sedes de entidades, delegacias e quartéis para passar de suas mãos leves para os braços da lei o arsenal que amedronta até a polícia.

Apesar de atrasado, o governo federal parte em busca do tempo perdido e conta com o apoio da população para levar espingardas e revólveres. A moda pegou. O governo paulista faz a semana da troca de espadas de plástico por gibis e o Congresso Nacional idealiza o segundo turno do plebiscito do desarmamento, seis anos depois de o eleitor decidir que quer desarmar os criminosos, não o cidadão de bem. Em sua pureza, essas autoridades esperam que PCC, Comando Vermelho e congêneres declarem moratória unilateral e deponham metralhadoras, fuzis, lança-mísseis, granadas.

Sendo otimistas, ingênuos, imaginemos que o governo realmente acredita que sociopatas, psicopatas, assassinos em série e outros sinônimos de monstro se apiedem das futuras vítimas. Antes da barbárie, os desumanos colaborariam com a segurança depositando abaixo de um logotipo de ONG as armas que os catapultariam dos recônditos para as manchetes. É de um surrealismo de tal forma gritante que parece conversa do coelhinho da Páscoa com a Velhinha de Taubaté.

Na tragédia carioca, as duas armas passaram por diversas campanhas e continuaram em poder do crime, uma delas havia quase duas décadas. Bondosos, os proprietários das demais vão sair das bocas-de-fumo, finalmente arrependidos, e doá-las ao governo só porque o ministro quer. Esplanada brinca com a dor, ONG se diverte com os números: seriam 16 milhões de armas no Brasil, 14 milhões sob domínio de civis, mais da metade delas com bandidos. Como chegou a esses dados? Na terra de Rivelino e Anderson Silva, é fácil convencer com chutes.

Fecha-se o ciclo. A falta de políticas governamentais se une à ausência de dados no terceiro setor, acobertadas pela leniência integrante da anestesia nos quatro pontos cardeais. De Norte a Sul, recolhem-se corpos pelas ruas, em cidades de todos os portes. De Leste a Oeste, as drogas retiram os jovens do futuro e os atiram na sarjeta. O tambor que produz o cadáver e a cocaína da qual se faz o crack entram no Brasil pelas fronteiras que a inação mantém abertas para as diversas modalidades de tráfico. Infelizmente, esse horror começa a fazer palestra em sala de aula.

Psicopatas, latrocidas e traficantes talvez rejeitem o pedido e não entrem na fila para depor o arsenal, mas têm todos os motivos para esperar pacientemente na seção e votar “sim” ao desarmamento. A Suíça, violentíssima e paupérrima, em plebiscito dois meses atrás, derrotou com 60% dos votos a proposta de desarmar a população. História semelhante à que ocorreu num país tropical riquíssimo e tranquilo.

O autor é Procurador de Justiça e senador (DEM/GO) e este seu artigo foi transcrito do Blog de Ricardo Noblat

Um comentário:

  1. Airton, é impressionante o número de chutes que todos dão quando se refere a armas de fogo.
    Quem garante a quantidade de armas que já entraram em Banânia desde o descobrimento?
    Hipocrisia e oportunismo são a tônica desses boçais que acreditam que enrolam a população com conversa mole e muita estatística sem conteúdo.
    O Brasil só vai mudar no dia em que esse povo se tornar realmente cidadão.
    Enquanto isso, oremos para não sermos vítimas da bandidagem.

    ResponderExcluir

Não saia do Blog sem deixar seu comentário