Comentários sobre política brasileira e outros temas polêmicos

Comentários sobre política brasileira e outros temas polêmicos

23 de janeiro de 2015

Quer dizer, ministro, que eu sou culpado pelo apagão?

  • Não encontrei à venda um nariz de palhaço que o governo de Dilma Rousseff, através do seu ministro de Minas e Energia, Eduardo Braga, quer que eu e todos os consumidores usemos, com base nas justificativas que deu sobre os apagões que deixaram sem energia elétrica 11 estados e o Distrito Federal. Sua Excelência teve a capacidade de afirmar que não houve apagão nem racionamento, mas sim um "controle do abastecimento" feito pelo ONS (Operador Nacional do Sistema). Ah, entendi;
  • O ministro da Dilma, que entende dos assuntos de sua pasta tanto quanto entendia seu antecessor, Edison Lobão, foi mais longe ainda ao dar a entender que a culpa pela falta de energia é do consumidor, que fica ligando aparelhos de ar condicionado e ventiladores nas horas de calor intenso, o que vem ocorrendo há vários dias. Só faltou nos mandar usar um pedaço de papelão para minorar o desconforto ou sugerir que usemos o tradicional leque;
  • E também tem mais uma demonstração de paranoia no governo Dilma. Estão tentando dizer à opinião pública que o apagão de agora não é o mesmo do tempo de Fernando Henrique Cardoso - passados 12 anos continuam vendo o fantasma de FHC -, ao ponto de declarar que naquele tempo foi falta de energia e que agora foi um problema energético. Quem puder que entenda;
  • No final das contas, os usuários ficaram sem energia elétrica, tanto com FHC como com Dilma. E também a constatação de que se não chover vai haver racionamento, seja com hora marcada ou pontuais, como se diz atualmente. Para que as falhas estruturais sejam corrigidas, isso é com o consumidor, que terá pelo menos três aumentos no valor da tarifa, algo que Dilma disse na campanha eleitoral que seria feito por Aécio Neves, mas ele perdeu. Dilma assumiu essa missão.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Não saia do Blog sem deixar seu comentário